Warning: Declaration of wp_option::render($field_html, $colspan = false) should be compatible with base_wp_option::render() in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 123

Warning: Declaration of wp_option_text::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 170

Warning: Declaration of wp_option_textarea::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 194

Warning: Declaration of wp_option_choose_category::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 226

Warning: Declaration of wp_option_choose_page::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 240

Warning: Declaration of wp_option_select::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 257

Warning: Declaration of wp_option_file::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 301

Warning: Declaration of wp_option_separator::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 408

Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
Mídia Digital « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para a ‘Mídia Digital’ Categoria

[:pt]Transformação digital além da Buzzword[:en]Digital transformation beyond Buzzword[:]

21 out

[:pt]Alertamos e problematizamos nos 10 anos deste blog a transformação que estava sendo encaminhada pelas mudanças digitais, aspectos sociais, educacionais, industriais e até mesmo comportamentais, boa parte dos céticos reagiam, ironizavam ou desprezavam uma mudança real que estava acontecendo.

A pandemia mostrou que as ferramentas mais do que necessárias podem construir pontes, estabelecer relações novas, dinamizar empresas e evitar desperdícios de tempo, dinheiro e principalmente nestes tempos por em perigo a saúde.

Agora todos vivem a realidade digital, empresas sobreviveram por serviços online, famílias, grupos sociais, serviços públicos e reuniões de diversos tipos dependem das ferramentas digitais, os espetáculos dependem de lives, de meetings ou postagens em ferramentas de mídias sociais.

Uma buzzword surgiu muito forte a chamada “transformação digital”, porém o perigo do oportunismo é grande de empresas e sites que exploram e mistificam estes serviços e cobram caro por ele, assim alguns conceitos são necessários, primeiro o que acontece diferente na geração Z da anterior chamada de millennials, os que são nascidos no início do milênio, portanto antes do ano 2000, que agora tem de 22 a 37 anos.

Os millenials acompanharam a evolução a Web (as páginas, sites e blogs), nasceram numa realidade em que os computadores eram uma eletrodoméstico, assim só eram usados em casa e opcionalmente na escola, enquanto a geração Z através do celular levou o mundo digital a todo lugar, criam os grupos de chats e tem um comportamento diferente com a credibilidade dos sites, blogs e mídias de redes, criam suas próprias relações e ídolos, em geral diferente do tudo que é conhecido.

Embora mais fechados e com tendência a pouca relação social, são mais críticos que os millenials, mais ansiosos, são mais eficientes e são mais exigentes.

Assim as relações com o mercado são muito diferentes, voltam a preferir as compras em lojas físicas e selecionam bem o que compram, menos impulsivos e já tem a tecnologia com um excelente apoio, embora muito conectados já conhecem os limites da tecnologia.

Grandes revistas de economia como a Forbes e a Fortune fizeram análises da geração Z para entender a transformação de mercado necessária, a Forbes diz que ela representa 25% da população mundial atual, o meio digital é parte natural da vida deles, como a TV e o rádio das gerações passadas, enquanto a Fortune afirma que 32 da geração Z se esforça para um trabalho dos seus sonhos e descartam assumirem qualquer trabalho, embora temporariamente aceite para alçar o futuro.

Assim os CRMs ( Customer Relationship Management) antigos não funcionam e muitas críticas e análises feitas para a geração millenials estão ultrapassadas.

Segundo Kasey Panetta, pesquisadora da Gartner, 5 conceitos novos são emergentes: Composite architectures, arquiteturas ágeis e responsivas, Algorithmic trust, produtos, links, sites e transações confiáveis, Beyond silicon, os limites da lei de Moore da evolução dos computadores, agora tecnologias menores e mais ágeis são procuradas, Formative Artificial Intelligence (AI) adaptação ao cliente, customização dos serviços, tempos e localização, e o conceito Digital Me, uma espécie de passaporte para o mundo digital, ferramentas e sites que já conhecem o cliente e suas necessidades, formas de comportamento e preferencias.

Portanto todo o universo digital que parecia estável também vai desmoronar e muito do que se chama “transformação digital” é só uma mistificação digital, cuidado com oportunistas.

Panetta, Kasey. 5 Trends Drive the Gartner Hyper Cycle for Emerging Technologies, 2020. Disponível em: https://www.gartner.com/smarterwithgartner/5-trends-drive-the-gartner-hype-cycle-for-emerging-technologies-2020 , Acesso em: 15 de setembro de 2020.[:en]We alerted and problematized in the 10 years of this blog the transformation that was being led by digital changes, social, educational, industrial and even behavioral aspects, most of the skeptics reacted, mocked or despised a real change that was happening.

The pandemic has shown that more than necessary tools can build bridges, establish new relationships, energize companies and avoid wasting time, money and especially in these times, endangering health.

Now everyone lives in the digital reality, companies have survived through online services, families, social groups, public services and meetings of various types depend on digital tools, shows depend on lives, meetings or posts on social media tools.

A buzzword emerged very strongly called the “digital transformation”, but the danger of opportunism is great for companies and sites that exploit and mystify these services and charge dearly for it, so some concepts are necessary, first what happens differently in generation Z of previous call of millennials, those who were born at the beginning of the millennium, therefore before the year 2000, which is now 22 to 37 years old.

The millenials followed the evolution of the Web (the pages, websites and blogs), they were born in a reality in which computers were an appliance, so they were only used at home and optionally at school, while generation Z through cell phones took the digital world to everywhere, create chat groups and behave differently with the credibility of websites, blogs and media networks, create their own relationships and idols, in general different from everything that is known.

