RSS
 

Arquivo para a ‘Redes Sociais’ Categoria

Rastreamento na produção de alimentos

13 Ago

A IoT chegou abruptamente na agricultura, já havia chegado a algum tempo na pecuária com o rastreamento de cada cabeça de gado individualmente, agora o “suply chain”, nome técnico para o monitoramento da cadeia de produção chegou na hora, no campo e na agroindústria.
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e o Ministério da Agricultura começam a obrigar o produtor a ter um controle mais rigoroso no uso de defensivos agrícolas, o que implica um monitoramento e rastreamento em toda a linha de produção começando pelo campo, mas os problemas são enormes para a aplicação da Lei.
O sistema automatizado de monitoramento e rastreamento, se houver condições adequadas e for bem implementado fornecerá todos os elementos-chave e detalhes da produção ao longo da “supply chain”, permitindo os fabricantes responder melhor ás demandas de clientes e o controle de alimentos, num mercado atual muito competitivo internacionalmente, aqueles produtores que não se adequarem podem perder contratos valiosos.
A partir de agora, os produtos vegetais frescos, ou seus envoltórios, suas caixas, sacarias e demais embalagens devem estar devidamente identificados, de forma a possibilitar o acesso, pelas autoridades competentes, aos registros com as informações obrigatórias.
A identificação pode ser realizada por meio de etiquetas impressas com caracteres alfanuméricos, código de barras, QR Code, ou qualquer outro sistema que permita identificar os produtos vegetais frescos de forma única e inequívoca. A rastreabilidade de que trata a INC será fiscalizada pelos serviços de vigilância sanitária e pelo Ministério da Agricultura.

 

Idealismo e o pão da vida

10 Ago

O livro Crítica da Razão Cínica de Peter Sloterdijk, da década de 80 é uma alusão direta ao clássico de Kant Crítica da Razão Pura, é impossível ler num só folego, e também difícil de concordar numa primeira leitura, mas duas coisas me saltam os olhos o fato que vivemos num tempo de inocências perdidas, tudo é cruel e cínico, e o fato que nos tornamos “cúmplices”, os acadêmicos e estudiosos em especial, de uma desorientação geral, da política ao sagrado.
Sloterdijk trabalhos ao lado de Rüdiger Safranski, biografo de Kant e de Heidegger, até 2012, é, portanto, leitor atento e credenciado para a leitura do mundo atual, e em especial, para a crítica de Kant, a nosso ver a mais fundamental de nosso tempo.
Em entrevista de 2016, para Fronteiras do pensamento, o filósofo esclarece o conceito equivocado de Feuerbach, que Deus é uma projeção da humanidade no céu, e para Marx, as religiões seriam uma invenção errônea da humanidade.
Antes de fazer diferença entre a ilusão ingênua, ela existe nas camadas menos esclarecidas da sociedade e a “falsa consciência esclarecida”, que é sua definição de cinismo, esclarece que as religiões são parte de sistemas imunológicos (e não é a única) mais abrangentes que ele chama de cultura.
É logo o caminho de Sloterdijk para explicar que o idealismo só podia dar nisto, faço um caminho mais curto separar sujeitos de objetos é a forma mais fácil de tornar os objetos “ideais” incluindo todas as concepções destes nas culturas (os sistemas imunológicos de Sloterdijk) e exigir dos sujeitos um comportamento “ideal” de relação aos objetos.
Faço um contraste religioso com o pão da vida, o alimento concreto da humanidade, pois o pão está em quase todas culturas e o pão não é um alimento direto da natureza, mas trigo “processado” pelo homem, dito de outra forma é um produto humano sacralizado como alimento da vida, e que no uso pedagógico de Jesus torna-se sagrado, sem deixar de ser objeto real: o pão.
Em João 6,49-50 pode-se ler a atualização do Maná do deserto, do tempo de Moisés: Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá”, relação direta entre sujeito e objeto, que nem cabe separação.

 

