RSS
 

Arquivo para a ‘Genetics’ Categoria

Has the fig tree dried up?

22 Mar

The fig tree is a curious tree because it seems dry but it is not, it is its cycle, it goes from an almost dead appearance to a blooming and the production of fruits in its natural cycle of one year.

She is a good example for periods of crisis, apocalyptic and mainly pessimistic, but life goes on and she gives leaves, flowers and fruits.
I like the idea of flowering precisely because it is the middle of the path between leaves and fruits, is almost spring in Europe, while in Brazil the summer is ending.

When the fig tree dries the idea is to prune it, the Biblical metaphor is not always well read, it speaks of a winemaker (who produces grapes therefore), that when seeing the fig tree dry in the time of the fruits thinks about cutting it, but the employee says “‘Lord, leave the fig tree still this year. I’ll dig around it and put fertilizer. It may come to bear fruit. If it does not, then you will cut it, ‘” it is in Luke 13: 8.

Even in the religious interpretation, there is no shortage of those who see this fact in a Manichean and fundamentalist way, but if they read the passage, everything also speaks of the Tower of Siloam that fell on the workers, to say that it was a fatality, they were not being punished, nor was it the divine desire that this should happen.

It’s right up in the passage from Luke 13: 4, read carefully: “Do you think that they were more guilty than all the other inhabitants of Jerusalem? I tell you no.But if you do not convert, you will all die the same way.”.
That is, these things happen to change our life, our way of thinking and our vision. It is a dry fig tree moment in humanity, at the end of the summer in Brazil and at the end of winter in Europe, we must think with openness and greatness the future of humanity, yes the dried fig tree looks like it will not bear fruit, but the leaves will come and the flowers too, then finally the fruits will come, will fertilize the fig tree with a new and positive vision.
Using the fig tree, Tom Brimmer demonstrates that without faith, you’ll never bear fruit.

 

Law, Pharisaism and the fig tree

01 Jun

The excess of legalism and rules kills life, the fig tree is a tree that is long “dry” and then the leaves and fruits leave, but for some time it seems dead.
Pharisaism are those moral, religious rules and in our time “from the state” that has become a god, who kills life in the desire to control it, Petr Sloterdijk wrote about it in “Rules for the human park”, although it does not agree with all, in essence his diagnosis is correct, except for the fact that he made a “religion” out of this dispute.
His proposals, which were a response to Letters on Humanism by Heidegger, which made me deplore him for a long time, gradually understood philosophers and theologians, that there was a conference at Elmaus, in Basel, which later compiled and turned into book.
Sloterdijk’s diagnosis that the human fig tree has dried up due to “domestication” can be clearly read in the excerpt from his book:
“What still domesticates man if humanism has sunk as a school of human domestication? What domesticates man if his previous efforts of self-possession only led, basically, to his seizure of power over all beings? What domesticated man if in all previous experiences with the education of mankind remained obscure who or what educates educators, and for what? Or is it that the question of the care and training of the human being can no longer be formulated in a pertinent way in the field of mere theories of domestication and education? “(Sloterdijk, 1999a, 32).
Here is the human fig tree, this is Pharisaism and its “religious” or “state” rules, after reading it again, I read at the beginning a sentence of Jean-Paul that Sloterdijk quotes by writing to Heidegger: “Books are letters addressed to friends, only longer, “and I understood that deep down he is a Heideggerian, but with a fair and well-placed criticism: where is humanism?
Our knowledge is anthropocentric, rejects even the technique that is human production as “strange”, we have at bottom a contempt for processes of change, those who criticize it as fascist must remember that it was the idea of ​​”strong” state that motivated fascism and dictatorships.
The idea of ​​pharisaical authority that frightened Jesus in the biblical writings, while Sloterdijk also criticizes religion, recovers it by saying that there is a “non-spiritual asceticism,” which transformed temples into places of robbery and filth, is no different from the modern state, to all who worship and revere it, there is a general mistrust of politicians.


Sloterdijk, Petr. Regeln für Menschenpark, (1999a) Frankfurt/M. Suhrkamp. In Brazilian Edition: 

Regras para o parque humano – uma resposta à carta de Heidegger sobre humanismo, São Paulo, Estação liberdade, 2000.