Although more closed and with a tendency to have little social relationship, they are more critical than millennials, who are more anxious, more efficient and more demanding.

Thus, relations with the market are very different, they return to prefer shopping in physical stores and select well what they buy, less impulsive and already have the technology with excellent support, although very connected they already know the limits of technology.

Major economics magazines like Forbes and Fortune have done generation Z analyzes to understand the necessary market transformation, Forbes says it represents 25% of the current world population, digital is a natural part of their lives, like TV and the radio of past generations, while Fortune claims that 32 of generation Z are striving for a job of their dreams and rule out taking on any job, although temporarily accepted to lift the future.

Thus the old CRMs (Customer Relationship Management) do not work and many criticisms and analyzes made for the millennial generation are outdated.

According to Kasey Panetta, a researcher at Gartner, 5 new concepts are emerging: Composite architectures, agile and responsive architectures, Algorithmic trust, products, links, websites and reliable transactions, Beyond silicon, the limits of Moore’s law of the evolution of computers, now technologies smaller and more agile are sought, Formative Artificial Intelligence (AI) adaptation to the client, customization of services, times and location, and the Digital Me concept, a kind of passport to the digital world, tools and websites that already know the client and their needs, forms of behavior and preferences.

So the entire digital universe that seemed stable is also going to collapse and much of what is called “digital transformation” is just a digital mystification.

Panetta, Kasey. 5 Trends Drive the Gartner Hyper Cycle for Emerging Technologies, 2020. Available at: https://www.gartner.com/smarterwithgartner/5-trends-drive-the-gartner-hype-cycle-for-emerging-technologies-2020, Access: September 15, 2020[:]

 

[:pt]A crise cultural e a pandemia[:en]The cultural crisis and the pandemic [:]

15 abr

[:pt]A segunda grande cegueira da crise do ocidente é a cultura, o livro Qualquer Coisa Serve de Theodore Dalrymple, pseudônimo de Anthony Daniels, psiquiatra inglês que tratou de presos perigosos, é uma antologia de contos escritos de 2006 a 2009, e chamou seus estudos de declinologia (veja o vídeo abaixo) porém no livro citado há belas passagens de como ler uma cultura.
Desde os primórdios da cultura humana, a descoberta da Caverna de Chauvet (datada de 32 mil a.C.) prova isto, o homem constrói e registra sua cultura, e aqui um paralelo com o #StayAtHome esta é feita numa caverna, provavelmente local de encontro e proteção de famílias.
Pode parecer demasiado o termo usado por Peter Sloterdijk, mas a domesticação humana não é outra coisa que não a estruturação da vida “doméstica”, e também a origem grega da palavra oikos-nomicus (já fizemos um post) significa oikos – casa.
Acrescentamos aqui o diálogo de socrático de Xenofonte, que se refere ao termo como ser um bom cavalheiro, o Kalokagathos (bom em belo, em grego), que é assim referência a cultura.
Byung Chul Han, que escreveu a Salvação do Belo, onde critica a cultura do liso e em particular a de Jeff Koon e suas esculturas de “baloons” (figura) que muito ou nada dizem, o desejo de uma total imunidade, sem procurar a co-imunidade, conceito de seu mestre Sloterdijk, que pode ser aplicado a pandemia atual.
Um artigo duro, mesmo para mim como apreciador de Byung Chul Han, sobre a atual crise pandêmica, publicado no El País, afirma que: “parece que a Ásia controla melhor a epidemia do que a Europa”, cita os dados de 20 de março quando a epidemia ainda não tinha atingido o auge na Europa e dá como razão a estrutura disciplinada e ancestral do oriente.
Mais cedo do que nós eles apostaram no Big Data afirma o autor, e “suspeitam que o big data pode ter um enorme potencial para se defender da pandemia” diz no artigo de El País, porém alerta que isto pode caminhar para uma ditadura digital, como na China e isto não é mudança.
Sobre a cultura atual autor afirma “hoje não só se volta o polido ao belo, mas também o feio” na obra A Salvação do Belo (pag. 19), esperamos que o flagelo do vírus nos comova os coração e nos faça ir da descoberta da interdependência, como diz Morin, para a solidariedade.
Porém esta solidariedade exercida em conjunto, numa co-imunidade, necessita de um novo conceito do doméstico, da religação, além da conexão digital e do “isolamento” social.

https://veja.abril.com.br/videos/clube-do-livro/uma-aula-de-decliniologia-com-theodore-dalrymple/[:en]The second great blindness of the Western crisis is culture, the book Anything Goes by Theodore Dalrymple, pseudonym of english´s psychiatrist Anthony Daniel who treated dangerous prisoners, is an anthology of short stories written from 2006 to 2009, and called his studies declinology (see the video below) but in the book cited there are beautiful passages on how to read a culture. in many countries. 
Since the dawn of human culture, the discovery of the Chauvet Cave (dated 32,000 BC) proves this, man builds and records his culture, and here a parallel with #StayAtHome this is done in a cave, probably a meeting place and protection of families.
It may seem too much the term used by Peter Sloterdijk, but human domestication is nothing other than the structuring of “domestic” life, and also the Greek origin of the word oikos-nomicus (we have already made a post) means oikos – home.

