RSS
 

Arquivo para a ‘Redes eletrônicas’ Categoria

A Web fez 30 anos

13 Mar

Ainda confundem a internet, a Web e a Rede, embora possam estar superpostos, são aspectos diferentes que unidos deram uma cara ao mundo, os pessimistas dizem pior, os otimistas dizem que aponta para o futuro, os realistas dizem que é um novo tempo com dificuldades e facilidades, bem utilizadas serão promissoras para o futuro.
No dia 9 de março, no CERN onde trabalhava Tim-Berners Lee quando fez uma proposta de um interpretador para a Internet chamada pelo termo Web que significa teia (foto), a ideia de seu artigo original era uma facilidade de manusear textos científicos online que no mesmo momento que fossem escritos estivessem prontos para serem lidos, o que fazem blogueiros e twiteiros hoje, mas isto foi a Web 2.0 em 2005.
Em Genebra no CERN Berners-Lee se reuniu com Robert Cailliau, engenheiro informático pouco citado, mas foi de fato quem fez o primeiro sistema de hipertexto, a eles se juntaram outros especialistas para discutir o presente e o futuro da World Wide Web, ou a Web.
O evento, denominado Web @ 30, foi aberto no dia de ontem (12/03) pela Diretora Geral do CERN Fabiola Gianotti, em colaboração com duas organizações fundadas por Berners-Lee: a World Wide Web Foundation e o World Wide Web Consortium (W3C), recentemente o CERN restaurou o primeiro website e o navegador de modo online brower, mostrado no evento Hackathon (de 11 a 15 de fevereiro de 2019).
Os problemas de segurança, politicas de manutenção da internet livre, governos e estruturas empresarias desejam seu controle e em alguns países não é um serviço livre, fake news e outros foram temas de debate.
Um tema promissor para o futuro é o projeto SOLID, já fizemos um post sobre ele, está em pleno desenvolvimento com a colaboração de pesquisadores do MIT, mas a espectativa é alta e ainda haverá muito trabalho de especialistas para dar ao mundo uma Web confiável.
O hobista Suhayl Khan mostrou como acessar o browser em modo online usando tecnologia dos anos 1960 (quando só havia internet e com poucas facilidades) (Video: Suhayl Khan):

 

O que caracterizam as mudanças hoje

07 Mar

Para mudar as estruturas sociais foi necessário durante muito tempo mobilizar estruturas formais capazes de reagir a estruturas de poder que oprimiam de diversas formas o sentimento de mudança, o sentimento e a emoção sempre estiveram presentes, dizer que são emocionais agora é um equívoco, é devido a velha separação idealista entre a motivação objetiva e subjetiva.
O virtual é real estão próximos, não apenas pelo fato da velocidade, da intensidade e da quantidade de dispositivos capazes de ligar as pessoas quase permanentemente independente das distâncias.
O virtual depende da atualização, e por isto é oposto ao atual e não ao real, mesmo no espaço do imaginário, onde se compõe as cosmologias culturais, o virtual está próximo de um real cultural.
O que muda agora é que é possível por meio do uso da comunicação estabelecer vínculos reais (não são só virtuais) entre pessoas e mobilizá-las para uma reação a estruturas de dominação, e os que ignoram que as informações estão disponíveis em rede e pode ser hackeadas, a última é o Football Leaks que sacudiu o mundo do futebol, pelas denuncias do português Rui Pinto.
Conforme explica Manuel Castells, os movimentos sociais sempre tiveram na origem os sentimentos de injustiça e indignação compartilhados, o que muda atualmente é que estas tecnologias em rede permitem um sujeito coletivo, mas é claro que isto pode ser negativo.
Explica Castells que isto não é uma utopia, mas o que está acontecendo, e que a tecnologia não é determinante, mas é influente, conforme diz McLuhan ao mudarem os meios e mudando a comunicação, mudam as relações sociais.
As estruturas do velho estado liberal, os grupos de polarização religiosa, ideológica se enfraquecem e vem a tona uma sociedade muito mais real do que aquela cujo estado determinava, pois aparecem seus vícios e suas virtudes, os veículos de comunicação eram todos controlados por grupos editoriais e as velhas oligarquias os dominavam e as mantinham sob seu poder.
Castells explica isto em um vídeo de 2013:

 

 

Markham no Canadá: smart city

13 Fev

O desconhecimento dos benefícios que o uso inteligente e racional pode trazer para diversas cidades tornam muitas políticas publicas ineficientes e com gastos desnecessários, um problema grave é a infraestrutura para monitorar as cidades.
Em projeto de parceria a Bell Canadá e a IBM Canadá querem tornar a cidade de Markham, Ontário no Canadá, de aproximadamente 330 mil habitantes, um modelo de uso de redes para torná-la “cidade inteligente”, segundo o Financial Post.
O governo da cidade usará as redes de banda larga da Bell e a análise de dados da IBM, coletando dados de sensores colocados em toda a cidade para decidir investimentos em vários aspectos de infraestrutura: vazamentos em tubulações, regiões sujeitas a inundações (está próxima ao lago de Ontário), problemas que surgem em tempestades, uso eficaz de energia e rastreamento.
Os projetos não deixam de incluir melhorias sociais e aspectos ecológicos dos quais dependem também o bom uso de tecnologia e de energia, muitos ambientalistas desconhecem que os resultados de Medellin foram alcançados também com uso de conceitos de Cidades Inteligentes, sendo o primeiro case na América do Sul.
Ensaios e projetos semelhantes estão sendo conduzidos no Canadá e outras partes do mundo tendo em vista o que uma série de serviços em vários fornecedores podem estar a preparar serviços que melhores custos e evitem a interrupção de serviços.

 

CES 2019 começou

09 Jan

A feira mundial de eletrônicos a CES (Consumer Eletronics Show) começou ontem em Las Vegas e vai até sexta feira(11/01), o que pode ser visto ali?
Este ano a novidade mais forte parece ser a Smart home, casa inteligente, muitas novidades, com o avanço da inteligência artificial, a casa que já tem aspirador eletrônico, controle eletrônico de luzes e aparelhos domésticos, vai começar a conversar com você.
A Smart TV já está aí, e ao contrário do aprisionamento, muita gente deixou de ver programas e canais convencionais de TV, usam para filmes, séries (substituindo as antigas novelas) e usa para passar vídeos Youtube e filmagens familiares, isto já está em mudança.
Aos poucos da diversão isto vai passando para áreas da saúde e da interação, nada a ver com o filme BlackMirrow (ver o post), aparelhos vestíveis fitness e equipamentos médicos para saúde.
Uma das empresas presentes é a Neutrogena, que trabalha com produtos relacionados a pele, capas de scanear um rosto humano em 3D e criar mascaras personalizadas para cada rosto, controles de pressão, glicose e outros já estão disponíveis nos mercados.
Mas a fiação e aparelhos para cada é que vai mudar radicalmente, TV sem cabos e conexões com uso de WiFi já estão disponíveis, um novo tipo de plugue já apelidado de “transformer plug” e as câmeras só para vigiar agora poderão fazer projeções em toda casa, incluindo as TVs e dispositivos da Web para a interação inteligente.
Robôs que limpam a casa e trazem coisas da geladeira até você, máquinas que dobram roupas, mascaras inteligentes de dormir, vasos sanitários auto-limpantes, já eram presentes no ano passado.
Então qual a novidade, será a inteligência presente nestes dispositivos e a comunicação com humanos, a feira promete algumas novidades.

 

O primeiro Hub de computadores quânticos

30 Mai

A Unidade do Estado da Carolina do Norte foi a escolhida pela IBM para ter o primeiro Hub de computação quântica (Q Hub que se tornam parte da Q Network da IBM), assim como as primeiras redes que ligavam algumas universidades.