 

Socrates, the good life and technology

22 Nov

Before ending the liberal education chapter, Socrates recalls his famous frase:biotecnologia “knowing oneself” and takes up the idea that “an unexamined life is not worth living”, as his interlocutor Peter Pragma leaves for Grab a coffee and brainstorm. In topic 3 of chapter I: Of the technology and the larvae, the friend who had gone to have a coffee came across the broken machine and said that he would become a technician.

Socrates recalls the short-lived and simplistic character of choosing a profession, and Peter claims that he can not stand any more interrogations, so Socrates thinks of a way to change the very methodology that is the question, “maybe there is a way” and Peter is encouraged.

 But it would be illogical for Socrates to abandon his method, which he does is call a young girl named Marigold Measurer (something like measuring the Daisies, explains the footnote on page 42), the girl agrees but is intrigued by Socrates, psychologist.
But Socrates says, quite to the liking of a more contemporary philosophy, that he is a “sort of conscientiologist … I am a philosopher,” Marigold asks if it is his department, which he readily refutes, it would be contradictory to have a philosophy department, already That philosophy is not a department..

The conversation unfolds with Marigold maintaining a certain secret of his work, but reaffirming that the works today have a certain “hierarchy” and questions the place of the philosophy, and finally Marigold says that works with genetic engineering.
Socrates then questions the role of technology in subordinating nature and suggests that we are only “friends” of it, asks “why would you like to conquer your mother? We only conquer our enemies, “is on page 45.

Asked if he would not be afraid to “lose control” of his work, Marigold claims that his work is serious, to which Socrates asks if a wine producer is sober, “would it be right for him to give his product to an alcoholic?” Page 46.
The dialogue on technology is still going on, but we can keep Socrates’ question.

KREEFT, Peter. The best things in life. Illionois; IVPBooks, 1984, (edition Portuguese: Campinas: Ecclesiae, 2016).

                           

 

We can limit the intelligence Artificial

02 Jul

Now is serious discussion, proximity to situations where machines can go beyond human capacity were openly discussed in Washington DC, an event sponsored by the Information Technology and Innovation Foundation (ITIF), and was discussed whether surpassing human intelligence, machines place in check point the human.

The matter was reported in the Computer World and is philosophical concernaSingularity of philosophers such as Peter Sloterdijk, Hannah Arendt and Heidegger Ernest, but it is also curiously expected as singularity point,

The researcher Stuart Russel, professor of Electrical Enginnering and Comptuer Sciences at U.C. Berkerley said:. “We’re all working on pieces of it…. If we succeed, we’ll drive the human race off the cliff, but we kind of hope we’ll run out of gas before we get to the cliff. That doesn’t seem like a very good plan…. Maybe we need to steer in a different direction.”

Russell was one of the five speakers on the panel today that took on questions about A.I. and fears that the technology could one day become smarter than humans and run amok.

Also the physicist Hawking, who wrote A Brief History of Time, said in May that robots with artificial intelligence could outpace humans within the next 100 years. Late last year, he was even more blunt: “The development of full artificial intelligence could spell the end of the human race.”

 

Depois das redes, as conexões dos tecidos

20 Sep

O trabalho é de um amigo pessoal, Luciano da Fontoura Costa, em projeto financiado pela FAPESP e que já lhe valeu uma publicação, nada mais nada menos que na Nature Communications, uma relevante revista para pesquisadores de alto nível nesta área.

Uma pequena reportagem sobre o projeto pode ser lido na revista eletrônica da FAPESP, intitulado Arquitetura dos Tecidos, ele desenvolveu métodos computacionais para analisar imagens de células do epitélio, tecido que recobre interna ou externamente os órgãos e verificar o tipo de ligação entre elas.

Para estudar as ligações, existe um modelo matemático chamado grafo, uma espécie de diagrama, onde as ligações são representadas como um conjunto de pontos (nós ou vértices) ligadas por retas.

Segundo Luciano, “o estudo é consequência de anos de colaboração dele com os pesquisadores Madan Babu e Luis Escudero”, ambos do Laboratório de Biologia Molecular de Cambridge, na Inglaterra, sendo o objetivo principal da pesquisa “investigar a organização epitelial de uma forma mais abrangente e sistemática, usando não apenas medidas da forma de cada célula, mas também uma rede de contatos entre elas”, explicou.