We add here Xenophon’s Socratic dialogue, which refers to the term how to be a good gentleman, Kalokagathos (good in beautiful, in Greek), which is thus a reference to culture.
Byung Chul Han, who wrote Salvação do Belo, where he criticizes the culture of the plain and in particular that of Jeff Koon and his sculptures of “baloons” (figure) that say a lot or nothing, the desire for total immunity, without seeking the co-immunity, concept of its master Sloterdijk, that can be applied to the current pandemic.
A hard article, even for me as an appreciator of Chul Han, about the current pandemic crisis, published in El País, states that: “it seems that Asia controls the epidemic better than Europe”, quotes the data of March 20 when the epidemic had not yet reached its peak in Europe and is based on the disciplined and ancestral structure of the east. 
Earlier than us, they bet on Big Data, says the author, and “they suspect that big data may have enormous potential to defend themselves against the pandemic” says in the article by El País, but warns that this could lead to a digital dictatorship, as in China and this is not a change.
About the current culture, the author affirms “today not only the polished is turned to the beautiful, but also the ugly” in the work A Salvação do Belo (page 19), we hope that the scourge of the virus will move our hearts and make us go from discovery from interdependence, as Morin says, to solidarity.
https://veja.abril.com.br/videos/clube-do-livro/uma-aula-de-decliniologia-com-theodore-dalrymple/  [:]

 

[:pt]A mulher e as novas mídias[:en]Women and new media[:]

09 mar

[:pt]O dia da mulher foi ontem e a perspectiva de uma sociedade não-machista está muito distante, mesmo em países europeus contatei com tristeza que o machismo ainda é cultura geral, por exemplo, o assédio na França tem índices elevados e em Portugal há casos recentes, onde até um juiz do Supremo manifestou seu machismo num caso de violência doméstica que julgava.

O Wikipedia é o 5º. Site mais acessado no mundo, possui mais de 6 milhões de verbetes, e apesar de ter problemas de edição e corrupção nos seus verbetes, o que é tratado mas pode ficar online e causar confusões, sua importância é inegável, e negá-la é não estar vivendo a realidade presente.

 Nas novas mídias não é diferente, o Wikipedia o 5o. site mais lido no mundo, teve recentemente a divulgação que a maioria das mulheres influentes em investigações científicas são ignoradas pelo site.

O artigo escrito por James Vicent em agosto de 2018 na Revista The Verge, consta que 82% das biografias são escritas sobre homens, cita o exemplo de Teresa Woodruff, uma cientista que não tinha entrada no Wikipedia (agora tem), e foi nomeada uma das pessoas mais influentes em investigações e Inteligencia Artificial pela revista Time em 2013.

Outra influente investigadora citada é Jessica Wade, física do Imperial College London que escreveu a nova entrada de Pineau, um sistema chamado QuickSilver, e falou sobre o Wikipedia:

“… é incrivelmente tendencioso e a sub-representação de mulheres na ciência é particularmente ruim”.

O artigo teve como foco as pesquisas na área de IA e citou ainda a investigadora de robótica Joële Pineau.

Entretanto as novas mídias deram poder e voz também as mulheres, é inegável que um número de grupos sociais excluídos, culturas quase desaparecidas, e muitas minorias tem voz agora graças as novas mídias.

Nas mídias de redes sociais, facebook e instagram são inúmeros os casos de exposição de imagens e conteúdos machistas, nem sempre denunciados e punidos por práticas ofensivas.

 

Vicent, James (2018) AI spots 40,000 prominent scientists overlooked by Wikipedia, The Verge, Disponível em:

https://www.theverge.com/2018/8/8/17663544/ai-scientists-wikipedia-primer, Acessado em: 20/10/2018.[:en]The women’s day was yesterday, the prospect of a non-sexist society is very distant, even in European countries I contacted with sadness that sexism is still a general culture, for example, harassment in France has high rates and in Portugal there are recent cases , where even a Supreme Court judge expressed his machismo in a case of domestic violence that he judged.

Wikipedia is the 5th.

The most accessed site in the world, it has more than 6 million entries, and despite having problems with editing and corruption in its entries, which is treated but can go online and cause confusion, its importance is undeniable, and denying it is not living the present reality.

New media is no different, Wikipedia the 5th. most read site in the world, it has recently been reported that the majority of women influential in scientific investigations are ignored by the site.

The article written by James Vicent in August 2018 in The Verge Magazine, says that 82% of the biographies are written about men, cites the example of Teresa Woodruff, a scientist who had no entry on Wikipedia (now has), and was named one of the most influential people in investigations and Artificial Intelligence by Time magazine in 2013.

Another influential researcher cited is Jessica Wade, a physicist at Imperial College London who wrote Pineau’s new entry, a system called QuickSilver, and spoke about Wikipedia:

“… it is incredibly biased and the under-representation of women in science is particularly bad”.

The article focused on AI research and also cited robotics researcher Joële Pineau.

However, new media have given women power and a voice too, it is undeniable that a number of excluded social groups, cultures almost disappeared, and many minorities now have a voice thanks to new media.

In social media media, facebook and instagram, there are countless cases of exposure of sexist images and content, which are not always denounced and punished for offensive practices

 [:]

 

[:pt]Influenciador digital, a potência nas novas mídias[:en]Digital influencer, the power in new media. [:]

