RSS
 

Arquivo para a ‘Visão artificial’ Categoria

Ver, visualizar e visão de mundo

01 Mar

A visão de mundo pode estar limitada aos sentido da visão apenas, isto significa ver, ter visão no sentido visionário significa entender os significados do que se vê, mas também ter uma visão alargada da vida, da cultura própria e a dos outros, e ser capaz de ir além de pré-conceitos, visto também de modo positivo, ou seja, os conceitos que temos em certo campo.
“O importante não é o que olhamos, mas o que vemos”, lembra o poeta, naturalista e filósofo americano H.D. Thoureau (1817-1867), precursor na defesa da natureza e na redução de impostos.
Na filosofia o vínculo aos sentidos criou uma visão de mundo limitada, onde os pré-conceitos podem estar cristalizados ao que sentimos e aceitamos, e nos tornar incapazes de ir além do que se vê, ultrapassando os sentidos e tendo uma visão de mundo culturalmente mais rica.
É a visão de mundo que produz fake news, a necessidade que temos que o Outro tenha nossa visão, muitas vezes limitada pelos horizontes, de como lemos o mundo, muitas vezes sem ver.
Assim está escrito na Bíblia Lc. 6:41: “Por que vês o cisco que está no olho do teu irmão, e não percebes a trave que há no teu próprio olho?”, saber ouvir e falar é também um complemento da visão, mas há uma visão além dos sentidos.
O pragmatismo destas visões penetrou e se consolidou no pensamento ocidental moderno, aprofundou-se como cultura e agora vivemos o que chamo de monarquia dos sentidos, uma visão parecida no nível da empatia e das relações sociais, ao que Martha Nussbaum chama de a Monarquia do Medo, que ainda não li, mas faço a especulação que antes do medo passamos por um processo cultural de aquisição de valores e entre eles o medo do diferente.
É urgente ampliar a visão de mundo, criar o cidadão do mundo, a volta do nacionalismo pode representar para alguns uma visão de paz, mas é um fechamento cultural, ético e religioso perigoso capaz de produzir novas guerras e conflitos ainda mais cruéis que as duas guerras.
É possível uma civilização comum, uma cidadania global ou como prefiro um mundo unido, Martha Nussbaum que é pouco conhecido fora do mundo anglo-saxão dá sua resposta:

 

AI ajudará a combater incêndios

21 Fev

O famoso Departamento de Defesa Americano (DoD), que está na origem da internet também, lançou um programa para usar inteligência artificial (IA) para analisar dados coletados por drones para melhorar a forma como os incêndios florestais são combatidos, a noticia está no Wall Street Journal desta semana.
O projeto usa algoritmos que avaliam fotos e vídeos, podendo prever os caminhos dos incêndios florestais e melhorar os esforços para contê-los, usa dados de sensores em helicópteros, mas poderão usar também drones e outros dados do ciberespaço sobre as funções administrativas de mão-de-obra intensiva, como parte dos esforços para melhor a prevenção e o combate a incêndios em períodos de seca e calor.
Um programa para monitorar e combater os incêndios florestais na Califórnia e em outras partes do país é um dos dois projetos pilotos que o Pentágono divulgou na terça-feira.
O programa, esclarece o Pentágono, reflete esforços para estabelecer uma nova estratégia de inteligência artificial do governo, que quer um trabalho conjunto com a academia e a industria para melhorar a eficiência da adoção de técnicas avançados de gerenciamento e uso de dados.
A razão dos incêndios é clara, também nos incêndios de Portugal, que são a combinação de vulnerabilidades na infraestrutura que sobre uma mudança climática podem causar incêndios, como o grave acontecido em Camp Fire em 2018, na Califórnia, veja o vídeo CNBC:

 

 

Andróides sonham ?

18 Mai

Os dois filmes de Blade Runner foram inspirados no livro Androides sonham com ovelhas elétricas?, de Philip K Dick é relançado em edição comemorativa de 50 anos (1968-2018) com escritos inéditos: uma carta do autor para os produtores de Blade Runner, na qual profetiza o sucesso da produção e a última entrevista concedida por Dick, publicada em 1982 na revista The Twilight Zone Magazine na ocasião do lançamento do filme.

