Warning: Declaration of wp_option::render($field_html, $colspan = false) should be compatible with base_wp_option::render() in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 123

Warning: Declaration of wp_option_text::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 170

Warning: Declaration of wp_option_textarea::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 194

Warning: Declaration of wp_option_choose_category::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 226

Warning: Declaration of wp_option_choose_page::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 240

Warning: Declaration of wp_option_select::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 257

Warning: Declaration of wp_option_file::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 301

Warning: Declaration of wp_option_separator::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/option-fields.php on line 408

Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
julho « 2015 « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para julho, 2015

Dialogia e o diálogo possívelDialogy and the possible dialogue

31 jul

O termo foi tratado por Baktin e Martin Buber, eDialogo portanto, pode ultrapassar barreiras ideológicas ligadas ao primeiro, era um marxista, e religiosas, ligada ao segundo, que era um judeu interessado em questões religiosas, mas fundamentalmente um educador.

Por último podemos lembrar Paulo Freire para quem o diálogo era essencial no processo educativo, e assim verificar que há na natureza humana um caminho possível dentro de contrastes, contraposições e embates. Para explicar esta reliade, Buber percorreu um caminho desvelando o que existe entre um homem e Outro, algo que chamou de zwischenmenschlich (ou o entre os homens ou ainda, o interhumano), nela a verdade assume uma dimensão corpórea e portanto real. Nesta esfera interhumana uma característica essencial é a espontaneidade, e para isto toda aparência ou “dissimulação” seria fatal, no diálogo autentico o Outro se afirma como aquilo que realmente é e se confirma com sua natureza, e este se torna dialógico.

Para Buber o homem atual, está conjugando sua existência no relacionamento unidirecional entre o Eu (egótico) e um objeto manipulável (Isso), contrapôs a isto um EU-TU nome do seu livro e para ele “aquele que vive somente com o Isso não é homem” (Buber, 1977, p. 39), mas Isso pode ser qualquer coisa “ideal” isto é qualquer “Algo”. Para Baktin, o mundo está povoado de vozes de outras pessoas, e estas vozes são as palavras com os sentidos “enunciados”, procuro toda orientação do mundo através de palavras alheias, e este processo de aquisição da fala é que me permitirá a aquisição de todos os tesouros da cultura (Bakhtin, 1979, p. 347).