Os tecidos podem ter uma caracterização geométrica, os pesquisadores ingleses buscaram esta caracterização geométrica em cada célula registrada em imagens microscópicas do epitélio de asas e olhos de embriões de frango e da pupa de drosófila, a mosca-das-frutas, enquanto Luciano montou uma rede de contatos entre as células e realizou a análise multivariada dos dados, e através do tratamento estatístico dos dados buscou algum tipo de padrão.

 

Primeiro biocomputador feito em Stanford

25 Jul

Conforme notícia no jornal da Universidade de Stanford, uma equipe liderada pelo prof. Markus Covert, professor assistente de bioengenharia, utilizando dados de mais de 900 trabalhos científicos, conseguiram explicar toda interação molecular que ocorre no ciclo de vida da Mycoplasma genitalium, uma das menores bactérias conhecidas.

Embora existam muitos problemas, como por exemplo, a compreensão da interação entre genes, outro prof. Diretor do Instituto Nacional de Saúde, James M. Anderson afirmou que “esta conquista demonstra uma transformação na abordagem para responder questões sobre os processos biológicos fundamentais”, porque os “modelos de computadores mais abrangentes de células inteiras têm o potencial de fazer avançar nossa compreensão sobre a fundação celular e, em última instância, pode informar sobre novas abordagens no diagnóstico e tratamento de doenças”.

A diferença da abordagem é explicada por um estudante co-autor do artigo sobre a descoberta, Jayodita Sanghvi, explicando que muitos problemas podem estar na interação de milhares de genes e não em um único gene como se imaginam em muitas abordagens, mas agora deve-se “trazer todos esses dados em um único lugar e ver como ele se encaixa”, referindo-se a interação de diversos genes.

O artigo “The Dawn of Virtual Cell Biology”, foi publicado na revista Cell, e tem a seguinte lista de autores: Jonathan R. Karr, Jayodita C. Sanghvi, Derek N. Macklin, Miriam V. Gutschow, Jared M. Jacobs, Benjamin Bolival, Nacyra Assad-Garcia, John I. Glass e Markus W. Covert .

 

Cientistas descobrem “oi” das células

18 Nov

Há muito se sabe que as células produzem sinais e estes podem “criar” relações entre elas, são sinais químicos produzidos “fora” da célula que produzem efeitos “dentro” da célula.

Em um trabalho com resultados que se iniciaram a três anos, os pesquisadores Domitilla Del Vecchio, e o professor associado Keck Career do Departamento de Engenharia Biomédica do MIT nos EUA, propuseram pela primeira que é possível detectar respostas das células a sinais em suas proximidades, e conseguiram a primeira evidência direta desta teoria, anunciada no dia de ontem no site do famoso Instituto de Massachussets, e que estará num trabalho já está publicado na revista Science Signaling.

Tudo parecia evidente como “reações químicas”, mas o resultado recente é que acontece uma comunicação é uma via de duas mãos, ou seja, as células de sinalização acusam que os seus sinais estão sendo recebidos, e, em seguida, ajustam o volume para as “respostas”.
Domitilla e seus colegas consideraram o resultado “surpreendente” e “não-intuitivo”, no trabalho que contou com co-autoria de pesquisadores da Universidade de Michigan, da Universidade de Buenos Aires e da Universidade de Rutgers.

Os efeitos podem ser comparados à maneira como os sistemas elétricos ou hidráulicos interagir reagem a uma carga, explicou a pesquisadora, se por exemplo, você ligar uma ducha do banheiro, a pressão da água em uma torneira por perto pode cair por causa do fluxo extra de água usado do mesmo tanque. Da mesma forma, as luzes podem de lâmpadas podem cair momentaneamente quando um motor de geladeira é acionado colocando um peso extra num circuito doméstico.