O prefácio exclusivo assinado pelo escritor e jornalista argentino Rodrigo Frésan, amante da ficção científica e da obra de Dick relatando a conturbada e impressionante vida do autor, e um brilhante cenários que chamam de “pós-apocalípticos” feitos por Douglas Kellner e Steven Best, professoras respectivamentte da Universidade da Califórnia e na Universidade do Texas.

Acrescente-se a isto um posfácio escrito pelo tradutor do livro, Ronaldo Bressane, que compara Androides com Blade Runner e comenta aspectos da obra não explorados no cinema, como a preocupação ambiental, além das questões religiosas e metafísicas presentes no texto.

As questões religiosas e metafísicas são tão atuais que merecem uma visão atualizada do que pensamos que é o nosso universo interior, os nossos valores e nossa relação com o mundo natural e ao mesmo tempo transcendental, no sentido não imediato.

O que é a natureza além a natureza e o que é o homem além do humano, não é nem trans-natureza e nem trans-humano apenas, mas para olhá-la de modo adequado será preciso ter um olhar transdisciplinar, não ver pelo lado apocalíptico e pessimista apenas.

A Inteligência Artificial é sem dúvida uma inspiração para os próximos anos, pensar nela não é pensar fora do espírito e da interioridade humana, mas é justamente questionar o que é isto, Blade Runner 2049 fez isto, mas o sucesso foi pequeno, preferimos Robocop.

Se a vida interior reduziu-se na modernidade não é devido aos avanços atuais e vindouros, mas devido ao fato que as vezes atribuímos aos humanos atitudes de robôs e não o contrário, pois os robôs atuais ainda tem raciocínio mecânico e numa lógica limitada.

 

Ambientes de agentes e um exemplo

17 Mai

O exemplo que Norvig e Russel (2010) vão dar para descrever o que é um ambiente na Inteligência Artificial é feliz e infeliz ao mesmo tempo, feliz porque tornou-se algo real 8 anos após a edição do livro, um táxi como veículo autónomo, e infeliz porque já há casos de acidentes com veículos autónomos.

O que chama de ambiente é descrito como PEAS (Performance, Ambiente, Atuadores e sensores, traduzidos ao português) (figura ao lado), cuja primeira etapa é projetar o ambiente da tarefa.

O agente será diferente de um software (um softbot ou webcrawler), mas é didático.

O ambiente sugerido era de um táxi autônomo, o que na época era um “pouco além das capacidades da tecnologia existente”, mas na página 28 vai descrever um robô com esta função, o lado fortuito do exemplo como dizem os autores é uma tarefa “completamente aberta” e “não há limite para as novas combinações de circunstância que podem surgir” (Norvig, Russel, 2010, p. 40)

Que medidas de desempenho serão desejadas: chegar ao destino correto, minimizar o tempo de destino correto, o consumo de combustível e desgaste, as violações de tráfego, distúrbios e segurança aos passageiros e outros condutores, e se houver conflitos tomar decisões (eis um dos motivos do acidente para proteger os passageiros causou um atropelamento de uma transeunte).

O passo seguinte é mapear um ambiente de um carro autónomo, deverá lidar com uma variedade de estradas, desde pistas rurais e vielas urbanas a rodovias de 3, 4 e até 5 pistas, havendo nas pistas além de outros veículos, pedestres, animais vadios, obras na estrada, carros da polícia, poças, e buracos, e deve interagir com passageiros em potencial e reais.

Os atuadores para um táxi automatizado incluem aqueles disponíveis para um motorista humano: controle sobre o motor através do acelerador e controle sobre direção e frenagem.
algumas escolhas opcionais de comunicação com outros veículos com setas e até buzina, e com os passageiros que necessitarão de sintetizadores de voz.

Os sensores básicos do táxi incluirão uma ou mais câmeras de vídeo controláveis para que possam ver a estrada; pode aumentá-las com sensores de infravermelho ou
sonar para detectar distâncias para outros carros e obstáculos.