Assim como Buber, também para ele, o “eu” só existe na medida em que está relacionado a um “tu”, que “ser significa comunicar-se com”, e um “eu” é alguém que se dirige a um “tu”, e o que acontece entre nós, entre o “tu” e o “eu”, é um acontecimento do “ser”, um “aconteSer”, um fato dinâmico aberto que tem caráter de interrogação e de resposta ao mesmo tempo.
~~~~
Bakhtin, M. M. Estética da criação verbal. ( M. E. G. G. Pereira, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1979)
Buber, M. Eu-TU, São Paulo: Cortez e Moraes, 1977.

The term was treated by Baktin and Martin Buber, and therefore can overcome ideological barriers linked to the first, was a Marxist, and religious linked to the second, who was a Jew interested in religious matters, but fundamentally an educator.

Finally we can remember Paulo Freire for whom dialogue was essential in the educational process, and thus verify that there is in human nature a possible way in contrasts, contrasts and clashes.
To explain this reliade, Buber come a way revealing that between a man and another, something called zwischenmenschlich (or among men or the inter-human), it the truth takes on a body and therefore real dimension.

In this sphere interhuman an essential characteristic is spontaneity, and it all looks or “deception” would be fatal in authentic dialogue the Other says as what it really is and is confirmed by their nature, and this becomes dialogical.

Buber for the modern man, is combining its existence in the unidirectional relationship between the Self (self ego) and a manipulable object (this), countered this a US-TU name of your book and for him “who lives only with This is not a man “(Buber, 1977, p. 39), but This can be anything” ideal “that is any” Something. ”

To Baktin, the world is peopled with voices of other people, and these voices are the words with the senses ‘statements’, I try every direction of the world through other people’s words, and this acquisition of speech is allowing me to purchase all the treasures of cultural (Baktin, 1969, p. 347).

As Buber also for him, the “I” exists only insofar as it is related to a “you” that “be means to communicate with,” and “I” is someone who goes to a “thou “and what happens between us, between” you “and” I “, is an event of” being, “a” “eventBeing “, an open dynamic fact that you have to question character and response at the same time.

BAJTÍN, M.M. Estética de la creación verbal [en ruso]. Moscú: Iskusstvo, 1979.

 

Maniqueísmo e ambivalência: o diálogo ausenteManichaean and ambivalence: impossible dialogue

30 jul

A razão pela qual a sociedade moderna aprofunda-se na crise cultural e espiritualMauDialogo, e ela é contemporânea da economia e política e não separada destas, é que ainda estamos na torcida por dois times: o time dos bons, que não sabemos quem é, e o dos maus, que são os “do outro lado”, e no final das contas, quem sofre é a sociedade como um todo.

Maniqueísmo é o nome religioso para isto, e ambivalência o nome político, ambos com seus fundamentos e ortodoxias, ficam combatendo o outro lado, e quem combate ao lado dos homens e mulheres, que perdem direitos, empregos e muitas vezes a própria vida ?

Maniqueu era um filósofo do século III da era cristã, a quem seguiu Agostinho de Hipona até se converter, era dualista religioso sincretista que sua doutrina originava da Pérsia e foi amplamente difundida no Império Romano (III d.C. a IV d.C.), que consistia basicamente em afirmar a existência de um conflito cósmico entre o reino da luz (o Bem) e o das sombras (o Mal).

Este ao afirmar que a matéria e a carne no reino das sombras, e em afirmar que ao homem se impunha o dever de ajudar à vitória do Bem por meio de práticas ascéticas.

A ambivalência é um conceito que no aspecto político, percorre diversos filósofos, mas o seu mais eminente pensador é Zygmunt Bauman, significa a existência simultânea, e com a mesma intensidade, de dois sentimentos ou duas ideias com relação a uma mesma coisa e que se opõem mutuamente.

A dialogia é justamente o oposto a estes dois raciocínios moralistas, é se colocar na pele do outro, tentar sentir o que o Outro sente, filosofia contemporânea que vai nesta direção está Paul Ricoeur, Emmanuel Lévinas e todos o que falam do Outro.


The reason modern society deepens the cultural and spiritual crisis,MauDialogo and it is the contemporary economics and politics and not separate these is that we are still cheering for both teams: the good of the team, we do not know who it is, and of evil, which are the “other side”, and in the end, those who suffer is society as a whole.

Manichaeism is the religious name for it, and the political ambivalence name, both its foundations and orthodoxies, are fighting the other side, and who fight alongside the men and women who lose rights, jobs and often their lives?

