RSS
 

Arquivo para a ‘Museologia’ Categoria

Globo de Ouro: estes são eles

09 Jan

É uma brincadeira com duas premiações: melhor ator de série drama: Sterling K. AKirkDogulasBrown (“This is us“) e melhor canção de filme: “This is me“, de “O rei do show”, uma premiação de consolo para um filme genial sobre o dono de um circo que fez sucesso nos EUA, esperava mais para este filme.
Desconhecido para muitos de nós, apesar da ganhadora de melhor atriz para minissérie ser Nicole Kidman (Batman Forever, The Others, Molin Rouge e outros), “Big little lies” deverá permanecer conhecida só numa restrita elite cult brasileira, poucos irão assistir ou se interessar, para a crítica americana foi a grande ganhadora do dia 07 último do “Globo de Ouro”.

Big little lies, ganhou também melhor ator coadjuvante, para Alexander Skarsgård, e atriz coadjuvante, para Laura Dern.
O crescimento das series na TV paga domina a indústria do cinema, posso entender o interesse dos jovens por youtubers e produções independentes.
No cinema o prêmio de melhor filme  comédia ou musical (é a mesma coisa?) foi para “Lady Bird: é hora de voar”, venceu entre outros o meu favorito “O rei do show”.
Melhor diretor foi para Guillermo del Toro do filme: “A forma da água”, melhor ator coadjuvante para Sam Rockwell em “Três anúncios para um crime”, que ganhou também melhor filme drama.
O filme “Três anúncios para um crime” ganhou também o prêmio de melhor atriz para Frances McDormand, e que ganhou ainda melhor roteiro para filme com Martin McDonagh, pode-se dizer o segundo maior ganhador da noite.
Melhor ator filme drama foi para Gary Oldman “O destino de uma nação”,  enquanto melhor ator comédia ou musical foi para James Franco em “Artita do desastre” derrotando da impecável atuação de Hugh Jackman em “O rei do show”, o Oscar talvez corrija isto.
Nenhuma novidade na premiação da animação “Viva: a vida é uma festa!” da Disney que comprou os estúdios da Pixar alguns anos atrás.
Sobrou pouca coisa para comentar, a atriz Oprah Winfrey recebeu o prêmio pelo conjunto da obra, trabalhou nos filme “A cor púrpura” (1985), “O mordomo da Casa Branca” (2013) e “Selma: uma luta pela igualdade” (2014), fez um discurso forte sobre a questões da igualdade feminina e dos negros (muitos vestidos eram negros em sinal de protesto), e Kirk Douglas, aos 101 anos foi homenageado ao lado da nora  Catherine Zeta-Jones mulher de Mike Douglas.

 

A mensagem universal e a paroquial

05 Jan

Os estados modernos foram construídos sobre a égide do iluminismo e daaos-reis cultura do liberalismo, que prega a liberdade entre as nações, mas esconde os interesses de grupos e millieus de cultura que não são outra coisa senão porta-vozes da cultura vigente.
Apesar da cultura dos estados se sobrepor a cultura dos povos que estão sobre sua tutela, independentemente dos estados existe uma rica diversidade cultural, na Europa isto pode ser visto pela diversidade de cultura e povos, após a queda do muro de Berlim, há pode-se dizer uma cultura da diversidade pós-queda do muro de Berlim, deem o nome que quiserem dar.
Os estados são a cultura paroquial, a ideia que todos os problemas estão circunscritos e são próprios daquele grupo estabelecido sobre a coação de um estado ou de uma força política e econômica que subjuga muitas vezes aquele povo que deseja viver sua “cultura”.
É o mesmo que aconteceu com o cristianismo, enquanto outras religiões monoteístas procuram se universalizar, ainda que subsistam correntes dentro delas os sunitas e xiitas, por exemplo, no mundo islâmico, a tendência “cultural” é de formar grupos isolados onde os gostos destes grupos ou destas pessoas não se expressam não de maneira integrada.
No cristianismo é um grande equívoco, a proposta vivenciada desde o nascimento de Jesus é universal, os ritos e a liturgia também, mas os sentimentos e grupos paroquiais estão lá, pela força da coação paroquial tentando se impor ao pensamento universal.
O fato narrado em Mateus para a liturgia no dia dos reis magos (amanhã), é simbólico, mas essencial (Mt 1,1-2): “Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém” (1), perguntando: “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo” (2).
Ora os reis magos, não se sabe exato sua “cultura” mas não eram nem judeus e menos ainda cristãos porque esta cultura acaba de nascer através de Jesus, e somente como um “abortivo” (assim o apóstolo vai chamar-se) a um judeu ortodoxo que vivenciará uma experiência única, e depois levará para “fora” do judaísmo a proposta de JESUS a todos povos.
Talvez sem Paulo esta cultura permaneceria paroquial como uma seita judaica, mas apesar de presente em muitos países continua paroquial, provinciana e muitas vezes, o que é absurdo, sem conexão com a cultura dos povos locais, os reis magos hoje não entrariam na paróquia.
A limitação coercitiva do estado-nação de um povo é o que o impede de integrar-se na cultura universal mundial, a riqueza de cada um não é observada e admirada, como fizeram os reis magos ao conhecer “o rei dos judeus” que havia nascido