Os problemas de segurança e convívio com motoristas humanos é evidente, mas graças a este exemplo de sucesso feito em 2010, hoje tem-se mapas, GPS, sinalizadores em estradas, e muitos outros avanços.

NORVIG,  P.; RUSSEL, P. Artificial Intelligence: A Modern Approach 3nd ed., Upper Saddle River, New Jersey: Prentice Hall, 2010.

 

Novas linguagens e mudanças

11 Mai

Em outras épocas guardadas, as devidas proporções, as mudanças que ocorreram em etapas anteriores também causavam impressão forte nas pessoas, mas foram tecnologias disruptivas as que mais influenciaram, as lentes para óculos e telescópios, permitiram a leitura dos primeiros livros impressos, e graças aos telescópicos, a revolução de Copérnico aconteceu.
A mudança de paradigmas que acontece causa espantos, mas é preciso o que se realizará de fato, o que é possível numa realidade mais longínqua e o que poderá acontecer nos próximos anos, já indiquei em alguns post, A física do impossível, de Michio Kaku (2008).
O autor cita no início deste livro, a frase de Einstein: “Se inicialmente uma ideia não parecer absurda, então ela não terá qualquer futuro”, é preciso um pensamento forte e chocante como este para entender que se devemos apostar na inovação, e este é o momento histórico disto, deve entender que grande parte de coisas disruptivas serão inicialmente absurdas.
Falando de coisas mais distantes, no início dos microcomputadores, chegou-se a declarar que eles não teriam utilidade para muitas pessoas, o mouse era desajeitado e “pouco anatômico” quando surgiu, e ainda há muita desconfiança na “inteligência artificial”, não só entre leigos no assunto, entre estudiosos também, outros idealizam um “cérebro eletrônico”, mas nem a Sophia (o primeiro robô a ter cidadania) e o Alexa Amazon tem de fato “inteligência”.
O que é preciso frear, e isto no tempo de Copérnico valia para a visão teocêntrica, hoje há também uma sociopatia anti tecnologia que beira o fundamentalismo, se há injustiças e desigualdades elas devem ser combatidas no plano em que estão, no social e político.
Roland Barthes afirmou que toda recusa de uma linguagem “é uma morte”, com a adoção de tecnologia por milhões de pessoas esta morte se torna um conflito, primeiro entre gerações, e depois entre concepções de desenvolvimento e educação diferentes.
Aos estudiosos faço a recomendação de Heidegger, afirmava sobre o rádio e a televisão que apenas meia dúzia de pessoas entendiam o processo e claro com o poder financeiro podem controlar as editorias destas mídias, mas também pode-se responder no campo religioso.
A leitura do evangelista Marcos Mc 16,17-18 “Os sinais que acompanharão aqueles que crerem serão estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; 18se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal algum; quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados”.
Isto precisa ser atualizado para os novos meios e linguagens modernas, assim como, o avanço da medicina que permitirá curar doenças e dar maior qualidade de vida a muitas pessoas.

KAKU, M. A física do Impossível: uma exploração científica do mundo dos fasers, campos de forças, teletransporte e viagens do tempo. 1ª. Edição. Lisboa: Editorial Bizâncio, 2008.

 

Arte, autonomia e ver

22 Nov

O que permanece velado na arte recente e que está presente no discurso de Hegel e mais ainda naCamponesasJacob aparente ruptura com a saída do “plano” para as formas tridimensionais do “polido” é ainda uma arte idealista daquilo que Hegel chamou de “autonomia” e que devido ao este idealismo, Rancière chamou de “autonomização”.