De forma semelhante verifica-se no sistema vivo quando uma célula é colocada sobre sinais de fora delas, moléculas sinalizadoras em resposta a algum estímulo variável, respondem mas podem variar o tempo que leva para responder mudando se houver “alvos ajustados”, isto é, os receptores dentro da célula que estão recebendo o sinal de modo diferenciado conforme o estímulo. Isto porque enquanto nos sistemas elétricos e hidráulicos eles são bem compreendidos, a comparação poderá ajudar os cientistas a descobrirem como aproveitar e aplicar os novos conhecimentos sobre o comportamento das células, em tratamentos de doenças e compreendendo melhor o sistemas vivos.

Domitlla disse: “Em princípio, dá-nos uma maneira de como ajustar o comportamento do sistema, que não era conhecida antes. Além disso, nos dá uma idéia de como podemos construir dispositivos ” que aproveitarão melhor este mecanismo.

 

Cientistas criam circuito com bactéria e DNA

21 Oct

Cientistas do Imperial College londrino  afirmam ter construído um circuito de portas lógicas (o circuito básico do computador) com bactéria e introduzindo neles um DNA, segundo o site ACM Tech News, o pesquisador Richard Kitney do College afirmou: “Agora que temos demonstrado que podemos replicar essas peças utilizando bactérias e DNA, esperamos que nosso trabalho pode levar a uma nova geração de processadores biológicos, cujas aplicações no processamento de informações pode ser tão importante quanto seus equivalentes eletrônicos”.

Professor Martin Buck, co-autor do trabalho, do Departamento de Ciências da Vida do Imperial College London, acrescentou: “Acreditamos que a próxima etapa de nossa pesquisa poderá levar a um tipo totalmente novo de circuito para processamento de informação, no futuro, podemos ver de processamento de informações biológico em um circuito complexo capaz de atuar produtos químicos, muito parecido a forma que o nosso corpo usa para processar e armazenar informações. ”

Os pesquisadores afirmaram que a porta lógica biológica poderá, eventualmente, formar os blocos de construção de computadores biológicos microscópicos no futuro, tendo como principal vantagem que estas novas portas lógicas biológicas se comportam como portas lógicas eletrônicas e permitem serem montadas em conjunto com outras diferentes.

Os pesquisadores agora vão tentar desenvolver um circuito mais complexo, constituído de portas lógicas múltiplas.

Isto poderá abrir caminho para uma nova geração de dispositivos de computação biológica, em pesquisa que está sendo publicada nestes dias na Nature Communications.

 

Fala humana pode ter surgido na África

20 Jun

Evolução genética humanaSegundo trabalho feito pelo pesquisador Quentin Atkinson, da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, o continente africano parece ser o berço basicamente de tudo que se refere a espécie humana, agora incluiu-se também a linguagem falada, numa análise dos sons usados na comunicação humana, mostrou-se a partir de uma base de 504 línguas diferentes, que há uma maior diversidade de fonemas nos países africanos, e menor na América do Sul e no Pacífico.

O trabalho foi publicado na revista Science de abril, mas pode ser encontrado na Web.

Esta teoria se encaixa em estudos chamados “efeito do modelo fundador”, a partir do qual se verifica como as populações se expandem por novos territórios e passam alguns períodos chamados gargalos-de-épocas onde se verificação uma diminuição no tamanho da população durante os quais há uma perda de diversidade cultural e linguística.

O prof. Atkinson esclarece que “esta teoria prevê que a diversidade deveria ser maior no ponto de origem da expansão”, e diz sobre suas hipóteses: “Eu sabia que as linguagens têm um menor número de fonemas (usam menos sons) em populações pequenas, e pensei que seria interessante verificar se havia um efeito fundador linguístico, e onde ele colocaria a origem da linguagem” e então verificou que haviam indícios deste efeito nos fonemas.

Este efeito de diminuição do número de fonemas não pode ser explicada, segundo Atkinson, por outros fatores, como mudança demográfica, que é uma forte evidência que na mudança de fonemas, mas não se encontramos os troncos iniciais. O resultado surpreendeu o próprio pesquisador, que esperava que a distribuição dos fonemas ao redor do mundo fosse aleatória. Estudos de genes e arqueológicos já apontaram isto, conforme a hipotética figura neste post.

 

Mãe dos humanos pode ter vivido à 200 mil anos

17 Aug

Segundo um artigo na Theoretical Population Biology, com estudos que utilizaram uma potente estatística a Leia o resto deste post »