RSS
 

Arquivo para a ‘Software livre’ Categoria

(Português) Bigdata extremo: tomada de posição

08 Apr

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

 

(Português) Software livre RedHat cresce

03 Apr

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

 

Facebook is a monster surveillance

08 Jul

Even taking attitude of privacy, users should take care that we are still subject to security issues

in the tool, the use of states and companies.nsaVigilance

Who said this was Richard Stallman, founder and supporter of Free Software in the International Free Software Forum (FISL) in Porto Alegre that ended last Saturday.

Stallman his lecture on Friday at FISL in Porto Alegre (Brasil), insisted that the Web is only useful if it is free.

What Facebook did to Stallman, by allowing the use of the data, it was an eyesore to allow monitoring of the data stores of its users, and added: “And so I strongly suggest you do not use.”

“But as a surveillance system, the web is very dangerous,” said Stallman, and stands against almost every kind of delivery of personal data to institutions, and mentioned the recent scandal of mass surveillance of NSA american agency.

Creator of the vicious circle of free software to create the GPL (GNU Public License), which all use free software to free software maner.
He was the creator of GNU, Unix like operating system that gave rise to Linux, and stated that digital surveillance is a strategy of the government to the citizens stop watching public institutions. “We learn what the government does when someone complains. If the government can track digitally anyone who will (have courage) report?” he concluded.
The enemies of free software claim that it is detrimental to the economic system, but it is actually harmful to private and public companies who want to control public opinion and the economy more broadly.

Brazil is one of the most watched, the data indicate.

 

Forum of Free Software speak about manifestations

05 Jul

The 14th edition of the International Free Software Forum (FISL) that began on TuesdayFISL-14 (3/7) in Porto Alegre (RS-Brasil) also made references of manifestations of the streets in Brasil.

Already in the opening FISL coordinator Ricardo Fritsch, used the slogan of the demonstrations used the phrase “it is not for 20 cents” and completed it with “but by free software.”
Although it seems small compared to even thinking about the heavy use that was made of social networks, one of Marco Manzoni initial speeches said: “Social networks discuss these problems for a long time. We are now hearing because there was the role of people into the streets, “but in many networks have been circulating information in a transparent manner.

The forum is held at the Convention Center at PUC / RS (Porto Alegre), with more than 500 activities including courses, workshops, lectures and debates and ends Saturday (6/7).

 

Como vai o software livre ?

02 Mar

Três das plataformas de software livre servem para ver como vão os projetos, destes que são para muitas pessoas (Klay Shirky, por exemplo), uma nova perspectiva para a economia e a produção mundial.

O mais antigo e mais conhecidos é o SourceForge que tem mais de 324.000 projetos, embora são muito utilizados por desenvolvedores independentes, tem softwares convencionais como um dos mais antigos software livre o GNU e o banco de dados postgreSQL.

Atualmente GitHub e Ohloh são mais usados e conhecidos, porque usam conceitos mais atuais como versionamento e serviços Web.

GitHub é um serviço de hospedagem web compartilhado por milhares de projetos que usam um controle de versionamento que na gíria computacional é chamado Git. Foi escrito na linguagem moderna de Web Ruby on Rails, e seus principais desenvolvedores foram Chris Wanstrath, PJ Hyett e Tom Preston – Wernder da Logical Awesome, conta atualmente com 4.751.000 repositórios, que armazenam os mais diversos projetos.

Este site possui funcionalidades de uma rede social como feeds, seguidores, wikis e um gráfico que mostra como os desenvolvedores trabalham as versões nos repositórios, a rede social Diáspora, o próprio Linux e sua própria linguagem que é o Ruby on Rails estão hospedados aí.

Ohloh é um site que oferece um conjunto de serviços web e plataforma de comunidade on-line que tem como objetivo mapear a paisagem de desenvolvimento de software livre. Foi fundada pelos ex-gestores da Microsoft, Jason Allen e Collison Scott em 2004, que depois justaram-se ao desenvolvedor Luckey Robin .

Em 28 de maio de 2009, foi adquirida pela Ohloh Geeknet, proprietários da popular plataforma de desenvolvimento open source SourceForge, mais tarde vendida a Geeknet Ohloh à Black Duck Software (ou Pato Negro, ou ainda Patinho Feio para entendermos), que a mantém hoje.

A um ano atrás em 22 de fevereiro de 2012, o site listava 540.925 projetos, hoje já ultrapassa os 550.00 projetos, tendo projetos fundamentais como Firefox, PHP, Apache, Mysql, etc.

 

Novidades na maior feira mundial de mobiles

27 Feb

O Mobile World Congress é a principal feira de tecnologia móvel do mundo, iniciada no dia 25 tem seu encerramento amanhã em Barcelona, Espanha, a feira existe desde 1987.

Entre os destaques do MWC 2013 estão as empresas Telefónica, Nokia, Mozilla, Vodafone, Nielsen, IBM e Dropbox. Tecnologias como o NFC, celulares com HTML5, Clouds, as telefonia IP (Skype, por exemplo) e lançamentos na área como o Samsung Galaxy Note 8.0 e o Optimus L Serie II, da LG, estão sendo apresentados no evento.

Há um canal de vídeo com transmissões diárias e um aplicativo para acompanhar o evento.