Manichaean was a philosopher of the third century of the Christian era, who followed Augustine of Hippo to convert, was dualistic religious syncretistic his doctrine originated in Persia and was widespread in the Roman Empire (AD III to IV AD), which is based on affirm the existence of a cosmic conflict between the kingdom of light (Good) and the shadow (evil).

This to say that matter and flesh in the realm of shadows, and say that the man was imposed a duty to help the Well of victory through ascetic practices.

Ambivalence is a concept already in the political aspect, runs various philosophers, but its most eminent thinker Zygmunt Bauman is, it means the simultaneous existence, and with the same intensity, two feelings or two ideas regarding the same thing and that They oppose each other.

The dialogy is just the opposite to these two moral reasoning, is put on the skin of the other, try to feel what another feels, contemporary philosophy that goes in this direction is Paul Ricoeur, Emmanuel Levinas and all the speaking of the Other.

 

O sol poderá dar uma cochiladaThe sun can take a nap

29 jul

É o que disse a cientista Valentina Zharkova, daOSol Universidade de Northumbria, num Encontro Nacional de Astronomia, em Lladudno, no País de Gales.

A tecnologia moderna nos permite prever com precisão os ciclos solares, e o modelo bastante preciso de Zharkova indica que a atividade solar pode cair pela metade, entre 2030 e 2040.

Durante muito tempo acreditou-se que a atividade solar era devida um sistema de turbinas de fluídos que se movimentavam dentro do Sol, mas Zharkova e sua equipe descobriram que são ondas magnéticas flutuantes em duas camadas do Sol, e estudando os dados destas ondas duplas é que a equipe dela fez previsões muito precisas.

O período em que as manchas solares são raras, são chamadas de mínimo de Maunder, e acredita-se que ele ocorreu pela última vez entre 1645 e 1715, no período foram observadas cerca de 50 manchas solares, enquanto o normal são 40 000. <\p>

A época foi marcada por temperaturas brutalmente frias, que congelaram rios na Europa e na América do Norte, chegando a registrar temperaturas abaixo de -40º.<\p>

Isto poderia causar uma mudança climática no planeta, mas Valentina em uma entrevista ao USA Today, contestou esta ligação e enfatizou que a sua pesquisa jamais tocou na possibilidade de mudanças climáticas, apenas um período mais frio.<\p>

That’s what he told Valentina Zharkova scientistOSol at the University of Northumbria, a National Meeting of Astronomy in Lladudno, Wales. 

Modern technology allows us to accurately predict solar cycles, and enough need Zharkova model indicates that solar output may drop by half between 2030 and 2040. 

For a long time it was believed that solar activity was due to a system of fluid turbines that moved into the sun, but Zharkova and his team found that are fluctuating magnetic waves in two layers of the Sun, and studying the data from these double wave is that her team made very accurate predictions.

The period when sunspots are rare, are Maunder Minimum calls, and it is believed that he was the last time between 1645 and 1715, the period were observed about 50 sunspots, while normal is 40,000. The era was marked by brutally cold temperatures that froze rivers in Europe and North America, reaching record temperatures below -40º (Celsius).

This could cause a global climate change, but Valentina in an interview with USA Today, disputed that link and emphasized that their research has touched on the possibility of climate change, only a cooler period.

 

Uma grande rede que não é digitalBig networking that is not digital

28 jul

Você pode pensar que não há nada mais Maerskcomplexo do que as redes mundiais de computadores, ou mesmo a rede mundial que controla taxas de câmbios, ações e mais uma infinidade de produtos que sobem e descem de preço todo dia, mas isto não é verdade, e alguns diriam que não podemos conseguir construir maiores; há redes muito complexas que você nem imagina por aí.

Uma delas foi indicada na revista The Verge, que são navios que transportam porta-containers por todo o mundo, numa cadeia global de abastecimento que transporta desde comprimidos até telefones, de roupas a comida, brinquedos e lembranças,etc. E é de um país que não produz nada disso, apenas transporta: a Maersk da Dinamarca

. Veja na foto (original da BBC) de um navio da Maersk num mega-porto na Coréia, para isto é necessária uma grande solução de engenharia, sem precedentes a um problema de logística verdadeiramente astronômico que é criar esta rede por todo o mundo, entregar produtos de diferentes procedências, validades e naturezas e fazer que tudo isto funcione.

A empresa tua em 125 países, tem 25.000 empregados, 345 escritórios e mais de 600 navios ativos, com mais de 2 milhões de containers movidos por ano, e ela sozinha é responsável por 20% do PIB da Dinamarca.