Ignorância em tempos de ira

09 Ago

A radicalização social e política, reabrindo polêmicas raciais, ideológicas e religiosas vem levando a limites de raiva e ódio que podem abrir abismos intransponíveis, mas a raiva leva a mais ignorância e maiores abismos, prometem paraísos e entregam infernos pessoais e sociais.
Isto é científico, a revista de psicologia Intelligence acaba de publicar uma pesquisa que diz que pessoas raivosas tendem a pensar que são mais inteligentes do que de fato o são, a raiva diferente de outros sentimentos negativos, está relacionada a uma ilusão de “inteligência positiva” que faz com que estas pessoas superestimem suas capacidades mentais, pensam que “os outros são donos da verdade”, quando a verdade hermenêutica surge do diálogo.
Pesquisas anteriores já haviam mostrado que a raiva é uma emoção negativa incomum, pois é frequentemente associada a traços positivos, e embora a pesquisa não afirme isto, podemos encontrar em todos tipos de fanatismos, que fechados em “bolhas” reforçam os pensamentos de convicção em geral dogmática, e desenvolvem um tipo de neurose “afirmativa”.
Filósofos e pensadores como Heidegger, Hans-Georg Gadamer e Byung-Chul Han já haviam enfatizado a importância do negativo, do contraponto, do contraditório no caso jurídico, verdades absolutas e absolutismos do mal ou do bem, criam as “ontologias imperais”, uma categoria criada por Peter Sloterdijk para explicar o ser contemporâneo.
A neurose se desenvolve numa pseudo-criatividade na qual a mesma verdade procura ser expressa de modo “mais contemporâneo” quando na verdade não abandona dogmas, fundamentalismos e fanatismos de todo tipo.
O remédio é a escuta, a busca do bom senso, e muitas vezes a única resposta possível ao raivoso é o silêncio, claro há casos positivos de explosões de indignação e repulsa de atos injustos ou imorais, mas certamente uma pessoa justa procura ouvir o “negativo” para ter certeza que está do lado justo.

 

Recorde de armazenamento de qubits

26 Jul

O bit quântico ou qubits, é a unidade de bits para o armazenamento quântico feito na tecnologia mais recente através de fótons.

Os chips de silício, que vem da tecnologia antiga de transístores que oscilam entre dois estados de carga elétrica, 0 ou 5 Volts, somente tem os dois estados, mas os chips quânticos podem ter além do “1” e “0”, um terceiro estado no qual estão “entrelaçados” e isto dá a possibilidade de armazenamento de mais de dois bits num fóton resultado em 3 qubits.

Usando este fato físico da física quântica, cientistas da Universidade de Ciência e Tecnologia da China conseguiram armazenar 18 qubits em apenas 6 fótons entrelaçados, o que é um recorde.

Mas nem tudo deve ser comemorado, enquanto os dois estados simples do qubits é processamento em velocidades praticamente da luz, os entrelaçamentos levam alguns segundos, o que segundo Sydney Chreppler, pesquisador de física quântica na Universidade de Berkeley (EUA), é uma “eternidade” para o processamento da bits quânticos.

A possibilidade de armazenamento quântico não só dará um salto no armazenamento de computadores, mas também nas suas velocidades, já que a velocidade da luz fotons, ainda que seja num meio físico que reduz a velocidade, a fibra ótica ou circuitos correspondentes, o que mudará a potência da computação tornando possível o armazenamento atual em Zettabits (10^21).

O artigo foi publicado na revista científica Physical Review Letters, também está disponível para leitura no servidor arXiv. [LiveScience].

 

Realidade Mista e Inteligência Artificial

24 Jul

Entre as novidades tecnológicas emergentes no ano de 2018 está a Realidade Mista (MR, em inglês Mixed Reality) e a Inteligência Artificial (AI, Artificial Intelligence)
O CEO da Microsoft, Satya Nadella, já apontava como uma das soluções futuras, o HoloLens, uma solução RM + IA que ajuda usuários a fazer coisas antes impossíveis. A capacidade de mesclar os mundos físico e digital (o conceito analógico vale para dispositivos, mas não para o mundo real), faz com que a realidade mista permita construir experiências de pessoas, lugares e coisas independentemente de sua localização física e podem interagir digitalmente, chamo isto de multipresencial.

A Realidade Virtual são ambientes que excluem o mundo real, a Realidade Aumentada é um conteúdo digital que está no topo do mundo real e o conteúdo digital de realidade mista interage com o mundo real.

As empresas prometem, entre elas a Microsoft, incorporar o HoloLens com mais a IA contruindo uma Unidade de Processamento Holográfico ou HPU.
A realidade mista está vingando, além do software disponível junto ao Windows 10, porque as experiências nas experiências de RA e RV, você possa ter o melhor dos dois mundos, RV é encantadora, mas tem um efeito hipnótico e óculos incômodos e a RA falta o realismo.
As experiências futuras deverão incorporar compartilhamento em ambiente de RM,
um aplicativo disruptivo de comunicação social, com experiências que derrubam as paredes do isolamento e quem sabe, dão uma dimensão mais educativa aos games.
A realidade mista poderá conectar as pessoas de maneira significativa, convincente e cheias de conteúdo, o multipresencial nos unirá, aguardem um novo aplicativo.