Esclarece Rancière que é a autonomização: “um desses elementos, a ´ruptura dos fios de representação´que os atavam à reprodução de um modo de vida repetitivo. É a substituição desses objetos pela luz de sua aparição. A partir daí, o que acontece é uma epifania do visível, uma autonomia da presença pictural.” (RANCIÈRE, 2003, p. 87)

É em última instância esta autonomização a famosa “arte pela arte” ou no sentido oposto a “utilitarismo da arte”, mas ambas não podem negar nem o aspecto específico da arte e sua ligação com as palavras nem a sua utilidade “tão útil quanto o útil” diria o escritor Vitor Hugo, mas trata-se de aceitar a emancipação do espectador pela “interação”.

Ver em arte escreve Rancière: “quer se trate de uma Descida da cruz ou um Quadrado branco sobre fundo branco, significa ver duas coisas de uma só vez” (Rancière, 2003, p. 87), que é uma relação entre: “a exposição das formas e superfície de inscrição das palavras.” (idem), onde as presenças são “dois regimes do trançado de palavras e formas.” (ibidem)

Para entender o problema da visão Rancière lança mão do quadro de Gauguin Camponesas no campo, há um “primeiro quadro: camponesas num quadro olham os lutadores ao longe” (Ranciére, 2003, p. 95), a presença e a maneira como estão vestidas mostram que é outra coisa então surge um segundo quadro: “devem estar numa igreja” (idem), para dar sentido o lugar deveria ser menos grotesco e a pintura realista e regionalista não é encontrada, então há um terceiro quadro: “O espetáculo que ele representa não tem um lugar real.  É puramente ideal. As camponesas não veem uma cena realista de pregação e luta. Elas veem – e nós vemos – a Voz do pregador, isto é, a palavra do Verbo que passa por essa voz.  Essa voz fala de combate lendário de Jacó com o Anjo, da materialidade terrestre com a idealidade celestial.” (Ibidem)

Assim desse modo afirma Rancière, a descrição é uma substituição, a palavra pela imagem, e as substitui “por outra ´palavra viva´, a palavra das escrituras.” (RANCIÈRE, 2003,P. 96)

Faz ainda uma ligação com os quadros de Kandinsky, escrevendo: “No espaço da visibilidade que seu texto constrói o quadro de Gauguin já é um quadro como os que Kandinsky pintará e que justificará: uma superfície em que linhas e cores se tornam sinais mais expressivos obedecendo a coerção única da ´necessidade interior´ ” (Rancière, 2003, p. 97), e já explicamos anteriormente não se trata nem de subjetivismo puro pois faz uma ligação com tanto com o pensamento interior quanto ao pensamento sobre a descrição no quadro.

O importante é a simbiose entre a imagem, as palavras e a visão decorrente de um “desvelar” da imagem que pode ser traduzida em palavras.

 

Andróides e cyborgs: onde ?

26 Set

A ficção Blade Runner nos levou a pensar, assim como na época Odisséia 2001 também,RobotAndroides sim estamos indo ao espaço e conhecendo-o melhor, as máquinas crescem em complexidade, mas devemos fazer a pergunta de Terrence Deacon em Natureza incompleta: a mente veio da matéria ? (veja nosso post).

O polêmico Raymond Kurzweil em 2005: The Singularity Is Near: When Humans Transcend Biology é um livro lançado por uma atualização de The Age of Spiritual Machines e The Age of Intelligent Machines, mas a pergunta de fundo é esta de onde viemos? Se viemos apenas de compostos químicos que por milhões de anos foram formando organismos complexos, até chegar a complexidade humana, um ser natural, que tem consciência e que criou coisas fantásticas, entre elas a máquina, onde chegaremos ?

A pergunta que antecede a todos estas que são o nosso “existir” é aquela sobre o que é nosso ser, é transcendente no sentido sobre o que havia antes do homem, viemos só do barro como querem os criacionistas, viemos da mente de Deus como querem os religiosos, ou é possível ainda uma síntese entre as duas: um espírito foi “soprado” em nós.

Na verdade, o que pensamos sobre o futuro, tem a ver com o que pensamos de nossa origem e por isto esta questão é importante, então podemos dizer que o “ser” antecede a “existência” e podemos dizer que o “ser existente” antecede a “ética”, ou de modo mais filosófico “ser” e “ética” se conjugam ontologicamente, pois ambos determinam um ser, e ele tem consciência.