 

Linguagem, a palavra e o Natal

22 Dez

Fala, língua e linguagem podem parecer a mesma coisa mas não é, a fala AMaryScripturerefere-se a alocução de um enunciado, a língua ao que determinado povo fala, por exemplo, o português e o inglês são a língua da fala de quem as conhece, mas enquanto linguagens envolvem a complexa estrutura da comunicação humana, pois envolve também os signos e significantes em cada língua que podem ter diferenças.
O mais comum é claro, e aquele que todos nós fazemos no dia a dia é a fala, podem nem sempre ter a correção sintática de nossa língua, no caso brasileiro o português, mas de alguma forma procuramos nos fazer entender pelo outro.
A linguagem é algo mais complexo, tão complexo que os estudos e a forma no uso da linguagem, as palavras retomaram um sentido mais profundo, onde a palavra tem não apenas uma origem (a sua etimologia, que quer dizer estudo e origem das palavras), então a palavra tem um significado mais fundamental do que aquele que ela apresenta na fala.
Nominalistas e realistas divergiram em filosofia até o final da Idade Média, nenhum venceu porque venceu o idealismo que separa sujeito e objeto, a retomada da viragem linguística é também uma retomada do realismo, mas ambos ainda têm uma formulação incompleta, grande parte da literatura contemporânea oscila entre realismo e nominalismo.
O sentido completo da viragem linguística é aquele onde também a superação do dualismo sujeito e objeto ocorreu, os realistas defendem que são as causas materiais é que define o que é “real”, os nominalistas modernos subjetivistas defendem que o real é formulado pela mente então de certa forma se aproximam do idealismo, podemos citar entre estes desde Hobbes, chegando aos neopositivistas Rudolf Carnap e o linguístico Ludwig Wittegenstein.
Sua origem é importante também para a teologia onde João Roscelino (falecido em 1120), que apesar dos equívocos foi mestre do grande Abelardo, criou um nominalismo  que colocou em dúvida o dogma trinitário de Deus, não por acaso, porque todo dualismo está fundamentado no princípio idealista: o ser é e o não ser não é, sem terceira hipótese.
Pode-se fazer uma ligação interessante como o Natal, se pensamos na figura de Maria, ícone para católicos e ortodoxos, e algumas igrejas orientais, e a Palavra de fez Carne.
É véspera de Natal e é interessante rever o pensamento de Maria ao dizer no evangelho de Lucas (Lc, 1, 38): “Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!”, e o anjo retirou-se, quer dizer que Maria aceitou que de alguma forma A PALAVRA divina se realizaria ela de forma única e definitiva, claro no menino Jesus que nasceu, mas há algo escondido nesta etimologia porque palavra o judeu é também realização da “Palavra” tinha o significado da viragem linguística dos dias de hoje, claro no sentido bíblico, que significa colocar A Palavra no sentido correto da tradição judaica, e no caso de Maria a tradição cristã.
Pode-se dizer então que Maria era toda “revestida” da Palavra, significando que o Verbo Divino se realizaria plenamente na sua pessoa, a partir da concepção, significa que ela como criatura realizou as escrituras na correção linguística e de vida, então olhar para a vida dela significa ler o Livro Divino de modo particular, de uma vida de criatura na qual o verbo se fez carne, em suma, se realizou, se encarnou e de modo pleno.