Entre as novidades fortes, foi anunciada uma parceria da Sony com o novo sistema operacional na praça que é o Firefox OS, um novo alento para o Software Livre, já que o Mozilla é quem dá suporte ao buscador livre Firefox.

Segundo a Telefónica que é parceira do Mozilla no lançamento de um smartphone com o Firefox OS (veja nosso post) , os primeiros dispositivos serão lançados no Brasil, Colômbia, Chile, Espanha e Venezuela na segunda metade de 2013, mas já existem parcerias com os diversos fabricantes entre eles: a Alcatel One Touch, a LG e a ZTE.

 

Morre ativista criador de RSS e Reddit

15 Jan

Encontrado morto em seu apartamento, Aaron Swartz, de 26 anos, havia sido preso em julho de 2011 e acusado de roubar documentos de pesquisa e trabalhos científicos do MIT e da JSTOR, um site de artigos científicos pagos, hoje existe o movimento Open Access que luta para abertura dos trabalhos científicos ao público.

O seu arquivo tinha diversas artigos de revistas científicas e trabalhos acadêmicos, o juiz que o condenou afirmou que ele acessou os arquivos sem autorização, e o processo o condenou a a pagar US$ 4 milhões em multas e teria mais de 50 anos de prisão.

Segundo amigos e ativistas, é provável que a pressão envolvida no processo e a falta de apoio a Aaron podem tê-lo levado ao desespero e ao consequente suicídio de Swartz.

Um de seus amigos famoso, Larry Lessing, disse no site Boingboing “Aaron jamais fez nada em sua vida para ‘fazer dinheiro’, apenas trabalhava pelo interesse geral. Era brilhante, engraçado, era um rapaz genial”.

Com forte depressão em 2007 ele escreveu no seu blog: “Sair, respirar um pouco de ar puro, abraçar alguém querido e não se sentir melhor, pior ainda, se sentir incapaz de compartilhar a alegria dos demais. Tudo está cheio de tristeza”.

A Eletronic Frontier Foundation, associação em defesa dos direitos no mundo digital escreveu em sua página domingo “Adeus a Aaron Swartz, ativista e militante digital extraordinário”.

 

Instagram não muda termos de serviço

22 Dec

Desde segunda-feira passada (17/12) segue-se uma polêmica pela Web, o serviço de fotos digitais Instagram, comprado em abril pelo Facebook, mudou os termos de serviço, que daria direito ao aplicativo de usar comercialmente as fotos dos seus usuários.

A reação dos usuários foi imediata e muitos cancelaram o serviço, mas o Instagram voltou atrás e tentou mudar os termos do serviço.

Há muitos bons serviços alternativos ao Instagram, e preocupados com a reação dos usuários, o aplicativo voltou aos termos iniciais de uso, conforme notícias da Reuters.

Entre alternativos, além do já conhecido Snapshot, destaco o EyeEm, que tem mais de 100 efeitos e 200 bordas diferentes, o compartilhamento também é fácil.

Outra alternativa é o Pixlr-o-Matic, com 14 filtros diferentes e facilidades de compartilhar nas redes sociais, e podem ser separados por temas, que significa uma facilidade de marcação.

Dois que valem a pena dar uma olhada são o Molone e o Retro Câmera, mas existem muitos ouros aplicativos.

 

Google Maps View para a concorrente

04 Oct

A versão do Google Maps com visão das ruas é bastante limitada nos smartphones e não funciona no sistema iOS da Apple, agora está sendo anunciada uma versão disponível também para os dispositivos móveis.

A notícia vem do site AllThingsD , assim os antigos Google Maps agora poderão acessar também o serviço do Street View (o bonequinho que aparece ao lado da ampliação/redução, o + e -) e deve ser feito nesta quinta-feira.

A Apple tentou lançar seu próprio aplicativo de mapas, mas foi um fracasso e agora recebe este “presente” de sua concorrente, que desenvolve as versões de Android, já que este tem sido o maior concorrente para suas versões de iPhone.

A Google deve anunciar algumas melhorias, como caminhos para ciclistas, salvamento de mapas para uso off-line e maior precisão na marcação de pontos, além da evoluções dos já conhecidos mapas 3D.

 

Software Livre pode avançar no país

30 Jul

É o que pensa o coordenador da Associação Software Livre.Org (ASL), Ricardo Fritsch, para quem as empresas nacionais devem ter incentivos para produzir software livres, que declarou no 13º. Fórum Internacional de software Livre (fisl13), que se realizou em Porto Alegre de quinta-feira a sábado da semana passada.

Conforme afirmou Fritsch, integrante do comitê organizador do FISL13: “atualmente o Brasil paga para outros países royalties de forma desnecessária”, disse no fórum que contou com mais de 8 mil participantes.

Fritsch defendeu a criação de política governamental para financiamentos de pequenas e médias empresas de tecnologia de informação, que também afirmou que leis e propostas públicas podem também incentivar o uso de software livre.

Ao compartilhar os códigos livres, que toda empresa pode usar sem ter que pagar para uso, as empresas viabilizam e dão visibilidade aos negócios, Fritsch citou o exemplo do Portal do Software Público Brasileiro, criado em 2007 para compartilhar programas de interesse público que já ajudou inúmeras empresas a prestarem serviços e fazerem novos sócios.