Então será possível “soprar” em androides e cyborgs por mais sofisticados que sejam seus mecanismos de tomada de decisão, assunto que remete aos axiomas da aritmética de Hilbert, ao teorema da incompletude e indecidibilidade de Kurt Gödel, até chegamos a elaborar lógicas complexas destes mecanismos em agentes inteligentes e “inteligência artificial”, mas seria de fato isto inteligência, ao nosso ver, por enquanto andróides e cyborgs só nas ficções.

Androides tem partes robóticas e parte impressionantes super-humanas (visão, força, precisão, etc.), enquanto cyborgs tem partes humanas e partes robôs, mas híbridos que tivessem partes humanas e super-humanas dependeriam da biogenética e de avanços de neurociência ainda mais impressionantes que já existem.

Poderemos criar androides, como no filme Blade Runner 2049, mas qual a capacidade que teriam de sentimentos e consciência ?

 

Blade Runner 2049 será melhor

25 Set

Um filme clássico de ficção sem dúvida é Blade Runner, não consideroBladeRunner o melhor e nem o primeiro, pois é preciso lembrar-se de Perdidos no Espaço (1965 a 1968) se pensamos em série de TV e o clássico de Stanley Kubrick 2001: Uma odisseia no espaço de 1968, dito por alguns: “o mais incrível, belo e mentalmente estimulante filme de ficção científica de todos os tempos”.
Para aqueles que conheceram o enredo do filme que está para ser lançado, há algumas coisas novas e estranhas.
Mas Blade Runner trouxe os replicantes, seres híbridos cuja verdadeira identidade robótica é escondida, e somente pelo olho (mais precisamente pela íris poderia ser identificado) e em plena guerra com os humanos, por isto dizem, é o pai de muitas ficções científicas modernas na linha robótica.
Em um cenário cavernoso de Budapeste, numa manhã de outono em 2016, e Harrison Ford – vestindo uma camisa cinza com botões, calça jeans escura e uma careta resistente a Ford – está atirando um encontro crucial em Blade Runner 2049, agora dirigido por Denis Villeneuve..
Pela primeira vez em mais de três décadas, Ford está retomando seu papel como Rick Deckard, o policial de dedos rápidos e de bebidas fortes do filme em 1982, do primeiro  Blade Runner de Ridley Scott.
Por que K (Ryan Gosling no policial caçador de androides) não usa apenas a porta da frente não é exatamente claro, pois o enredo do Blade Runner 2049 é protegido com o tipo de intensidade geralmente reservada para Star Wars. (Mesmo negociando para entrar no set exigiu mais e depois de um teste de Voight-Kampff).
Ana de Armas afirmou que sua personagem é “forte e complexa”, ela “é a amante do agente K, sua melhor amiga, e a única pessoa em quem pode confiar”.
Depois de 30 anos de Blade Runner há alguns detalhes confirmados: o público deixou Deckard machucado e maltratado em 2019 Los Angeles, ele desapareceu, e o oficial LAPD de Gosling está à caça (possivelmente sob o comando de seu chefe, interpretado por Robin Wright, embora ninguém envolvido com o filme diga com certeza).
Enquanto isso há uma nova geração de replicantes – o termo da série para os androides que são construídos por um misterioso inventor chamado Wallace (Jared Leto), que é ajudado por um empregado dedicado, Luv (Sylvia Hoeks).
Isso é praticamente tudo o que a equipe de 2049 está dizendo, não importa o quão educadamente eu pergunte. “Eu nem tenho certeza de ter permissão para dizer que eu tive um bom tempo fazendo isso”, brinca o ator Gosling.
O lançamento está previsto para 5 de outubro de 2017 (Brasil).

 

Visão e cegueira

25 Mar

Visão de mundo implica num conjunto de sensações, incluindo aquelas que o aspecto Classical spectacle on eye chartcultural adiciona, ou seja, pensamos que vemos, mas nossa visão está condicionada pela tradição, e é o diálogo com a tradição que permite tirar o véu daquilo que achamos que vemos, um desvelar.