 

Encontrar as veredas e aplainar os caminhos

15 Dez

O profeta Isaias era chamado de profeta da consolação porque ele estimulava asVeredaso povo hebreu dizem que uma nova vereda seria aberta, e foi ele antes de João Batista que mais explicou  o “advento” do nascimento de Jesus e até mesmo do último profeta que foi João Batista.
Ao dizer “Preparai o caminho do Senhor, aplainai as suas veredas” (Lc 3,4) tem um pouco de diferença do evangelho de ‘Eu sou a voz que grita no deserto: ‘Aplainai o caminho do Senhor’- conforme disse o profeta Isaías. (Jo 1,23), porque veredas, que são caminhos “escondidos” ou no dizer da filosofia que devem ser “desvelados”, embora na verdade, já existam sinais na realidade não são fáceis de serem encontrados, então veredas.
João Batista ao anunciar a vida pública de Jesus, sendo que ambos passaram pelo deserto, Jesus também caminhou 40 dias pelo deserto, encontrou dificuldades, as tentações mais cruéis, mas depois saiu para a vida pública, sabendo que teria que dizer verdades e ser de fato um novo “advento”.
A mística cristã Chiara Lubich, em uma de suas palavras de vida (escrevi-as mensalmente), escreveu em dezembro de 1982:”Cada um de nós é chamado a preparar o caminho para Jesus que deseja entrar na nossa vida. É preciso então, aplainar as veredas da nossa existência para que ele possa vir habitar em nós … eliminando todos os obstáculos: aqueles colocados pelo nosso limitado modo de viver, pela nossa vontade fraca.”
Encontrar veredas exige um olhar atento, de início parecem atalhos, as vezes difíceis e pouco promissores, mas nos levam ao novo, ao “advento”, o que está por vir é sempre novo e pode nos trazer a verdadeira paz, aquela que não se compra e que pode parecer distante, em geral está ali em uma vereda.

 

Vereda da salvação e o advento

12 Dez

O livro escrito por Jorge de Andrade entre os anos 1957 e 1963, foi levado paraaVeredaDaSalvação o cinema em 1965 numa adaptação do texto para o teatro de Jorge de Andrade, conta a estória da opressão no campo, e como tem uma saída mística, uma montagem feita em 1964 sob a direção de Antunes Filho foi questionada tanto pela direita como pela esquerda e na época foi um fracasso, uma montagem mais tarde em 2003 dirigida pelo professor-diretor Marcelo Bones, com formandos do Palácio das Artes, todos atores iniciantes.

O filme dirigido por Anselmo Duarte conta de produtores rurais pobres do Nordeste que entram para um grupo messiânico liderado por Joaquim (feito pelo ator Raul Cortez) que acredita ser a reencarnação e Jesus cristo e promete aos seus seguidores o caminho para o paraíso, que é a “vereda da salvação”, mas como todo falso messias se complica aos poucos.

Exercendo poder sobre os camponeses, Joaquim persegue Artuliana (Ester Mellinger), que está grávida, e pede aos seus seguidores que tirem o filho dela, acusando-a de estar perseguida pelo demônio.

O filme acompanha produtores rurais pobres no Nordeste brasileiro que entram em um grupo messiânico, liderado por Joaquim (Raul Cortez), que acredita ser a reencarnação de Jesus Cristo. Joaquim promete a seus seguidores que lhes mostrará o caminho para o paraíso, a “vereda da salvação” do título do filme.

Com poder sobre os camponeses, o personagem de Raul Cortez começa a perseguir aqueles que não lhe prestam obediência, em especial Artuliana (Esther Mellinger). Joaquim ordena que seus seguidores tirem o filho de Artuliana, que está grávida, acusando-a de estar possuída pelo demônio.

O filme além de Raul Cortez tem a participação de Lélia Abramo, José Parisi e Maria Isabel de Lizandra, e a história do messianismo não é outra coisa senão a história do Brasil, em tempos pré-eleitorais não custa prestar atenção em milagreiros e falsos profetas que juram “defender o povo” e promete falsas veredas.

Roland Barthes, em seu livro Crítica e Verdade observa que o termo francês fait divers estrutura-se a partir de uma ideia de busca de uma notícia geral, algo como um encontro.

As veredas são caminhos escondidos, que caminhos pode ser pensado para o país nos próximos anos, que esperar para um ano eleitoral ? .