25 fev

[:pt]Influenciador digital é uma nova área de atuação nas mídias, desde os primeiros blogueiros eles existem, falam de coisas curiosas desde temas sérios, até culinária, fitness, esportes ou qualquer coisa que esteja em alta em determinado momento, os que fazem sucesso significam muito em termos de estatísticas e financiamentos, mas pouco em termos de conteúdos sérios e políticos.
Cito um brasileiro Felipe Neto, em torno dos 32 anos, não fui conferir apenas li em algum lugar, as vezes é inteligentes, as vezes comediante e irônico, fala de tudo em especial de fatos culturais inéditos, como a família Passos que formou uma “trupe” que ganhou com uma marchinha de sátira de carnaval “A culpa é do PT” que na rádio CBN venceu o concurso.
Dizem que ele tem milhões de seguidores, não fui conferir e pois também existem “robôs” e “influencers” capazes de produzirem valores juntos, mas as visualizações são mesmo astronômicas.
Você deve desconhecer Christian Figueiredo que tem em torno de 21 e já lançou um livro “Eu fico loko” e já fez marketing para Colacoca (algo assim) e Disney, e se for num shopping vai enlouquecer adolescentes, pergunte ao seu filho, sobrinho ou neto quem ele é, chance de 50% que saberão.
O catarinense Luba, Lucas Feurschütte. tem em torno de 25 anos, e já fez um vídeo de sucesso com Christian Figueredo perguntando: “Você é um gay”, tem um terceiro que não conheço que participa, mas talvez também seja de sucesso, o seu sucesso é o Luba TVGames (em torno de 230 mil seguidores), não vou esgotar a lista, apenas aponto um universo desconhecido de quem tem mais de 30 anos, pelo menos a imensa maioria, os jovens estão sob enorme influência deles.
Se seu filho é um adolescente preste atenção nestes nomes: Júlio Cocielo que se envolveu numa polêmica por fazer um comentário racista do jogador Mbappé, ah este você conhece, outro nome é Luccas Neto, 25 milhões de inscritos e bilhões de visualizações, Kéfera Buchmann do canal 5inco Minutos, não sei de é ironia com o programa americano 60 minutes, mas fala de beleza, esquetes, paródias e tem um humor bem fino e 11 milhões de seguidores, Whindersson Nunes, que uma vez em palestra fiz uma brincadeira com ele e todas adolescentes reagiram, e o adulto que dirigia a conversa não entendeu nada, e claro, o Felipe Neto.
De outros países tudo que sei é o youtuber PewDiePie, um comediante sueco em torno dos 30 anos, descobri que seu nome é Feliz Arvid Ulf Kjellberg, e também os do Instagram, mas lá surgem nomes “comuns” midiáticos como Cristiano Ronaldo e Messi jogadores de futebol, Beyoncé e Selena Gomez cantoras, Justin Bieber cantor e outros, pessoalmente sou seguidor de amigos e familiares.
É tudo que conheço, me dedico pouco a estas conversas, mas a vontade de potência me fez ir atrás do que os jovens estão preocupados, daqui 3 ou 4 anos estarão na faculdade e não quero perder a piada, ou a conversa, ou o “poder” que gente da nossa idade perdeu com os jovens.
Ah é tudo gente midiática, sim, mas também os novos filósofos das mídias não são outra coisa.[:en]Digital influencer is a new area of expertise in the media, since the first bloggers they exist, they talk about curious things from serious topics, to cooking, fitness, sports or anything that is on the rise at a given moment, those that are successful mean a lot in in terms of statistics and funding, but little in terms of serious and political content.
I quote from a Brazilian Felipe Neto, around 32 years old, I didn’t go check it out, I just read it somewhere, sometimes he’s smart, sometimes comedian and ironic, he talks about everything, especially unpublished cultural facts, like the Passos Family that formed a “ trupe ”that won with a carnival satire marchinha (*primary sing of carnival) “The fault is of the PT (left party)” on CBN radio won the marchinhas contest.
They say he has millions of followers; I didn’t check it out and there are also “robots” and “influencers” capable of producing values, but the visualizations are really astronomical. You must be unaware of Christian Figueiredo, who is around 21 and has already launched a book “Eu sou loko” (I´m crazy) and has already done marketing for Colacoca (or other) and Disney, and if it goes to a mall it will drive teenagers crazy, ask your son, nephew or grandson who he is , 50% chance that they will know.

The Santa Catarina´s Luba, Lucas Feurschütte. he is around 25 years old, and has already made a successful video with Christian Figueredo asking: “Are you a gay”, there is a third party that I don’t know who participates, but maybe he’s also successful, his success is Luba TVGames ( around 230 thousand followers), I will not exhaust the list, I just point out an unknown universe of those over 30 years old, at least the vast majority, young people are under their enormous influence.
If your son is a teenager, pay attention to these names: Júlio Cocielo, who got involved in a controversy for making a racist comment about the player Mbappé, oh this you know, another name is Luccas Neto, 25 million subscribers and billions of views,
The third in Brazil is Kéfera Buchmann do 5inco Minutos channel, I don’t know how ironic it is with the American program 60 minutes, but it talks about beauty, sketches, parodies and has a very fine humor and 11 million followers, Whindersson Nunes, who once in a lecture I played with him and all teenagers reacted, and the adult who would say the conversation did not understand anything, and of course, Felipe Neto.
From other countries all I know is youtuber PewDiePie, a Swedish comedian around 30 years old, I discovered that his name is Feliz Arvid Ulf Kjellberg, and also those from Instagram, but there are “common” media names like Cristiano Ronaldo and Messi players. soccer, Beyoncé and Selena Gomez singers, Justin Bieber singer and others, personally I am a follower of friends and family.
It’s all I know, I dedicate myself little to these conversations, but the desire for power made me go after what young people are concerned about, in 3 or 4 years they will be in college and I don’t want to miss the joke, or the conversation, or the “ power ”that people of our age lost to young people.
Oh, it’s all media people, yes, but the new media philosophers (its comm[:]

 

[:pt]Entre a Vertigem e Dois Papas[:en]Between Vertigo and Two Popes[:]

