Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
13 « janeiro « 2012 « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para janeiro 13th, 2012

Conceitos, corporeidade e necessidade

13 jan

Os conceitos partem dos fatos, por mais que abstraídos sempre encontramos resquícios dos fatos, reais ou psíquicos. Quando o ponto de partida é um fato real conserva corporeidade, explica Mario Ferreira dos Santos, mas da um exemplo surpreendente e interessante, amor.

Muitos conceitos ultrapassam o tempo e o espaço, explica o filósofo, e não tendo apoio destes podem apenas ser intuídos. Será assim a intuição que nos mostra que na realidade há fluidez, variação, mensurabilidade, finitude, condicionalidade.

Aqui penetramos no cerne da filosofia de Mario Ferreira dos Santos, pois ele mostra como a razão terá, “em regra geral“, formada por conceitos condicionantes, negativos, e terá dificuldade com absoluto, que define o incondicionado, átomo que significa parte e a alfa que significa não fragmento, o que não tem partes.

Assim, explica o filósofo, nao se deve confundir com conceitos negativos, os conceitos que tem conteudo empirico, como por exemplo: não-eu.

E segue, “não se deve pensar que aqueles conceitos, por conterem negação, sejam vazios de positividade”.

Para ele “há ainda os conceitos necessarios, grande problema da Metafisica: sao as categorias”, e assim Aristóteles, Kant, construiram categorias fundamentais como: quantidade, qualidade, relação, Modalidade, etc.; a tradição chama-a de conceitos universais, mas estao vinculadas a substancia e causa, os escolásticos entendiam que as categorias eram entes fundados na razão, através de abstrações, mas com fundamento nas coisas (cum fundamento in re).