Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
[:pt]Identificação digital[:en]digital Identification[:es]Intentificación por el radio frenquencia[:] « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para a ‘[:pt]Identificação digital[:en]digital Identification[:es]Intentificación por el radio frenquencia[:]’ Categoria

[:pt]Assistentes pessoais chegam ao consultório[:en]Personal assistants arrive at the office [:]

27 jun

[:pt]Em alguns consultórios médicos já se utilizam o Google Home, Assistant e Translate, além da indispensável Agenda, quem a começa a utilizar não a deixa mais, evita conflitos de horários e avisa esquecimentos, mas a ideia agora é integrar estes ambientes no “Medical Digital Assist”, desenvolvido pelo médico Steven Lin da Universidade de Stanford feito junto ao CNBC.
Segundo o site da CNBC, o projeto esta no grupo de saúde do audacioso projeto Google Brain, parte da divisão da Google em inteligência artificial, tendo como seu “objetivo ambicioso” de implantar testes com pacientes de saúde externos antes do final de 2018.
O objetivo principal, entretanto, é auxiliar os médicos em seus relatórios e prontuários médicos, antes de iniciar os estudos a Escola de Medicina de Stanford fez um levantamento onde verificou que os médicos perdem de 6 a 11 horas de seus trabalhos diários para documentar os históricos clínicos dos pacientes, por isto muitas vezes é mais fácil perguntas, mas as respostas dos pacientes podem ser imprecisas ou ignorar dados relevantes.
O problema da precisão é fundamental, o site da CNBC explica a diferença entre uma interpretação e “hipo” ou “híper” pode ser fatal, hipoglicemia é exatamente o oposto de hipoglicemia, se o médico não verificar isto cuidadosamente, inclusive na interpretação em IA.
A primeira fase deste estudo está prevista como conclusão em agosto, Lin disse que ambas as partes planejam renovar a colaboração para a segunda fase por ao menos por um ano.

Consta-se que a Microsoft e a Amazon também estão desenvolvendo sistemas semelhantes me inteligência artificial, e o foco principal permanece em elaborar os relatórios clínicos.[:en]In some doctors’ offices already use Google Home, Assistant and Translate, in addition to the indispensable Agend, whoever starts using it does not leave it any more, it avoids scheduling conflicts and warns forgetfulness, but the idea now is to integrate these environments into “Medical Digital Assit “, developed by the doctor Steven Lin of Stanford University made next to the CNBC.

According to CNBC site, the project is in the health group of the daring Google Brain project, part of Google’s division in artificial intelligence, having as its “ambitious goal” to deploy external health care trials before the end of 2018.

The main goal, however, is to assist physicians in their reports and medicals records, before beginning the studies the Stanford School of Medicine made a survey where they found that doctors lose 6 to 11 hours of their daily work to document the histories patients’ clinics, so it is often easier questions, but patient responses may be inaccurate or ignore relevant data.

The problem of accuracy is key, the CNBC website explains the difference between an interpretation and “hipo” or “hyper” can be fatal, hypoglycemia is exactly the opposite of hypoglycemia if the doctor does not check this carefully.

The first phase of this study is expected to conclude in August, Lin said both parties plan to renew collaboration for the second phase for at least a year.

Microsoft and Amazon are also reportedly developing systems similar to artificial intelligence, and the main focus remains on developing clinical reports[:]

 

Internet das coisas

27 ago

O termo foi criado no Laboratório Auto-ID do MIT, e pretende recorrer ao novo sistema de identificação por radio-frequência (RFID, em inglês, Radio Frequency IDentification) e sensores de redes Wireless para registrar os bens e recursos das coisas na Web e prepara uma nova revolução tecnológica, mas no momento depende do desenvolvimento de sensores e da nanotecnologia para sua plena implantação.

O sensores com identificação por rádio frequência, por exemplo, poderão substituir sistema confusos de numeração, códigos de barra e demais sistemas de identificação e produtos, será fácil por exemplo, saber o preço, a origem, a data de fabricação, etc. de qualquer produto, é muito provável que nossos smartphones e celulares em breve terão estes sensores.

No aspecto da nanotecnologia, significa que cada objeto poderá aumentar o poder da rede de devolver a informação processada para diferentes pontos e terem capacidade de interagir e conectar, por exemplo, estando numa loja e supermercado, saber o preço do produto por seu RFID e ligação com a loja, informar data de validade e até mesmo o preço em outros lugares.

O Brasil já realizou dois congresos nesta área, o 2o. Congresso da Internet das Coisas que aconteceu em outubro de 2011, em Búzios, RJ.

 

Primeiro homem a ter um virus de computador

05 nov

Mas foi intencional, em um experimento para ver como é simples Leia o resto deste post »

 

Sistema RFID substituirá o código de barras

01 jun

Você já imaginou um sistema de localização de alimentos em prateleiras de Leia o resto deste post »