04 fev

[:pt]A democracia brasileira de fato ainda não tem profundidade e maturidade, tudo é polarizado entre dois pontos de vistas exclusivos e ambos autoritários, mas nem é o caso de Democracia em Vertigem com uma clara interpretação dos fatos da jovem diretora Petra Costa, nem Dois Papas sob a direção de Fernando Meirelles, são bons diretores e tem uma visão dos fatos.
Começo por Fernando Meirelles pois foi sua entrevista no Roda Viva que me incentivou a falar sobre as indicações brasileiras ao Oscar, que devia nos orgulhar a todos, ainda que possamos discordar, precisamos aprender este direito democrático, ambos têm fundamentos culturais.
Meirelles explicou sua visão de Francisco, que seria o roteiro original do filme, que aos poucos tornou-se o diálogo e a admissão de erros papais, ambos cometeram erros, como todos nós os cometemos na vida, mas ambos conseguem dialogar e olhar para o futuro da igreja e do homem.
Falta a democracia brasileira isto admitir os erros do passado, mas é claro antes de tudo conhece-lo bem senão isto jamais será possível e neste sentido valorizo e gostei do filme de Pedra Costa.
Aliás sobre ela mesmo é preciso conhecer sua história, Elena seu primeiro filme tem aquilo que a caracteriza e parece ser o fio condutor de seu estilo, coloca o seu “olhar”, o que está claro ao por no documentário ela faz uma dança em rodopios, lembrando a irmã falecida e fecha num close-up do seu olho, quero dizer, ela própria vê que está colocando sua visão nos fatos.
Vendo o debate, e lembrando dos filmes de Meirelles: O Fiel Jardineiro (2005) e Cidade de Deus (2002), vejo que os debatedores conhecem pouco a obra dele e se fixaram nas próprias opiniões polarizadas sobre o filme, destaco ainda o pouco badalado mas excelente filme “Ensaio sobre a cegueira” (2008) que caberia muito bem para o que acontece na cultura brasileira.
Ambos o documentário de Petra e o filme de Meirelles tem emoção, tem boas imagens e fotografia, enfim são bons, mas a maioria ficará com a polarização e não com o diálogo que a arte procura.[:en]Brazilian democracy does not yet have depth and maturity, everything is polarized between two exclusive points of view and both authoritarian, but neither is the case of Democracy in Vertigo with a clear interpretation of the facts of the young director Petra Costa, nor Dois Papas (Two Popes) under the direction of Fernando Meirelles, are good directors and have a view of the facts.

I start with Fernando Meirelles because it was his interview at Roda Viva (Brazilian TV program) that encouraged me to talk about the Brazilian Oscar nominations, which should make us all proud, although we may disagree, we need to learn this democratic right, both have cultural foundations.

Meirelles explained his vision of Francisco, which would be the original script of the film, which gradually became the dialogue and the admission of papal mistakes, both made mistakes, as we all do in life, but both manage to dialogue and look at the future of the church and man.

Brazilian democracy lacks this to admit the mistakes of the past, but it is clear, first of all, to know it well, otherwise this will never be possible and in this sense I value and liked the film by Pedra Costa.

In fact, it is necessary to know her story, Elena, her first film has what characterizes her and seems to be the guiding thread of her style, puts her “gaze”, which is clear by putting in the documentary she makes a swirling dance , reminiscent of the deceased sister and closes in a close-up of her eye, I mean, she sees herself putting her vision on the facts.

Seeing the debate, and remembering the films of Meirelles O Fiel Jardineiro (2005) and Cidade de Deus (2002), I see that the debaters (in tv program) know little about his work and are fixated on their own polarized opinions about the film, I also highlight the little trendy but excellent film “Essay on blindness” (2008) that would fit very well for what happens in Brazilian culture.

Both Petra’s documentary and Meirelles’ film have emotion, good images and photography, in short they are good, but most will stay with the polarization and not with the dialogue that art seeks.[:]

 

[:pt]Ganhadores do Globo de Ouro[:en]Golden Globe Winners[:]

07 jan

[:pt]O destaque é o vencedor de melhor ator Brad Pitt em Era uma vez em Hllywood, que tinha duas justas indicações Anthony Hopkins em Dois Papas e Al Pacino em O Irlandês, melhor atriz foi para Awkwafina (A Despedida) que tinha a indicação de Emma Thompson (Late Night), os prêmios podem inverter no Oscar, embora o Globo de Ouro seja sempre considerado uma prévia.

Melhor filme dramático foi para 1917, que ganhou melhor diretor também Sam Mendes,

onde concorriam O Irlandês, Coringa e Dois Papas, não assisti o vencedor, mas havia postado que esperava uma surpresa, que aconteceu, melhor filme cômico ou musical foi para Era uma vez em Hollywood, que assim merece ser visto pois ganhou também melhor roteiro.

Coringa ganhou um prêmio de consolação com melhor trilha sonora, não vi o filme em protesto pelo elogio a violência e uma tentativa de justificar a maldade humana, em tempos de autocratas e perigos de guerra, considero impróprio para todas idades.

O Globo de Ouro traz uma inúmera lista de premiados, melhor atriz em séries foi para Phoebe Waller-Bridge, melhor atriz em minissérie Michelle Willaims, Melhor ator em minissérie para Russell Crowe, etc. parece aquelas competições entre crianças que dão medalhas a todos.

