Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
2021 « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para 2021

O que faremos com a nossa vida?

14 abr

A clareza era que já havia um movimento no qual “tanto as causas antrópicas, humanas, e a desregulagem climática, quanto aos ataques a biodiversidade” (Morin, Viveret, 2013, p. 35) algum descompasso civilizatório já era notado, e o que eles chamam de excesso: “já está presente, tanto na crise ecológica, quanto na face social, financeira ou geopolítica da crise”, e é ela que gera a muito tempo um mal estar, já dizia Freud um “mal estar na civilização”.

Contam os autores, fazendo uma ironia que o Wall Street Journal em breve momento de lucidez escreveu: “Wall Street conhece apenas dois sentimentos, a euforia e o pânico”. (p. 37), dito de outra forma por aqueles que não aplicam em jogos de bolsas de valores, “o caráter sistêmico da crise que atravessamos é, portanto, formado por essa dupla excesso/mal- estar” (p. 40), e a pandemia o que fez foi colocar esta dupla numa espiral descendente.

Não é uma pergunta feita depois da pandemia, mas antes no livro que estamos analisando “Como viver em tempo de crise?” de Edgar Morin e Patrick Viveret, ao reler vejo a clareza que tinham do futuro, embora a pandemia não tenha sido imaginada por ninguém, mesmo aqueles que previam uma guerra biológica ou uma humanidade paralisada, refiro me aqui ao Ensaio sobre a Cegueira de Saramago, e o “O Evento cobra” de Richard Preston.

Este ciclo, mais ainda agora na pandemia, “vai nos obrigar a levantar as questões da sobriedade feliz ou, pelo menos, da articulação entre simplicidade e desenvolvimento na ordem do ser, e não de crescimento da ordem do ter, tratando a questão das causas e não apenas dos sintomas.” (p. 42).

O fim de um ciclo que vivemos tem como ápice “o fim do ciclo histórico da salvação pela economia. Porque as promessas de salvação pela economia não foram cumpridas.” (p. 43), sem a economia estaria onde? os que creem num processo escatológico entendem para onde vamos (a maioria dos religiosos nem sempre observam este ciclo), mas se tratando apenas da vida presente em meio a este turbilhão, “a questão da salvação volta a se apresentar para a humanidade, à medida que se configura a possibilidade de pôr fim prematuramente a sua breve história.” (p. 44).

 

 

Como viver em tempo de Crise?

13 abr

Quando Edgar Morin e Patrick Viveret organizaram este livro não imaginavam que poderiam estar falando de um futuro mais próximo do que imaginavam, imaginavam uma civilização em crise, não que um vírus poderia ser um catalizador que aprofundaria esta crise.

Logo de início mostra que um dos pontos importantes é entender que vivemos em uma ambivalência: “As crises agravam as incertezas, favorecem os questionamentos; podem estimular a busca de novas soluções e também provocar reações patológicas, como a escolha de um bode expiatório. São, portanto, profundamente ambivalentes.” (Morin, Viveret, p. 9).

Mas o que é a ambiguidade? “Ela se traduz pelo fato de que uma realidade, pessoa ou sociedade se apresenta sob o aspecto de duas verdades diferentes ou contrárias, ou então apresenta duas faces, não se sabendo qual é a verdadeira.” (idem), em outras palavras fake-news.

A análise da ambiguidade é bem mais complexa, mas pode ser sintetizada como: “É preciso ter sensibilidade para as contradições: quando chegamos, pelo estudo e pela análise, a duas verdades contraditórias, nosso hábito lógico consiste em mudar de raciocínio para eliminar a contradição. O que ocorre não apenas nos problemas políticos e sociais, mas também na física. É preciso assumir e transcender as contradições.” (pg. 12), e isto significa um ir-além de outros autores também.

Entender a ambiguidade exige um esforço de reconhecer a complexidade dos fenômenos, e na atual pandemia isto também se revelou, diz o livro de Morin e outros: “Ora, uma das tragédias do pensamento atual é que nossas universidades e escolas superiores produzem eminentes especialistas cujo pensamento é muito compartimentado. O economista enxerga apenas a dimensão econômica das coisas, assim como o religioso e o demógrafo nas suas respectivas áreas, e todos encontram dificuldade para entender as relações entre duas dimensões.” (pg. 13).

O livro penetrará em muitos âmbitos das ambivalências de uma crise, mas é preciso antes de uma condição prévio: “se não houver essas múltiplas sensibilidades para a ambiguidade, para a ambivalência (ou a contradição), para a complexidade, será muito pequena a capacidade de entender o sentido dos acontecimentos” (pg. 14).

Antes de entender como viver na crise é preciso uma condição prévia: “se não houver essas múltiplas sensibilidades para a ambiguidade, para a ambivalência (ou a contradição), para a complexidade, será muito pequena a capacidade de entender o sentido dos acontecimentos.” (pg. 14).

MORIN, E., VIVERET, P. Como sobreviver na crise ? . Tradução: Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2013.

 

Eficácia da vacina e avanço da pandemia

12 abr

Em notícia publicada em diversos jornais, destaque para a notícia no Washington Post,

Taxa de vacinação

a China admite a baixa eficácia da vacina Coronavac, porém a cidade de Serrana no Interior paulista vacinou mais de 50% da população, não foram vacinadas crianças e mulheres grávidas, num total de 21450 pessoas e o resultado foi de apenas uma morte para quem recebeu duas doses da vacina e cinco para voluntários que tinham recebido a primeira dose, o teste foi chamado de Projeto S e tem como objetivo justamente verificar a eficácia da vacina, em maio sairá um relatório.