 

Essênios e João Batista

04 Dez

Entre os diversos grupos judaicos do início da era cristã estiveram os aosEsseniosessênios (Issi’im), na verdade são dois séculos anteriores, o que implica que não foi João Batista seu fundador, a chamada comunidade do Qumran, e pereceram logo depois no ano de 68, o que prova seu sentido profético de anunciar a vinda do salvador, conforme pregou João Batista.
Nos manuscritos encontrados em 1947, revelaram que eram um “povo humilde, de grande conhecimento, originários do Egito”, formando um grupo que abandonaram as cidades e rumaram para viver na região de Qumran, as margens do Mar morto, eram vegetarianos e extremamente ascéticos.
Depois de encontrado o manuscrito do Qumran muitas polêmicas surgiram, até mesmo de que Jesus era na verdade um essênio, outra que alguns fugiram para a Índia e lá teriam fundado comunidades com seus princípios, alguns destes manuscritos estavam dentro de jarros de barro e falavam da vida de Jesus Cristo e diziam sobre a importância de curas com medicinas alternativas e a importância da cultura vegetariana.
Os essênios também defendiam a unidade e a paz, pois era um período de divisão entre os judeus, vários tiveram contato com Jesus e estão presentes em passagens bíblicas.
Os saduceus eram pessoas da alta sociedade, membros de famílias sacerdotais, cultos, ricos e aristocratas; os fariseus não acreditavam na vida após a morte e porisso não diziam nada sobre sua visão escatológica (do princípio e fim) ficando mais preocupados com as regras e as “leis” judaicas, os zelotes rejeitavam o pagamento de tributos ao império romano, sob a alegação de que tal ato era uma traição contra Deus, entre os apóstolos de Jesus, Simão era um zelotes e Judas, o traidor também, e também o apóstolo tardio Paulo de Tarso, refere a si mesmo como um zelote religioso (At 22:3; Gl 1:14).
Dentro desta confusão religiosa, os essênios estavam entre outros grupos que foram para zonas desérticas para evitar a contaminação de ideias deturpadas da religião, dois discípulos de Jesus eram seguidores de João Batista: André e João, mas sendo Simão irmão de André muitos autores afirmam que também ele era essênio, além de ser zelotes.

 

Arte Ideal, representação e re-vel-ação

24 Nov

Para ver uma coisa é preciso ver além do aparente, isto é, aquilo que aoMatisseDançaIIRancière que já chamou (ver no post anterior) de visão dupla, que significa ver duas coisas ao mesmo tempo, não é “uma questão de trompe l´oeil* ou de efeitos especiais. É um problema de relações entre superfície de exposição das formas e superfície de inscrição das palavras” (Ranciére, 2003, p. 89) não podendo, portanto ser  um jogo de ilusões, ou ainda uma pintura idealista que busca o ideal das formas sob o imediatismo da presença, aquele estilo de “natureza morta” ou de “cenas de costumes” que são comuns em muitas casas.
Esta arte que pretendeu a re-presentação ou ainda a re-velação, note-se bem a a etimologia destas palavras que dão  a elas próprias um sentido mais correto, qual seja, o de renovar a presença e a outra, de renovar o véu que cobre a imagem, ver, portanto não é a “mediação das palavras que se configura o regime dos ´imediaticismos’ da presença.” (RANCIÈRE, 2003, p. 89).
O imaginário, o lúdico e o espiritual escaparam por um longo tempo dela, mas recomeçou um renascimento com Kandinski, Henri Matisse e outros mais contemporâneos Pablo Picasso, Miró, um exemplo clássico foi a Dança II de Matisse (ilustração ao lado), cuja ideia do quadro teria surgido de uma dança da roda chamada “A Sardana” do sul da França, e foi encomendado por seu patrono russo Sergei Schukin, para ser exposto no Palácio de Trubetskoy ao lado de outra obra de Matisse “A Música”.
A dança sinuosa em que o movimento se transporta para os corpos e pernas é intencional para afirmar o envolvimento das dançarinas, e esta representação em círculo tornar-se uma eterna presentação e a re-velação se transforma num desvelar, ou seja, retirar o véu do que está oculto e por isso a nudez dos corpos, que o patrono Sergei teria discordado de início, porém depois de ver o esboço teria mudado de início, ou seja, não se trata da nudez porém da significação que tem a dança que é o envolvimento harmônico das dançarinas.
O ideal da forma transforma-se em formas dos ideais, aquilo que o próprio Matisse disse procurar em sua arte: “O meu sono é realizar uma arte do equilíbrio, de pureza e serenidade”.
A perfeita interação entre estas dançarinas não é um idealismo, mas a busca da interação entre pessoas, povos e culturas, o sonho de Matisse.

