RSS
 

Arquivo para fevereiro 6th, 2019

O mistério e o espiritual

06 Fev

Tanto a física quanto a matemática já ultrapassaram não apenas as dimensões ideais: o ponto, a reta, o plano e o cubo, introduzindo as dimensões fracionarias as quais pertencem os fractais, imersos no espaço de Hausdorff, mas também pela adoção da quarta dimensão.
O trabalho pioneiro foi feito por Charles H. Hinton (post) em A New era of Thought (1888), anterior a dimensão quântica de Werner Heisenberg e a descoberta dos Buracos de Minhoca (Worm Holes) na qual já se imaginam viagens intergalácticas como vista no filme de ficção Interestelar (2014), e no filme Contacto (1997, baseado no livro de Carl Sagan).
Hinton após fazer um diálogo com o idealismo Kantiano dirá sobre a natureza sensorial humana: “na percepção instintiva e sensorial do homem e da natureza, tudo é oculto, o que a reflexão traz depois à consciência. Podemos estar conscientes um pouco mais alto do que cada homem individual quando olhamos para os homens. Em alguns, essa consciência atinge um ponto extremo, e se torna uma apreensão religiosa.”, ou seja, admitia o aspecto espiritual (post). 
É nesta dimensão acima do individual que Teilhard Chardin trabalhou sua noosfera, pode haver uma consciência maior quando as pessoas trabalham juntam, isto é, obvio no plano humano, mas não tão obvio no plano espiritual, não significa só estar de acordo, mas admitir uma esfera espiritual, uma noon (espírito) esfera, a noosfera.
Como é possível penetrar nesta dimensão, fazer os homens trabalhar espiritualmente juntos, isto está acima da oração ou meditação espiritual, na qual a pessoa se eleva individualmente e hoje até para o tratamento médico é recomendável, mas uma ação espiritual coletiva.
O interessante é observar que tanto Chardin que pensava numa espécie de consciência cósmica, que lhe valeu um afastamento dos dogmas católicos (ele era padre), mas também o matemático Charles Hinton parece caminhar na direção da quarta dimensão, Salvador Dali também falou disto em seu Manifesto Místico (1951) e em conversas com o matemático Thomas Banchoff.
Assim como o discurso filosófico de Hinton, a antropologia filosófica de Chardin em uma de suas obras seminais “O fenômeno humano” parecem discorrer sobre aspectos de um mesmo tema, uma espiritualidade que leve a uma consciência coletiva maior e a sentir o Universo como corpo e como parte da Noosfera, aproximando o que é substancial do que é espiritual.
A razão que tanto Chardin como Hinton foram descartados no seu tempo é que procuraram penetrar num mistério, que Einstein também penetrou junto ao físico Rosen, os buracos de minhoca são chamados também Ponte de Einstein-Rosen (figura), sendo consistente com a teoria da relatividade.
O que está além do físico, ou o meta-físico nem sempre lhe é contraditório, mas pode ser exatamente a solução de alguns dos mistérios da natureza, 90% do universo é massa ou energia escura, das quais pouco se sabe e as descobertas recentes são enormes, veja a partícula de Higgs (incorretamente chamada de Deus) e os buracos negros com várias descobertas novas.