 

Zero UI – interfaces do Futuro

23 Jul

Na definição simplificada de Andy Goodman Zero UI é o uso da percepção de um objeto para a manipulação de um objeto projetado em um outro ambiente – real ou virtual. Leia o resto deste post »

 

Desaceleração e a técnica

18 Jul

Depois de criticar de modo convincente Baudrillard e de afirmar de modo categórico que “a mera velocidade não supõe grande influência na produção do sentido histórico” (p. 36).

O que conta sobretudo é a instabilidade da trajetória, o desaparecimento da própria gravitação, as irritações (irritationen) ou oscilações temporais.” (pag. 36), Byung-Chul Han cede a tentação de Baudrillard de que é a moderna tecnologia responsável por isto, ora, mas qual a origem disto?

O livro Cultura e Simulacro de Baudrillard é da década de 70, a internet era nascente com usuários acadêmicos, o Mal-estar na civilização de Freud é da década de 30, isto sem falar de Nietzsche que faleceu no início do século passado, mais precisamente em 25 de agosto de 1900.

Portanto é preciso retornar aos primeiros argumentos de Han que são mais sólidos, “a aceleração não é a única explicação plausível do desaparecimento do sentido” (pag. 35), e a “expressão ´átomos de sentido´ também conduz a um erro,  porque o sentido não é nuclear” (idem), dá um pequeno passo na direção correta: “o repouso não é causado pela aceleração e pelo movimento de trocas, mas pelo já não-se-saber-para-onde” (pag. 38), uma falta de metas.

Vai criticar também Bauman, para quem o homem moderno é um peregrino no deserto, que pratica uma “vida a caminho” (pag. 43), e num relance retorna ao sentido afirmando “a secularização não comporta uma desnarrativização (Demarratovosoerimg)”, mas volta a trás e diz que a modernidade continua a ser uma narrativa, porém a cultura impressa e reprodução não tem o caráter mítico e escatológico da cultura oral, é outra narrativa, a romântica, já esclareceu Gadamer.

A crítica a técnica e ao progresso técnico é a tentação comum, apontá-la como religiosa é no mínimo contraditório já que ela é herdeira legítima das luzes e da razão, não é história como história da salvação, mas como determinismo histórico romântico a moda de Dilthey.

A imersão na cultura digital, ou na cibercultura, não desterritorializou (o rádio, a TV e o cinema o fizeram antes) nem secularizou, quem o fez foram as luzes e o capital financeiro que não reconhece pátria nem lugar, a narrativa que omite o processo de produção de vídeos, imagens, fotografias e também de código digital em todo planeta não é só uma inversão técnica ou tecnológica, é uma inversão cultural, graças a elas culturas e povos renasceram.

Não é preciso andar pelo mundo, porque o mundo anda por você, e isto é o que estimula jovens a conhecer outros países e lugares, o enraizamento pátrio que é anti-evolutivo e conservador, o homem andou pelo mundo antes de fixar fronteiras, quem fixou foram os impérios, que agora erguem muros e discursos pátrios radicais, o mundo já é uma aldeia global, o que há agora é um sentimento saudosista de um mundo que não volta mais.

 

Unidade, complexidade e simplicidade

04 Jul

Aparentemente irreconciliáveis, há quem diga que o paradigma do mundo contemporâneo, a complexidade se opõe ao da simplicidade, mas analisemos bem melhor esta interpretação do pensamento de Edgar Morin, ao afirmar “… parte dos fenômenos, ao mesmo tempo, complementares, concorrentes e antagonistas, respeita as coerências diversas que se unem em dialógicas e polilógicas e, com isso enfrenta a contradição por várias vias.  Assim sendo, utiliza o conceito básico de ´sistema auto-organizado complexo” (Morin, 2000, p. 387) que remete a ideia de unidade como uma noção chave.

Esta complexidade necessidade de novas estratégias e modos coerente de dialogar para penetrar nos mistérios, observa Morin: “ (…) a necessidade, na sua coerência e no seu antagonismo as nações de ordem, de desordem e de organização obriga-nos a respeitar a complexidade física, biológica, humana” (Morin 2000, p. 180-181).

Compreendendo a complexidade da cultura que para ele envolve: juvenilização, cerebralização, Culturalização, o que está explicado em um de seus livros básicos O paradigma perdido e a natureza humana, cuja edição portuguesa é de 1973.

Embora hajam outras ideias de complexidade, Morin afirma que a palavra complexidade: “nos empurra para que exploremos tudo e o pensamento complexo é o pensamento que, armado dos princípios de ordem, leis, algoritmos, certezas, ideias claras, patrulha no nevoeiro o incerto, o confuso, o Indizível” (MORIN, 2000, p. 180-181).