A ARPANET ligava em 5 de dezembro de 1969, o Agência de Pesquisa do Departamento de Defesa Americano, a Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), o Instituto de pesquisa de Stanford (SRI) em Menlo Park, a Universidade de Califórnia, Santa Barbara (UCSB) e a Universidade de Utah (foto)

Os alunos, professores e pesquisadores poderão acessar o supercomputador de 20 bits da IBM para resolver problemas clássicos de computação, que levariam muito tempo para processar, agora serão feitos em poucos minutos dependendo do problema.

Bob Sutor, da IBM Research afirmou “não podemos criar um computador com 10% dos átomos da Terra, mas ainda assim, com o computador quântico podemos representar exatamente estas informações”, conforme publicação na Techinician Online.

O plano da IBM é mais audacioso, com empresas e universidades da Fortune 500 irá trabalhar para resolver problemas maiores mais rapidamente através da Q Network, por enquanto a NC State estará colaborando com organizações locais para resolver equações complexas.

O corpo docente da NC State está desenvolvendo cursos tanto universitários quanto para que graduados possam usar a computação quântica para construir seu conhecimento antecipando à estreia operacional do hub neste outono (em setembro).

 

MacronLeaks e eleições na França

08 Mai

Mesmo com a vitória de Macron no segundo turno das eleições francesas, e a derrota MacronLeaksptda ultra-direitista Marine Le Pen, não deixou ser notado um caso que foi o mais sério de ataque Hacker já conhecido para tentar influenciar uma uma eleição.

Tempos de pós-verdade, após a urgência na manhã do sábado do Comitê Nacional de Controle da Campanha Presidencial na França que implorou que a imprensa não divulgassem as informações sobre Macron, o fato no universo digital que é que não há controle à rigor de como controlar uma informação falsa, a única possibilidade é desmenti-la publicamente.

Após reunião de urgência na manhã deste sábado (6) para examinar o caso, a comissão estendeu o aviso a toda a população e usuários de redes sociais alertando que a divulgação desses documentos (o “MacronLeaks”, como já vem sendo chamado na França) pode envolver “responsabilidade penal” de seus autores.

Ainda não esforço de desespero, pois as pessoas que fazem este tipo de ação não tem uma consciência ética sobre o fato, o organismo pediu que “os atores presentes em sites da internet e nas redes sociais, em primeiro lugar os meios, mas também todos os cidadãos, a ter responsabilidade e não transmitir esses conteúdos, com o intuito de não alterar a transparência da eleição, não infringir a lei e não se expor a uma infração penal”.

Além disto alertou fato de  terem sido “misturados com informações falsas”, assim a retransmissão destes fatos está “suscetível a receber uma qualificação penal de muitos tipos e de acarretar a responsabilidade de seus autores”.

O partido Em Movimento (En marche), fundado por Macron após romper com o governo Holland de esquerda, informou na noite de sexta que foi vítima de um ataque hacker “em massa e coordenado” que levou ao vazamento “nas redes sociais de informações internas de diversas naturezas”, estamos aguardando o resultado final das eleições para análise.

Mas um fato irreversível é que será necessário, daqui para frente, alguma forma de controle sobre informações falsas em campanhas eleitorais porque o efeito rede pode torna-las fatos incontroláveis de versões mentirosas sobre os candidatos invertendo opinião e as forças em uma campanha.

Os jornais europeus falam em “alívio”, “obrigado a França” e fortalecimento da união europeia, mas forças “ocultas” podem favorecer posições autoritárias e conservadoras.

 

Chip revoluciona IoT

24 Fev

Uma empresa quase falida resolve investir no desenvolvimento de um chip para a InternetESP8266 das Coisas (IoT) não só salva a própria empresa como promete revolucionar o mercado.