You can imagine that there is nothing more complex than a computer network, orMaersk even the global network which controls stock and currency exchange rates, plus a plethora of products that go up and down in price every day, but that’s not true, and some would say that we can’t get to build bigger.

There are very complex networks that you have no idea around. One of them was shown on The Verge, which are ships carrying door-containers all over the world, in a global supply chain that transports from tablets to phones, food clothing, toys and souvenirs, etc. And is a country that does not produce any of this, just carries: Maersk of Denmark.

See in the picture (original BBC) a ship Maersk a mega-port in Korea, for this we need a big engineering solution, unprecedented a logistics problem truly create astronomical this network all over the world, delivering products from different sources, validity and natures and do all this work.

The company your in 125 countries, has 25,000 employees, 345 offices and more than 600 active ships, with more than 2 million containers moved per year, and she alone is responsible for 20% of the GDP of Denmark.

 

Acessibilidade para todosAccessibility for all

27 jul

Quantas facilidades a tecnologia moderna trouxe,Acessibilidade agora imagine passar o dia sem ter como usar seu smartphone, com tela sensível ao toque, ou sem ser capaz de usar o mouse. Você poderia ainda fazer o seu trabalho?

É assim que muitas pessoas com deficiência sentem.

Dificuldades de acessibilidade impedem milhões de pessoas usarem uma tecnologia básica para trabalho e lazer, assim parece uma boa ideia para construir produtos que abordam essas questões, ou seja, fazer produtos funcionais para deficientes já é uma reflexão tardia, afirmam um noticiário do Washington Post, mas quinta-feira empresas anunciaram uma novidade. Várias empresas, entre Yahoo, Facebook, LinkedIn e Dropbox anunciaram quinta-feira que elas vão desenvolver uma linguagem padrão que permita que os usuários saibam que terão novos conhecimentos de acessibilidade para conseguir um emprego. O movimento é parte de um programa maior chamado de “Ensino Acessibilidade“: um esforço conjunto entre os advogados da inabilidade, escolas e indústrias de tecnologia para tornar toda a tecnologia acessível a partir do início.

A iniciativa surgiu de discussões as organizações estavam já com por meio de um fórum de tecnologia criada pela Associação Americana de Pessoas com Deficiência (AAPD), onde os representantes se reúnem regularmente para falar sobre como fazer as questões de acessibilidade mais visível no mundo da tecnologia.

Uma conjunto de procedimentos para descrição do trabalho pode ainda não parecer muito, mas envia um sinal aos candidatos a universidades sobre o conhecimento de questões de acessibilidade é um grande negócio, afirmou ao jornal americano, Henry Claypool, um consultor em questões de deficiência e ex-vice-presidente executivo da AAPD.

How many facilities modern technology has Acessibilidadebrought, imagine now spend the day without using your smartphone with touch screen, or without being able to use the mouse. You could still do his job? That’s how many disabled people feel.

Accessibility Difficulties prevent millions of people to use a basic technology for business and pleasure, so it seems a good idea to build products that address these issues, ie make functional products for the disabled is already an afterthought, say a newscast of the Washington Post, but on thursday many companies announced a novelty.

Several companies, including Yahoo, Facebook, LinkedIn and Dropbox announced Thursday that they will develop a standard language that allows users known that will have new accessibility knowledge to get a job.

The move is part of a larger program called “Accessibility Education“: a joint effort between the disability advocates, schools and industries of the technology to make technology accessible to all from the beginning.

The initiative arose from discussions organizations were already using a technology forum created by the American Association of People with Disabilities (AAPD), where representatives meet regularly to talk about doing the most visible accessibility issues in the technology world .

A set of procedures for job description may still not seem like much, but sends a signal to prospective universities on knowledge of accessibility issues is a big deal, he told American newspaper, Henry Claypool, a consultant on disability issues and former -vice executive president of the AAPD.

 

E o remédio começa a matarAnd the financials drug starts killing

24 jul

BrazilCrisis

Quando um governo pretensamente de esquerda adota medida de direita pode ser duas coisas: desespero ou destempero, talvez no nosso caso seja os dois.   O governo anunciou quarta feira (22/04) a redução da meta fiscal de 1,5% para 0,15 e isto significa que o arrocho (diminuição de salário), desemprego e tarifaços não valeram nada.