Um último destaque é o melhor filme estrangeiro para Parasita, quem assistiu realmente fica impressionado com o filme.[:en]The highlight is the winner of best actor Brad Pitt in Era once in Hllywood, who had two fair Anthony Hopkins nominations in Two Popes and Al Pacino in The Irishman, best actress went to Awkwafina (The Farewell) who had the nomination of Emma Thompson (Late Night) , the awards can reverse at the Oscars, although the Golden Globe is always considered a preview.
Best dramatic film was for 1917, which won best director also Sam Mendes,
where the Irishman, Joker and Two Popes competed, I didn’t watch the winner, but i had posted that I expected a surprise, which happened, best comic or musical film went to Once time in Hollywood, which deserves to be seen because it also won best screenplay.
Joker won a consolation award with the best soundtrack, i didn’t see the film protesting the praise of violence and an attempt to justify human wickedness in times of autocrats and dangers of war I consider inappropriate for all ages.
The Golden Globe sits an numerous list of award-winning, best actress in series went to Phoebe Waller-Bridge, best actress in miniseries Michelle Willaims, Best actor in a miniseries for Russell Crowe, etc. appear those competitions between children who give medals to All.
One last highlight is the best foreign film for Parasite, those who watched really are impressed with the film.[:]

 

[:pt]Diálogo Ausente[:en]Missing Dialogue[:]

22 out

[:pt]Faltaram diálogos, sobraram abismos, e nem sempre fomos bem esclarecidos, não há clareiras, mas abismos, poucas pontes seguras e muito desamor e descrédito.

A escritora brasileira Elisa Lucinda diz: “minha literatura é cheia desse assunto de injustiça do mundo, o amor como grande antídoto é um dos meus temas preferidos” (entrevista Diálogos Ausentes, Itaú Cultural, 2017).

Escreveu sobre Fernando Pessoa: “O cavaleiro de Nada”, junto com Rubem Alves: “A Poesia do Encontro”, sobre sua plenitude em “Vozes guardadas”, são os que conheço, mas há outros na minha pilha para quando os afazeres obrigatórios me deixarem espaço para os prazeirosos.

Elisa Lucinda é atriz, cantora, jornalista, professora, cantora e poeta, pouco conhecida pela grande mídia, até por gente engajada e consciente, mas é uma “farra de inéditos”, como gosta de se referir aos seus livros, os livros que ela ama e venera.

Faz a defesa mais bela, des-preconceituosa e autêntica dos livros: “As crianças vão à escola e saem sem saber que livro é arte, que o escritor é um artista, sem saber que quando elas amam Harry Potter, Branca de Neve e Dom Quixote no cinema, tudo isso foi livro”.

Em tempo de diálogo ausente é bom lembrar esta brilhante escritora, que escreveu no livro última moda:

“Nos mares doces e nas difíceis águas da vida crua, minha alegria prossegue, continua.

Despida de armas e de medos, sou mais bonita nua” escreveu Elisa.

Se muitos tem medo, se a notícia é dura e crua, não nos calaremos nem temeremos porque arrancaremos do peito o medo e combateremos com os loucos pelas ruas.

Faltam pontes, erguem muros, fecham portas e falam de escuro, quanto a nós continuamos buscando clareiras. [:en]There were no dialogues, there were still abysses, and we were not always clear, there were no clearings, but abysses, few safe bridges, and much lack of love and disrepute.
Brazilian writer Elisa Lucinda says: “My literature is full of this subject of injustice in the world, love as a great antidote is one of my favorite themes” (Interviews Dialogues, Itaú Cultural, 2017).
He wrote about Fernando Pessoa: “The Knight of Nothing”, along with Rubem Alves: “The Poetry of the Encounter”, about its fullness in “Vozes guardadas”, are the ones I know, but there are others in my pile for when the leave space for the pleasant ones.
Elisa Lucinda is an actress, singer, journalist, teacher, singer and poet, little known by the mainstream media, even by committed and conscientious people, but it is an “unprecedented binge”, as she likes to refer to her books, loves and revere.
It makes the most beautiful, unprejudiced and authentic defense of the books: “Children go to school and leave without knowing that book is art, that writer is an artist, unaware that when they love Harry Potter, Snow White and Sun Quixote in the movies, this was all a book. ”
In a time of absent dialogue it is good to remember this brilliant writer, who wrote in the latest fashion book:
“In the sweet seas and in the difficult waters of the raw life, my joy continues, continues.
Stripped of guns and fears, I’m more beautiful naked”, writing Elisa.
If many are afraid, if the news is harsh and unhealthy, we will not be silent or afraid because we will pluck fear out of our hearts and fight the madmen in the streets.
There are no bridges, they erect walls, close doors and talk about darkness, as for us, we keep searching for clearings

 

 [:]

 

[:pt]Revolucionário método para vídeos[:en]Revolutionary method for videos [:]

19 set

[:pt]Os pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon desenvolveram um método que sem a intervenção humana, modificam um conteúdo de um vídeo, de um estilo para outro.

O método é baseado num tratamento de dados conhecido como Recycle-GAN que pode transformar grandes quantidades de vídeo tornando-os úteis para filmes ou documentários.

O novo sistema pode ser usado por exemplo para colorir filmes originalmente em preto-e-branco, alguns já feitos como o que mostramos no vídeo abaixo, mas as técnicas eram dispendiosas e necessitavam de grande esforço humano em horas de trabalho.

O processo surgiu de experiências em realidade virtual, que além das tentativas de criar “mudanças profundas” (alterar objetos ou distorcer conteúdos, podiam aparecer uma pessoa inserida numa imagem, sem que houvesse permissão para isto, nas cenas cotidianas quase sempre acontece isto e muita gente não aceita.

Eu acho que há muitas histórias para serem contadas”, disse Aayush Bansal, um estudante de Ph.D. do Instituto de Robótica da CMU, dizendo de uma produção cinematográfica que foi a principal motivação para ajudar a conceber o método, explicou, permitindo que os filmes fossem produzidos de forma mais rápida e barata, e acrescentou: “é uma ferramenta para o artista que lhes dá um modelo inicial que eles podem melhorar”, conforme o site da CMU.

