Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
17 « janeiro « 2012 « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para janeiro 17th, 2012

Redes, práticas associativas e um exemplo

17 jan

Após contato com Breno Augusto Fontes, recebi o livro recém-lançado “Redes, Práticas Associativas e Poder  local”, onde ele conceitua apoiado em outros autores que as associações voluntárias são “resultado de uma redes articulada de autores sociais, como afirma Melucci  (1996:116) produzem solidariedade” … e depois desenvolve explicando que elas produzem “estruturações de sociabilidade particulares” e muito ricas.

Alberto Melucci discute em seu livro “Challenge codes: collective actions in the information age” (Cambridge University Press, 1996) como as ações coletivas podem estar em mudança na chamada “idade da informação”, afirmou no seu livro” A Invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas” a importância das diferenças para que a sociedade seja: “capaz de captar o impulso dos movimentos,através dos sistemas políticos de representação e tomada de decisão, pode fazer com que a complexidade e a diferença não sejam violentadas”. Os processos políticos que querem limitar a ação de redes, limitam também o impulso de movimentos sociais justos.

O livro faz um estudo de caso na comunidade Chão de Estrelas de Recife  (com comunidades humildes como a foto ao lado) onde se encontram um número expressivo de organizações comunitárias: “horta comunitária, posto de saúde, grupo de dança, de cultura popular, ecológicos, etc.” e segundo o autor estas organizações “são relativamente bem conhecida de seus moradores”.

A análise da organização em rede desta comunidade, que é o capítulo 1 do livro, é concluída como tendo suas “redes, egocentradas e práticas associativas da comunidade” o que permitiu o trabalho “realizar uma abordagem bastante original dos processos de participação em associações voluntárias” conforme diz com autor com evidentes “lacunas a preencher”.

O exemplo prático é importante porque credencia o livro a discutir o tema proposto além das redes (que nos interessam particularmente), as práticas associativas e os poderes locais.