O chip é é o ESP8266, da empresa Espressif, o preço $ 5 (5 colares), menor que uma moeda e integrado em diversas soluções, por exemplo, comunicação com a interface serial da maioria dos modelos de computadores, a chamada UART (Unidade Universal de transmissão assíncrona), isto significa transmissão com qual dispositivos com interface TCP da internet.

Veja algumas de suas características descobertas (em inglês é peneiradas, mas em chinês é escondidas mesmo): É um System-On-Chip com Wi-Fi embutido, Tem conectores GPIO, barramentos I2C, SPI, UART, entrada ADC, saída PWM e sensor interno de temperatura, CPU que opera em 80MHz, com possibilidade de operar em 160MHz, Arquitetura RISC de 32 bits, 32KBytes de RAM para instruções, 96KBytes de RAM para dados, 64KBytes de ROM para boot, memória Flash SP e  Winbond W25Q40BVNIG de 512KBytes;

Para programa-los, a empresa possui um repositório no GitHub, onde disponibiliza exemplos de código para firmwares com RTOS e comandos AT, e sua SDK, por exemplo, além disso há um fórum de desenvolvedores do ESP8266, mantido pela Espressif, onde é possível encontrar uma ampla gama de materiais.

Será que teremos novos desenvolvedores de garagens pelo mundo

 

Barbearias, cafés e redes

14 Fev

Segundo Peter Burke, o locus das discussões religiosas e políticas em 1620 eram CafeParisas barbearias, cita o escritor italiano Ludovico Zuccolo, que as evocava cheias de gente comum discutindo os problemas religiosos e as atitudes dos governantes.

A primeira grande onda sobre leitura era para interpretação a Bíblia, o mesmo que reivindicara Galileo e que ainda hoje é ignorado, o mesmo Ludovico dizia que a medida que o número de analfabetos caia, eram comuns no século XVI, na Itália por exemplo, sapateiros, tintureiros, pedreiros e donas-de-casa, reivindicarem o direito de interpretar as sagradas escrituras.

Na década de 1620 às preocupações religiosas somaram-se preocupações políticas. Ludovico Zuccolo, um escritor italiano, evocava a imagem das barbearias cheias de gente comum discutindo as medidas dos governantes.

Quem pensa que hoje há um excesso de informação, assim que os livros começaram a ser impressos em preços mais razoáveis, já se reclamava do número de livros existentes e como se faria para lê-los em uma só vida, em 1975 por exemplo, 1745 a biblioteca do Vaticano, abrigava apenas 2.500 volumes, no século XVII a Bodleian Library de Oxford tinha 8.700 títulos, e a biblioteca imperial de Viena, 10 mil.

Das barbearias foram para os cafés, o Café de La Paix é o cenário de muitos romances, pinturas e poemas, Guy de Maupassant e Emile Zola o frequentaram, a proximidade com a Opera Gamier (ao lado) tornou-o uma espécie de Museu, em 1975 foi considerado um local histórico pelo governo francês.

Os cybercafés seriam seus descendentes ? eles conviveram com bibliotecas e outros locais de diálogo e de cultura, eles foram importantes na “primavera árabe”, principalmente na Líbia e no Egito, houveram eventos de violência com heróis que postavam denúncias nestes cybercafés.

Tanto a revolta no Egito quanto a Líbia foram registradas em inúmeras mídias sociais, um bom exemplo, é o vídeo com 2 mil mortes (vídeo do OneDayOnEarth), revelam o gosto dos ditadores pelo culto a pessoa e às mídias verticais.

Muito antes de estourar a guerra na Síria, olhando os comentários nas redes, sabíamos que lá era um barril de pólvora (vejam nosso post de 2012), lá já havia sido presa uma blogueira Tal al-Molouhi, presa em 2009, uma jovem que pedia a democracia.

Os governos e donos de mídias verticais não aceitam a influência das redes, porque é a falência deles, mas agora até mesmo o autoritário Trump não dá bola para eles, faz sua própria mídia, claro que não fica sem respostas, nas mídias de redes sociais está perdendo feio.