O quadro A dança II parece desvelar em uma imagem o sonho do autor, os corpos interagem numa “comunhão”.

Vive-se um tempo de cegueira, não apenas no mundo da cultura e por consequência da arte, mas também a cegueira social, política e até religiosa, aquilo que José Saramago que descreve em seu “Ensaio sobre a cegueira” através de um motorista que subitamente fica cego parado em um sinal, neste o autor procura nos lembrar “a responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam”.

A arte é uma maravilhosa forma de nos fazer enxergar e nos fazer recuperar a lucidez, a serenidade e o equilíbrio que faltam a nos dias de hoje, sem deixar de ser ousada e propositiva.

* Significa ao pé da letra “engana o olho“, porém é uma técnica para criar ilusão tridimensional.
RANCIÈRE, J. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2003.

 

Expressionismo, cegueira e véu

24 Nov
O movimento do expressionismo na pintura surgiu no final século XIX ressaltando a subjetividade, a sua intenção era a de recriar o mundo e não apenas absorvê-lo da mesma forma como foi visto, embora ele fique no dualismo objetividade e subjetividade, agora no polo oposto saindo da objetividade da imagem para o subjetivismo da expressão
Foi importante para o desenvolvimento do abstracionismo e espiritualismo de Kandinsky e Matisse, entre outros, mas representa a crise do dualismo objetividade x subjetividade.
Um bom exemplo do expressionismo é o quadro O Grito, munch.screamdo norueguês Edvard Munch, que data de 1893, podemos compará-lo a cegueira, ou mesmo o velamento sobre o real, a objetividade, o próprio Munch escreveu sobre seu quadro: “Estava andando pela estrada com dois amigos / O sol se pondo com um céu vermelho sangue / Senti uma brisa de melancolia e parei / Paralisado, morto de cansaço … meus amigos continuaram andando – eu continuei parado / tremendo de ansiedade, senti o tremendo Grito da natureza”, quem acredita que estes sentimentos fossem contemporâneos acertaram, porém o são desde o século XIX.
É a cegueira idealista/realista, pode-se com uso de uma metáfora que é o desvelamento, a retirada de um véu que nos apresenta a dor e também da retirada do caminho de tudo o que não permite iluminá-lo, eis o novo tempo de um “advento”, algo que está por vir.

 

 

 

 

 

Arte, autonomia e ver

22 Nov

O que permanece velado na arte recente e que está presente no discurso de Hegel e mais ainda naCamponesasJacob aparente ruptura com a saída do “plano” para as formas tridimensionais do “polido” é ainda uma arte idealista daquilo que Hegel chamou de “autonomia” e que devido ao este idealismo, Rancière chamou de “autonomização”.

Esclarece Rancière que é a autonomização: “um desses elementos, a ´ruptura dos fios de representação´que os atavam à reprodução de um modo de vida repetitivo. É a substituição desses objetos pela luz de sua aparição. A partir daí, o que acontece é uma epifania do visível, uma autonomia da presença pictural.” (RANCIÈRE, 2003, p. 87)

É em última instância esta autonomização a famosa “arte pela arte” ou no sentido oposto a “utilitarismo da arte”, mas ambas não podem negar nem o aspecto específico da arte e sua ligação com as palavras nem a sua utilidade “tão útil quanto o útil” diria o escritor Vitor Hugo, mas trata-se de aceitar a emancipação do espectador pela “interação”.

Ver em arte escreve Rancière: “quer se trate de uma Descida da cruz ou um Quadrado branco sobre fundo branco, significa ver duas coisas de uma só vez” (Rancière, 2003, p. 87), que é uma relação entre: “a exposição das formas e superfície de inscrição das palavras.” (idem), onde as presenças são “dois regimes do trançado de palavras e formas.” (ibidem)

Para entender o problema da visão Rancière lança mão do quadro de Gauguin Camponesas no campo, há um “primeiro quadro: camponesas num quadro olham os lutadores ao longe” (Ranciére, 2003, p. 95), a presença e a maneira como estão vestidas mostram que é outra coisa então surge um segundo quadro: “devem estar numa igreja” (idem), para dar sentido o lugar deveria ser menos grotesco e a pintura realista e regionalista não é encontrada, então há um terceiro quadro: “O espetáculo que ele representa não tem um lugar real.  É puramente ideal. As camponesas não veem uma cena realista de pregação e luta. Elas veem – e nós vemos – a Voz do pregador, isto é, a palavra do Verbo que passa por essa voz.  Essa voz fala de combate lendário de Jacó com o Anjo, da materialidade terrestre com a idealidade celestial.” (Ibidem)