Mais informações sobre o método e vídeos podem ser encontradas em Recycle-Gan website.[:en]Researchers at Carnegie Mellon University have developed a method that without human intervention modifies a video content from one style to another. The method is based on a data processing known as Recycle-GAN that can transform large amounts of video making them useful for movies or documentaries.

The new system can be used for example to color films originally in black and white, some already made like the one shown in the video below, but the techniques were expensive and needed a lot of human effort during working hours.

The process arose from experiences in virtual reality, which in addition to the attempts to create “deep falsities” (altering objects or distorting contents, could appear a person inserted in an image, without it was allowed, in everyday scenes almost always happens this and much people do not accept.

“I think there are a lot of stories to tell,” said Aayush Bansal, a Ph.D. student at the CMU Robotics Institute, who said of a film production that was the main motivation to help design the method, he said, allowing that the films were produced faster and cheaper, and added: “it is a tool for the artist that gives them an initial model that they can improve,” according to the CMU website.

More information on method and videos can be found at Recycle-Gan website.

 [:]

 

[:pt]Breve história da mentira[:en]Brief history of the lie[:]

11 set

[:pt]Desde sempre as pessoas contam estórias de maneira que sua história parece um pouco melhor do que é, entenda história com h não são aquelas dos livros, mas dos fatos para os quais há artefactos, o que em direito chama-se prova instrumental.

Poder-se-ia ir na antiguidade clássica, onde encontraríamos Diógenes a procurar um homem honesto com uma lanterna, diria hoje um homem verdadeiro. 

Em tempos de partidarismo, que mais parecem torcidas fanáticas de futebol ou algum tipo de crença fundamentalista, a verdade se distorce para todo lado, o fato recente no Brasil da facada do Bolsonaro haviam desde teorias conspiratórias de um crime mal-executado, até quem defendesse que era tudo uma encenação, isto dito por intelectuais … pasmem.

Na história recente encontro o pensador e poeta do Modernismo espanhol António Machado y Ruiz, que escreveu La verdade también se inventa, portanto fake news são mais antigos, o que mudou agora é que intelectuais de pouca notoriedade e gente ignorante mesmo também o pode fazê-lo e com isto ganhar notoriedade mentirosa, mas é de fato notoriedade.

Encontro de Antonio Machado y Ruiz três frases muito interessantes: “Nunca percas o contato com o chão porque só assim terás dimensão uma ideia aproximada de sua estatura”, e “se é bom viver, ainda melhor é sonhar, e o melhor é despertar”, mas devemos despertar sempre e as vezes isto exigem podas, cortes diria, que quanto mais maduro mais profundos.

Lembro-me da frase de Cecília Meirelles: “Aprendi com as primaveras a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira“, lembro também do Poema de Mário de Andrade, O valioso tempo dos Maduros.

No romance O Caminho Menos percorrido, Scott Peck faz uma afirmação para pensar: “Pode parecer menos censurável enganar os ricos do que os pobres, mas não deixa de ser um engano.  Perante a lei, existem diferenças entre cometer uma fraude num negócio, entregar a declaração de rendimentos falsa, usa cábulas num exame ou dizer em casa que se ficou a trabalhar até tarde quando se é infiel. É certo que uns enganos são piores que outros, mas na realidade não passam todos de mentiras e traições”, diria em politica, aos “crentes”.

Lembro mais uma vez Antonio Machado y Ruiz: “É próprio de homens de cabeças medianas investir contra tudo aquilo que não lhes cabe na cabeça”, os que mais se investem contra os outros tem verdade dogmáticas, sabedoria mediana (se as tem) e arrogância aos quilos.

Poderia fazer um longo tratado sobre o círculo hermenêutico e Verdade e Método (vols I e II) de Hans-Georg Gadamer, mas não.

Continuo a investir na educação que não seja a dogmática, nem a pragmática, mas a hermenêutica daqueles que sempre duvidam e sempre estão abertos ao pensamento do Outro.[:en]People always tell stories in a way that their story seems a little better than it is, understand story with h are not those of the books, but the facts for which there are artifacts, which in law is called instrumental proof.
One could go in classical antiquity, where we would find Diogenes to look for an honest man with a flashlight, I would say today In times of partisanship, which seem more fanciful football fanatics or some kind of fundamentalist belief, the truth is distorted everywhere, the recent fact in Brazil of the Bolsonaro stab had from conspiracy theories of a poorly executed crime, to whoever defended that it was all a staging, this said by intellectuals … amazing.
In recent history I find the thinker and poet of the Spanish Modernism António Machado y Ruiz, who wrote La verdad is also invented, so fake news are older, what has changed now is that intellectuals of little notoriety and ignorant people can also do so, and with it to gain a false reputation, but it is in fact notoriety.
Antonio Machado y Ruiz and encounter three very interesting phrases: “Never lose contact with the ground because only then will you have an approximate idea of ​​your height”, and “if it is good to live, it is better to dream, and the best is to wake up” , but we should always wake up and sometimes this requires pruning, cuts would say, that the more mature the deeper.
I remember Cecilia Meirelles’s phrase: “I learned from the primroses to let myself be cut and to return always in full,” I also remember the Poem by Mário de Andrade, The Valuable Time of the Mature.
In the novel The Less Traveled Way, Scott Peck makes a statement to think: “It may seem less objectionable to fool the rich than the poor, but it is a mistake. Under the law, there are differences between committing a fraud in a business, handing over the fake income statement, using scrapbooks on a test, or saying at home that you stayed to work late when you are unfaithful. It is true that some mistakes are worse than others, but in reality they are not all lies and betrayals, “he would say in politics, to” believers.”
I remember once again Antonio Machado y Ruiz: “It is proper for men of medium-sized heads to invest against everything that does not fit in their heads,” those who invest the most against others have dogmatic truth, medium wisdom (if any) and arrogance to pounds.
I continue to invest in education that is neither dogmatic nor pragmatic, but the hermeneutics of the one who always doubts and is always open to the thought of the Other.[:]