A ideia que complexidade não pode conviver com a simplicidade é a incompreensão não só da dialógica, mas da polilógica, que consubstancia e une os dois conceitos: “distinguir e fazer comunicar, em vez de isolar e de disjuntar, a reconhecer os traços singulares, originais, históricos do fenômeno em vez de liga-los pura e simplesmente a determinações ou leis gerais, a conceber a unidade-multiplicidade …” (MORIN, 2000, p. 354).

Esta alternativa de unidade na diversidade, é explicada pelo autor recorrendo a exemplos no campo biológico, que é na prática o exercício da simplicidade, onde a diversidade da natureza compõe a vida.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand, 2000.

 

Novidades no Google News

02 Jul

Após vários anúncios, finalmente na segunda quinzena de maio o Google lançou seu novo aplicativo, somente agora consegui dar uma olhada no aplicativo que substitui o Google Play Newsstand, agora com uso de Inteligência Artificial.

O aplicativo trabalho em usar aprendizado de máquina para treinar algoritmos que vasculham notícias de modo complexo e recentes e divide-as num formato de fácil compreensão, com cronogramas cronológicos, notícias locais e histórias apresentadas numa sequencia de acordo com a evolução dos fatos, por exemplo, o início de uma partida de futebol, seus lances mais importantes, o resultado e as consequências.

Esta seção que são notícias que os algoritmos julgam importantes para você tem o nome For You (Para você no Brasil, e Para si em Portugal), seguem mais 3 seções assim divididas:

A segunda seção é chamada Manchete, onde as últimas notícias e temas específicos são apresentadas. Aqui, existe uma subseção onde o usuário pode escolher ler a notícia pela Cobertura Completa do Google, em que o Google divide-a em itens, numa variedade de fontes em Mídias sociais, permitindo saber onde e quando aquilo aconteceu.

A terceira seção mostra os favoritos, como os principais tópicos que o usuário costuma acessar, a IA tem grande trabalho ai, vai nas fontes favoritas do proprietário, salva histórias para leituras mais tarde e guarda pesquisas de acordo com a localização dos textos.

E por fim o White Play (Play Branco) que é a adição do novo Google news, que permite que o usuário acesse e assine serviços com conteúdos premium em Sites voltadas à notícias.

Enquanto uma parte da crítica continua a duelar com os velhos esquemas de notícias dirigidas ou enlatadas, vinculadas a grupos editoriais, o mundo das notícias personalizadas evolui.  

 

O imaginário, a crença e a fé

29 Jun

Imaginário vem de imagem, as descobertas mais recentes do homem do paleolítico, como a caverna de Chauvet em dezembro de 1994, revelam uma alma humana desde o princípio envolta em imagens e no imaginário, praticamente todas as culturas existem a absurdidade.

A modernidade foi a primeira tentativa em criar uma sociedade totalmente distante de qualquer “superstição”, o “sapere audi” ousar saber, sobre o qual sentenciou Max Weber o “destino dos nossos tempos é caracterizado pela racionalização e intelectualização e, sobretudo, pelo desencantamento do mundo”.

O imaginário nos leva além, como disse também Max Weber: “A história ensina-nos que o homem não teria alcançado o possível se, muitas vezes, não tivesse tentado o impossível” e felizmente há “teimosos” poetas, artistas que também estão presentes no mundo digital, que insistem no imaginário, no virtual e até no impossível.

Este ir além significa ter esperança e fé, como aquela descria pelo evangelista Mateus, que respondia aos apóstolos sobre as dificuldades dele: “Porque a fé que vocês têm é pequena. Eu asseguro que, se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: ‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada será impossível para vocês.” Mt. 17:20.

Como diz a sabedoria popular: a fé remove montanhas, mas também há uma dose de extraordinário, algo inesperado, que é justo o encantamento do mundo, a alma humana quer ser surpreendida, busca isto em shows, teatros, cinemas e outras formas de manifestação.

Um mundo descrente do extra-natural (para não especular sobre o sobrenatural), é parte do mundo contemporâneo, afinal os desconfiados, os críticos da realidade e do desencantamento do mundo atual não fazem outras coisas que não profecias, pois geralmente estão falando de um futuro, mas de forma negativa e apolítica.

Afinal não se pode dizer se Paulo de Tarso realmente perdeu a visão e depois a recuperou, se estava preso e um anjo apareceu para libertá-lo ou não, o certo é que depois ele continuou a viver, então de alguma forma a fé o salvou, curiosamente o que Jesus mais repete e não há uma só passagem em que afirmasse: “Eu te salvei”, então é você que se salva, se quiser.