  Quando os primeiros efeitos da politica direitista do ministro Levy começaram a fazer efeito, escrevi um post dia 8 de junho que o remédio poderia matar o paciente, e agora começamos a ver sinais de necrose, e significa que pode piorar, e agora ?

Agora o dólar dispara, por que ?   A resposta é simples, dólar alto significa pouca saída de dinheiro, barateamento dos produtos nacionais lá fora, mas significa mais arrocho, produtos caros internamente e dificuldades de viajar para o exterior, mas o pior é a perda de credibilidade.  

A reação foi imediata, o Financial Times diz que o Brasil “parece um filme de terror sem fim”, claro estão preocupados com o dinheiro posto aqui, mas isto significa fim do crédito fácil.

When a left-wing government adopts supposedly right measure can be twoBrazilCrisis things: despair or distemper, perhaps in our case is both. The government announced Wednesday (22/04) reduction of the fiscal target of 1.5% to 0.15 and this means that the crunch (reduced salary), unemployment and maxi-tax cost nothing. When the first effects of right-wing politics of Levy minister began to take effect, I wrote a post June 8 that the drug could kill the patient, and now we begin to see signs of necrosis, and means it can get worse, and now? Now the dollar shoots up, why? The answer is simple, high dollar means little cash outflow, cheapening of domestic products out there, but it means more crunch, expensive products internally and difficulties of traveling abroad, but the worst is the loss of credibility. The reaction was immediate, the Financial Times says that Brazil “seems an endless horror film” of course are concerned about the money put here, but this means the end of easy credit.

 

Tecnofobia e avanços humanos Technophobia and human advances

23 jul

Desde que o homem é homem a tecnologia faz parte da natureza e da vidaNaturezaDigital social humana, assim negar progressos técnicos é também negar uma parte de nosso Ser. 

Tecnofobia é um termo que passou a ser empregado pela tentativa de negar os progressos humanos conseguidos a partir da tecnologia atual, desde ficções como o filme de Frankenstein (o primeiro filme baseado na obra de Mary Shelley, é de Thomas Edison, de 1910) até a obra considerada por muitos fundadora desta mentalidade Brade Runner (de 1982 dirigido por Ridley Scott) até obras recentes como “Dumbest Generation” (Mark Bauerlein, 2008) ou o livro de Nicholas Carr “Geração Superficial” (a tradução brasileira é de 2011). Os livros acima, assim como outros já comentamos neste blog, mas queremos penetrar nas raízes mais profundas desta aversão a tecnologia, que cresceu com os avanços digitais, e a origem é histórica.

Daí existiria uma “cultura material” que representaria a passagem do “natural” para o artificial”, este tipo de passagem é geralmente entendido entre domínios ontológicos diferentes, assim existem fenômenos causais na natureza e estes estão separados e considerados distintos dos fenômenos que regem a vida do homem.  

Eis o antropocentrismo, ou a centralidade do homem como “dominador” da natureza, e a ecologia e os problemas do clima de hoje demonstram o contrário.

A dicotomia Homem/Natureza nos leva a um terceiro aspecto, na compreensão do que são as técnicas, mas também sobre o social e o cultural em geral.

Essa contraposição não é entendida entre elementos, assim Homem e Natureza expressam uma ideia abstrata de totalidades tal é o recurso do idealismo, e por tal razão são podem formar um sistema ontológica, onde o Ser total vive.

NaturezaDigital Since man is man the technology is part of nature and human social life, thus denying technological progress is also to deny a part of our being. Technophobia is a term that has come to be employed by the attempt to deny the human progress made from the current technology, since fictions like Frankenstein film (the first film based on the work of Mary Shelley, is Thomas Edison, 1910) to the work considered by many the founder of this mentality Brade Runner (1982 directed by Ridley Scott) to recent works as “Dumbest Generation” (Mark Bauerlein, 2008) or Nicholas Carr’s book “Surface Generation” (Brazilian translation is 2011) . The above books, as well as others have commented on this blog, but we want to penetrate into the deeper roots of this aversion to technology that grew up with digital advances, and the origin is historical. The philosopher Imnanuel Kant (1724 – 1804) was one of the pioneers of the method that separated beings and objects, in order to eliminate all the study of being, with his Suppere Aude catchphrase (dare to know) actually held a rupture between man and nature in the foreground, and subjects and objects in the background, as if