 

Regulamentar ou não a IoT

09 Fev

A IoT (internet of Things) está aí, relógios, nos carros, equipamentos médicos e outrosIoTnew dispositivos já estão no mercado, isto deverá crescer até a conexão total entre coisas que se comunicam.

Segundo dados do relatório “Internet de las Cosas en América Latina” (feito no idioma espanhol) da 5G Americas a preocupação com regulamentação excessiva pode impedir o modelo de negócios, enquanto no Brasil, especialistas apontam ao contrário: a necessidade de uma regulamentação urgente, quem tem razão ?

Os dois, mas é preciso uma questão de bom senso, em geral no Brasil se regulamenta até o formato dos pinos da tomada (uma brincadeira, mas é verdade), enquanto no exterior a preocupação é com segurança e padronização para que todos adotem medidas parecidas, no caso dos dispositivos IoT, frequências parecidas e padrões de segurança.

A principal preocupação deve ir ao sentido que é preciso muita atenção para não impedir o avanço de um novo modelo de negócio ao mesmo tempo garantir mais segurança, mas sem pânico e exageros, nada é totalmente seguro, mas é claro é preciso adotar medidas, mais equipamentos vai significar menos segurança.

Segundo o relatório da 5G Americas, através de um de seu diretor José Otero: “O risco de regulamentação excessiva ou mal concebida poderia retardar as enormes oportunidades de crescimento na região da Internet das Coisas. Por esta razão, é necessário que todo o ecossistema de atores dialogue e colabore com os reguladores sobre este importante avanço tecnológico”.

Segundo um consultor da Machina Research, Andy Castonguay, se a fragmentação e a complexidade do sistema IoT e suas muitas abordagens tecnológicas fizerem com que se torne um desafio a implantação, mas será um pouco perigoso se os reguladores forem proibitivos em seus mandatos ou se favorecerem tecnologias específicas.

Uma das principais considerações sobre as políticas públicas no setor devem ser feitas considerando a soberania e privacidade da informação e para a segurança.

 

Pontos da IoT para 2017

27 Out

iot2017A empresa de previsões tecnológicas Gartner, analisa porque a IoT (Internet das Coisas) ainda não deslanchou, e aponta alguns pontos que podem fazer esta internet acontecer em 2017:

IoT segurança

A Internet das coisas introduziu uma gama de novos riscos de segurança e desafios para os dispositivos, suas plataformas e sistemas operacionais, comunicações e até mesmo quais sistemas podem ou devem estar ligados.

A Segurança será uma coisa complicada pelo fato que “coisas” terão processadores individuais e seus próprios sistemas, como baterias, sistemas operacionais e dispositivos que aquecem.

IoT Analytics

Analisar desempenho e funções em “coisas” é diferente de fazer em computadores ou smartphones, porque o modelo de negócio se modifica na medida em que vai analisar informações coletadas por coisas e não por cliente que em ultima instância são pessoas, novas ferramentas e algoritmos de análise estão em desenvolvimento, mas acredita-se que será estável por volta do ano 2021, até devem ir se desenvolvendo conforme a necessidade.

IoT Gestão

“coisas” delonga duração não são triviais, exigem gestão e monitorização. Isto inclui dispositivos de monitoramento, atualização de software e firmware, diagnósticos, análises de acidentes e relatórios, o que poderão trazer problemas em escala para a tarefa de gestão.

Destacamos estes três aspectos essenciais, mas agora terão outros que a Gartner observa: Processadores para gerenciamento em áreas mais amplas com conexão de internet, processos e processadores de baixo consumo de energia, Plataformas e Sistemas Operacionais para a IoT, e finalmente, Normas e Ecossistemas para a IoT

Análise mais detalhada está no relatório da Gartner “Top 10 IoT Technologies for 2017 and 2018.”