Isto foi tratado na filosofia desde Sócrates e Platão, o chamado mito da caverna, ou seja, o que vemos são sombras dentro de uma caverna é preciso sair para a luz para ver o que realmente o mundo, até chegarmos ao filósofo contemporâneo Heidegger, o Weltanschauung (termo alemão que significa uma cosmovisão ou mundividência),  onde uma orientação cognitiva é fundamental para que um indivíduo ou de toda uma sociedade possa de fato ver.

Em nosso cotidiano esta orientação abrange tanto a filosofia natural, com seus valores fundamentais, existenciais, normativos, seus postulados ou temas, suas emoções e de modo especial sua ética.

O que acontece então com uma pessoa que é cego de nascença ? Um dos milagres atribuídos a Jesus é que curou um cego de nascença (Jo 9,1-9), significa que o sistema cognitivo não está preparado para ver, então de fato é um milagre muito grande.

É o milagre que o mundo contemporâneo precisa, mergulhado numa cultura iluminista e idealista, onde o individualismo e consumismo são subprodutos porque são consequencias, fazer as pessoas enxergarem uma vez que são cegos de nascença, significa um “milagre”.

Mas qual é o milagre possível de acontecer, é o fato que existe o “desconforto” da modernidade, o que maus interpretes chamam de líquido, na verdade é um mundo em processo de mudança, porque o que está aí é incomodo e de certa forma desumano.

É preciso um novo Weltanschauung, uma nova cosmovisão, que inclua a TODOS.

 

Filosofia, Inteligência Artificial e Deus

24 Nov

Continuamos a leitura de Peter Kreeft, agora o interlocutor de Sócrates,dedodedeusia Peter Pragma está com urgência de resolver seu problema de profissão e procura Sócrates.

Peter começou as aulas de filosofia e o professor colocou a questão: qual a diferença entre a inteligência humana e a inteligência dos computadores, isto o remeteu a ideia de entrar na computação, estamos na página 55, ao que Sócrates indagou:

SÓCRATES: Você quer se transformar num programa de computador, você quer dizer? Pois a única coisa que entra nos computadores. É a única linguagem que os computadores entendem.

O professor lançara esta pergunta que Sócrates considera-a fácil de responder, mas Peter não quer nenhuma evasiva, e Sócrates vai direto ao ponto:

SÓCRATES: A inteligência artificial não pode fazer aquilo que a sua inteligência natural acaba de fazer.

PETER: O quê ?

SÓCRATES: Ela continua fazendo.

PETER: Oh … oh. Fazendo perguntas, é isso.

SÓCRATES: Parabéns. Você encontrou o tesouro.

Peter e Sócrates vão dialogando e percebem que a origem mesmo de sofisticados programas, como de inteligência artificial, devemos falar em “pessoas” e não apenas em máquinas.

Mas qual o princípio disto tudo? Precisamos primeiro de um programador não programado, ou de um programador que possa questionar sua programação, há uma peça inicial do dominó.

PETER: isso soa como um novo argumento para a existência de Deus.

SÓCRATES: O mesmo princípio funciona tanto num caso como no outro. É o princípio da causalidade, que diz que você não pode dar aquilo que não tem, que efeitos não podem existir sem as causas adequadas, que não pode haver menos na causa total do que no efeito. …

PETER: Eu não sei quanto a Deus. Vamos falar de algo que nós conhecemos: nós mesmos.

SÓCRATES: Algo que você conhece, talvez. Quanto a mim, eu acho o eu um mistério, do mesmo modo como acho Deus um mistério.

Peter relembrará a frase de Sócrates: “conhece-te a ti mesmo”, e dirá:

PETER: Porque é tão difícil conhecer-se a si mesmo, Sócrates?

SÓCRATES: Porque o eu é o próprio cognoscente. Como pode o sujeito tornar-se seu próprio objeto? Como pode o eu tornar-se isto ? É por isso também que eu acho Deus um mistério. O eu humano é uma imagem do Eu divino.

e continua …