they possessed free will and independent nature of man. Hence there would be a “material culture” would represent the passage of the “natural” for artificial “, this type of passage is generally understood among different ontological domains thus it is causal in nature and these phenomena are considered separate and distinct phenomena which govern the man’s life. Here’s anthropocentrism, or the centrality of man as “domineering” of nature, ecology and climate of today’s problems demonstrate the opposite. The man / nature dichotomy leads us to a third aspect, in understanding what are the techniques, but also on the social and the cultural in general. This contrast is not understood between elements, so Man and Nature express an abstract idea such wholes is the idealism of the resource, and for this reason are ontological can form a system where the total Being lives.

 

9 coisas que pessoas produtivas fazem9 things that people make productive

22 jul

Eu sempre me achei estranho por acordar as 5 horas e me sentir impelido a ler,Dormindo depois escrever este blog e mais tarde caminhar e finalmente rezar, orar ou meditar, como queiram. Descobri na revista de tecnologia TechRunch que o cérebro tem o máximo desempenho 2 a 4 horas depois de acordar, e geralmente depois é bom escrever, como conta no artigo Dan Ariely. Escrever também me parecia uma bobagem, mas vejo que é também o que o autor faz, tirar um cochilo de 1 a 2 horas depois das 13 horas da tarde é a quarta coisa inteligente indicada ali. Como o autor não gosto de comer fora, ele gosta de ler no Kindle, eu não, mas limpar o exterior e o interior parece reduzir o estresse, é verdade, mas jogar coisas foras, faço pouco, com o lixo e algumas coisas que perderam validade, mas não faço sempre. Não há livros sobre coisas atuais, na Web é preciso procurar muito, uma saída, do autor, que as vezes eu faço é alternando ler um jornal, ver um canal matinal e ver a Web. Eu vou a reuniões com os amigos, mas na verdade, é nos almoços que bato os papos e onde surgem os melhores assuntos, as vezes no café ou no jantar na universidade. Saber usar o celular e usar e-mails de 2 a 4 linhas, muito inteligente, isto é o que faço, claro a menos que exija uma conversa mais longa, neste caso o celular.   Por último como diz o artigo, somos uma soma de experiências, saber aproveitá-las tanto como meio educacional, como profissionais, nem sempre é tudo utilitário. Uma boa experiência para mim é: onde eu me encontro com amigos, onde eu aprendo algo novo, onde eu aprendo algo novo que pode aumentar a minha liberdade”, de acordo o resto é experiência de família, como não tenho, fico quase num 9 x 0 … tá bom !!!

I Always found weird for waking up at. 5 o´clock, and feel compelledDormindo to read, then write this blog and later walk (no Always), anf finally play or meditat, whatever. Discovered on TechRunch tecnology magazine, that the brain has the maximum performance 2 to 4 hour after waking up, and usually after its good writing, as in the article of Dan Ariely, incredible I make this. Take a NAP from 1 to 2 hour after 1 pm in the afternoon is the fourth smart thing indicated there. As the author I dont´t like eating out, he likes to read on Kindle, I clean the exterior and the interior appears to reduce the stress, it is true, but throw thing forces do little, with the garbage and some things that have lost validity, but I dont´t Always. The are bo books about currente things on the Web is need to look far, na exit, the author, sometimes I do is alternating read a newspaper, watch a morning News channel and view News in the Web. I go to meeting with frieds, but actually, it´s in the luch I beat the baggies and where the best subjets, sometimes in coffee or dinner at the University. Know how to use the phone and use 2 to 4 lines of e-mails, very clever lines, this is what I do, of course, unless you require a longer conversation, in this case the celll. Finally as the article says, we are a sum of experiences, learn take advantage of them as much as half, as professional, not Always all utility, in article he said “A good experience for me is where I meet with friends, where I learn something new, where learn something new I can increase my freedom”.

 

Momento decisivo para o climaDefining moment for the climate

21 jul

A COP21, conferencia de Pariscop21 para o clima será um momento decisivo para o planeta.

É o que estão convencidos milhares de ativistas e organizações não governamentais que lutam contra o desmatamento, o desrespeito pelos povos da floresta e principalmente a limitação das ações sociais que prejudicam o clima em todo o planeta.

Para muitos cientistas a previsão do efeito a partir de 2020 é de catástrofes, e o acordo de Paris poderá todos dirigir os esforços para contenção das emissões de gases do efeito estufa que têm prejudicado o desequilíbrio climático do planeta.