Assim desse modo afirma Rancière, a descrição é uma substituição, a palavra pela imagem, e as substitui “por outra ´palavra viva´, a palavra das escrituras.” (RANCIÈRE, 2003,P. 96)

Faz ainda uma ligação com os quadros de Kandinsky, escrevendo: “No espaço da visibilidade que seu texto constrói o quadro de Gauguin já é um quadro como os que Kandinsky pintará e que justificará: uma superfície em que linhas e cores se tornam sinais mais expressivos obedecendo a coerção única da ´necessidade interior´ ” (Rancière, 2003, p. 97), e já explicamos anteriormente não se trata nem de subjetivismo puro pois faz uma ligação com tanto com o pensamento interior quanto ao pensamento sobre a descrição no quadro.

O importante é a simbiose entre a imagem, as palavras e a visão decorrente de um “desvelar” da imagem que pode ser traduzida em palavras.

 

Pintura plana, palavra e pensamento

21 Nov
 O novo se constrói no diálogo com a tradição, não aquela que é fechada e ADamaDeRosaimpermeável, mas aquela que permite este diálogo pela grandeza de sua construção, que é o caso da pintura “plana” e sobre a qual pode-se construir o futuro da imagem, como pretende Jacques Rancière.
Esclarece Rancière: “a superfície reivindicada como meio (médium) próprio da pura pintura é, na verdade, outro meio (médium)” (Rancière, 2003), assim pode-se entender que mídia não é outra coisa senão médium, ou o que algumas áreas do conhecimento chamam de suporte, mas mídia ou médium são palavras mais atuais e remetem às “novas mídias”.
Sua crítica a Greenberg é porque seu formalismo “deseja fazer coincidir meio (médium) e material, o espiritualismo de Kandinsky, que faz dele um meio (milieu) espiritual, são duas maneiras de interpretar essa desfiguração. A pintura é plana à medida que as palavras mudam sua função de relação a ela.” (RANCIÉRE, 2003, pag. 88)
Rancière dará a ela uma ordem representativa, que conforme afirma servem de “modelo ou de norma”, é algo novo, pois se a palavra carece de subjetividade a pintura parece carecer de objetividade, ainda que esta separação seja idealista, ela existe e é quase uma norma na modernidade.
Desenvolve seu raciocínio: “como poemas, como história profana ou sagrada, elas desenhavam o arranjo que a composição do quadro devia traduzir.” (RANCIÉRE, idem)
Aqui se liga a palavra: “Jonathan Richardson recomendava ao pintor escrever a história do quadro primeiro, para saber se valia a pena pintá-lo” (idem), então aí está feita a ligação.
Explica que a crítica estética que emerge da época romântica não é normativa, não admite dizer o que o quadro deveria ser, diz só o que o pintor fez, é a ideia absoluta realizada.
Porém o equívoco é “articular de forma diversa a relação do dizível como o visível, a relação do quadro com aquilo que ele não é.  É reformular de outra maneira o como do ut pictura poesis, o como pelo qual a arte é visível, pelo qual sua prática coincide com olhar e depende de um pensamento.” (RANCIÉRE, 2003, ibidem)
E diria quase conclui: “a arte não desapareceu. Mudou de lugar e de função” (idem), ou seja, não se pode negar sua relação com o pensamento e com o olhar, no qual todos estão de acordo, mas não estão de acordo que o “olhar depende do pensamento” e este depende de modelos e normas, em última instância de ideais e ideologias.
Pode ver nos quadros de Kandinsky (Dama em Moscou e Mancha Negra I) onde plasmam a ideia do filósofo Steiner sobre a “ação paralela” ou a visão dupla, onde vemos um drama material em meio a rua, em outro plano, o espiritual, uma mancha negra que parecer viajar em nosso campo de visão, e também uma aura sobre uma mulher que sugere uma forma de pensamento feito na cor rosa, os quadros são ambos de 1912 e foram feitos de forma consecutiva.
RANCIÈRE, J. O destino das imagens. Trad.  . Rio de Janeiro: Contraponto, 2003.