 

[:pt]Porque é importante ler Sloterdijk[:en]Why it is important to read Sloterdijk[:]

29 ago

[:pt]Informei no último post que além das esferas de Sloterdijk, li somente as Esferas I que foi publicada em português, que tenho minha própria esfera emprestada de Chardin: a noosfera, e as outras de Sloterdijk tenho comentários do próprio autor e de leitores e interpretes dele.
Um resposta que li recentemente de uma entrevista dele, me deu uma síntese importante de minha proximidade do pensamento dele, ao ser perguntado sobre o que esperava do mundo acadêmico, afirmou em tom cerimonial: “A partir do século 19 (pensemos em Kierkegaard, Schopenhauer ou Nietzsche), o mundo dos filósofos se divide entre aqueles que, como eu, buscam uma aliança com os meios de comunicação de seu tempo (naquela época, a literatura; hoje, a imprensa, o rádio e a televisão), e aqueles que não o fazem, apostando no clássico vínculo entre a universidade e as editoras de livros como seu único biótopo cognitivo”, entre muitas coisas que li, esta é a mais genial.
Não aposto nas Mídias de redes sociais, blogs como este que escrevo a dez anos, por modismo ou afirmação do meu pensamento, mas porque penso que é importante dialogar com o que é hoje mediático, me recusei a algum tempo, por exemplo, ao Twitter que é impulsivo e colérico.
Outro ponto de contato é sua visão da zona de conforto, na mesma entrevista veiculada no caderno Mais+ da Folha de São Paulo de 2003, mas que fortuitamente encontrei num site para reler o que havia me influenciado na época, que me fez logo comprar o livro: Regras para o Parque Humano, publicado pela estação Liberdade na virada do milênio, mas logo parei de ler.
Só retomei anos mais tarde alertado por um aluno para a importância de seu pensamento.
Esse ponto de segurança, portanto não é zona de conforto, explica: “Estamos pensando como o ser humano arquiteta a segurança de sua existência. Como ele vive? Como previne futuras eventualidades e catástrofes? Como se defende? Como se integra em suas culturas, entendidas como comunidades de luta? É uma mudança de paradigma: da filosofia para uma imunologia geral”, isto é, procuramos um “lugar” para estar seguro, há ai uma analítica do lugar, diria na minha análise, em frontal oposição ao pragmatismo niilista e kantiano.
Uma antevisão de Sloterdijk não pode deixar de ser percebida nesta entrevista, ao prever o fascismo nos EUA: “Do ponto de vista da teoria dos meios de comunicação, o fascismo é o monotematismo no poder. Se uma opinião pública se estrutura de tal maneira que a uniformização aumenta demais, temos um sintoma pré-fascista”, há vários pontos do planeta com este sintoma, e é claro, podemos mergulhar numa nova era fascistóide da pré-guerra.
Não há como deixar de ver isto em posições na America Latina, e no Brasil em particular.[:en]I informed in the last post that besides the spheres of Sloterdijk, I have my own sphere, borrowed from Teilhard Chardin: the Noosphere. I read Sloterdijk´s Spheres only I that was published in Portuguese, of the others I have comments of the own author and of his readers and interpreters, 
An answer I read recently from an interview with him gave me an important synthesis of my closeness to his thinking, when asked about what he expected from the academic world, he said ceremonially, “From the 19th century onwards (let’s think of Kierkegaard, Schopenhauer or Nietzsche), the world of philosophers is divided between those who, like me, seek an alliance with the media of their time (at that time, literature, today the press, radio and television), and those who do not do it, betting on the classic link between university and book publishers as their only cognitive biotope, “among many things I read, this is the coolest.
I do not bet on the media of social networks, blogs like the one I write to ten years, by fad or affirmation of my thinking, but because I think it is important to dialogue with what is now media, I refused some time, for example, to Twitter who is impulsive and angry.
Another point of contact is his view of the comfort zone, in the same interview published in the Folha São Paulo 2003 space Mais+, but which I randomly found on a website to re-read what influenced me at the time, which made me soon buy the book : Rules for the Human Park, published by brazilian Estação Liberdade, at the turn of the millennium, but soon stopped reading.
I only came back years later alerted by a student to the importance of his thinking.
This point of security, therefore, is not a zone of comfort, explains: “We are thinking how the human being architect the security of its existence. How does he live? How do you prevent future eventualities and catastrophes? How do you defend yourself? How do you integrate into your cultures, understood as communities of struggle? It is a paradigm shift: from philosophy to a general immunology, “that is, we seek a” place “to be sure, there is an analytic of the place, I would say in my analysis, in direct opposition to nihilistic and Kantian pragmatism.
A preview of Sloterdijk can not fail to be noticed in this interview, when predicting fascism in the USA: “From the point of view of media theory, fascism is monothematism in power. If a public opinion is structured in such a way that uniformity increases too much, we have a pre-fascist symptom, “there are several points on the planet with this symptom, and of course we can plunge into a new pre-war fascist era.
We can not fail to see this in positions in Latin America, and in Brazil in particular.[:]