O desequilíbrio climático do planeta já é observado com que secas, os assustadores níveis de degelo nos polos, as inundações e tempestades torrenciais cada vez mais comuns, além do preocupante aumento do nível dos mares.

O objetivo da ONU, e a Conferencia de Paris pode ratificar, é que para os próximos anos, é limitar a elevação do aquecimento global em até 2ºC, ou seja níveis pré-industriais.

Cientistas dizem que, a continuar pelos níveis de crescimento atuais, o clima terrestre pode entrar em colapso.

A realização da Conferência do Clima será entre 30 de novembro e 11 de dezembro de 2015, com a participação de 50 mil pessoas de 95 nações.

The cop21, conference from Paris to the climate will be a turning cop21point for the planet.

It is what they are convinced thousands of activists and non-governmental organizations fighting against deforestation, the disregard for forest peoples and especially the limitation of social actions that harm the climate around the globe.

For many scientists to predict the effect from 2020 is disaster, and the agreement of Paris can drive all efforts to contain emissions of greenhouse gases that have damaged the climate balance of the planet.

The climatic imbalance of the planet has been observed that drought, the frightening levels of melting at the poles, floods and torrential storms becoming more common, beyond the worrying rise in sea levels.

The UN goal, and the Conference of Paris may uphold, it is that for the next few years is to limit the rise of global warming by up to 2 ° C, ie pre-industrial levels.

Scientists say that, to continue the current growth levels, the Earth’s climate may collapse.

The realization of the Climate Conference will be between November 30 and December 11, 2015, with the participation of 50 thousand people from 95 nations
.
.

 

O clima e mudanças urgentesThe climate and urgent changes

20 jul

A conferência de Paris do final do ano deverá avançar para um novo patamarClimate civilizatório, e muitas forças sociais se mobilizam para isto, estaremos indicando uma sério de reportagens marcantes nos recentes estudos sobre questões climáticas.

Uma reportagem impactante foi a da “Saúde e Mudanças Climáticas: respostas políticas para proteger a saúde pública” feita por um grupo de acadêmicos europeus e chineses que ficaram registradas um relatório de 2009 na revista The Lancet, mostrando os impactos esperados de saúde pública das alterações climáticas (veja o vídeo).

O estudo aponta para as doenças transmitidas por vetores, assim como os desafios de desnutrição, chegando até a afetar a saúde mental. Os autores discutem como que países que estão se afastando de tecnologias de energias intensivas em carbono podem melhorar a saúde pública hoje através da redução de outros tipos de poluição do ar, incluindo material particulado (MP) e óxidos de azoto (NO x).

O núcleo da discussão reside, mais forte reside no uso de tecnologias energéticas que produzem gases de efeito estufa também muitas vezes produzir esses outros poluentes do ar simultaneamente, casos dos veículos à diesel e gasolina, uso de usinas de carvão, biomassa (por exemplo, madeira e carvão) usadas em processos industriais (por exemplo, mineração, fabricação de cimento e fundição) todos produzem tanto dióxido de carbono e material particulado.

O estudo mostra também os valores econômicos, que são algumas vezes os únicos sensíveis a muitos governos e agentes financeiros.

The Paris conference the end of the year should moveClimate towards a new civilization level, and many social forces are mobilized for this, we are indicating a serious striking reports in recent studies on climate issues.

A shocking report was that of Health and Climate Change: Policy responses to protect public health” by a group of European academics and Chinese who were registered to a 2009 report in The Lancet, showing the public health impacts of expected changes climate (see the vídeo).

The study points to the vector-borne diseases, as well as the challenges of malnutrition, reaching to affect mental health.

The authors discuss how that countries are moving away from energy-intensive carbon technologies can improve public health today by reducing other types of air pollution, including particulate matter (PM) and nitrogen oxides (NO x).

The core of the discussion lies, the stronger is the use of energy technologies that produce greenhouse gases also often produce these other air pollutants simultaneously, cases of vehicles with diesel and gasoline, the use of coal plants, biomass (eg, wood and coal) used in industrial processes (e.g., mining, smelting and cement manufacturing) all produce as much carbon dioxide and particulate material.

The study also shows the economic figures, which are sometimes the only sensitive to many governments and financial agents.