Com os mesmos 90% de ocupação de leitos, o Estado de São Paulo voltará a fase vermelha, mas é preocupante, já em todo país com mais de 26,5 milhões de vacinados (gráfico), 14 estados estão em alta de infecção concentrados em parte do sudeste (SP, RJ, MG, PR), oeste (MT, MS, MT, GO), norte (PI, MA, CE, AM, AP) e no Nordeste PE.

O avanço da pandemia e a agressividade da nova cepa, junto com a lentidão da vacinação continua a provocar muitas mortes mesmo com o Brasil sendo o 5o. país do mundo com maior vacinação, só China, Estados Unidos, Reino Unido e e Índia vacinaram mais que o Brasil em números absolutos, porém considerando a vacinação para 100 habitantes, o Brasil cai para 56o. lugar no ranking, o número pode em diversos canais, incluindo a CNN.

Já globalmente o mundo caminha para a sexta semana em queda do contágio e a terceira semana em queda quanto a mortalidade, espera-se que a tendência se mantenha, os especialistas atribuem às medidas de combate e à sazonalidade, é um período ameno de temperatura, primavera/verão no hemisfério norte e outono no hemisfério sul, mas o inverno virá em dois meses, também preocupa que em alguns países a curva ainda não se reverteu.

A análise da OMS é que falar em “ondas” não faz muito sentido, afirma Daniel Lópes Acuña, ex diretor de emergências da OMS, afirmando que dependem mais das medidas tomadas e agora da eficácia da vacinação. 

Este processo de políticas de contenção da doença, no Brasil desencadeou uma crise política, porém as medidas dos governadores estaduais também revelam contradições e pouca eficácia, exceto para o toque de recolher noturno, o lockdown é feito setorialmente, por exemplo, o estado de São Paulo volta as aulas presenciais dia 14 próximo.

 

Entre o natural e sobre-natural

09 abr

Não é assunto apenas religioso, o pensador e crítico literário Terry Eagleton (Salfold, Reino Unido, 1943) uniu uma não conformidade militante a uma sólida educação católica, com raízes também na crítica literária inglesa de Raymond Wiliams.

Para sintetizar em uma frase, claro toda síntese é reducionista e Eagleton merece ser lido, pode- se citá-lo: “o cristianismo e o marxismo têm um vínculo óbvio em que os dois querem ver os pobres no poder. A diferença é que isto, para a fé cristã, é um assunto escatológico, ou seja, vai além da história, enquanto o marxismo espera vê-lo realizar dentro da história da humanidade”, sim espera porque isto ainda não foi visto, os exemplos são inúmeros, e escatologia é uma visão de inicio e fim, dentro da história.

O simples fato que a comunidade cristã teria morrido não fosse o evento de Pentecostes, aos que não conhecem após a morte (e ressurreição) de Jesus, os discípulos estavam reunidos e veio entre eles o Espírito Santo (Jo 20,19-31), através do sopro que Jesus fez sobre eles.

Sem esta terceira pessoa que une está ligada às outras duas, natural e sobre-natural ficam na dualidade, apenas o natural que é o Jesus Humano (que é Deus também) e o sobre-natural (que é Deus) que ninguém viu, porém é possível senti-lo e isto requer uma presença do Espírito Santo.

A metodologia fenomenológica existe a Noesis (intuição no sentido de ligação ao objeto) porém nela se de fato for bem interpretada ocorre uma meta-nóia pois é oposta a dianóia, o pensar discursivo aquilo que a literatura atual transformou em narrativa, embora nem sempre a seja.

Assim a meta-nóia exige uma transformação interna espiritual, e isto significa mudar o modo de pensar, por isto algumas correntes da filosofia da mente adotam a noesis, porém o sentido correto é hipóstase que significa um pensar parecido ao ver, aquilo que pensamos “vendo” o objeto.

Pode-se dizer então que a filosofia é algo “de dentro para fora”, não é apenas contextual no sentido que o meio limita e forma o pensamento, ainda que exista a noema: o aspecto objetivo da experiência vivida, que dá consistência ao que é elaborado a partir dos sentidos.

O que une ambos é o pensar, o elaborar na mente a meta-nóia que exige mudar alguma coisa no pensamento e isto só é possível do epoché, recuperado do grego, o sentido husserliano do abrir- se ao novo, sem este novo não há metanóia, há apenas dianóia, discurso e narrativa.

 

O homem na natureza e o sobrenatural

08 abr

Entre o mistério e o conhecido, entre o humano e o sobrenatural, há mais coisas entre o céu e a terra do que pensam a nossa vã filosofia e nossa humana teologia, ambas precisam de uma mão “extra”.

Precisamos para caminhar em frente de acreditar em algo, ou em alguém que é muito mais palpável ao humano, mas esquecemos como diz Morin, como diz Heidegger e até o crítico literário que nos deixou: é preciso saber o que é Ser.

Morin reclama do humano que não sabe mais do próprio humano, a Pandemia tem mostrado isto com inúmeros exemplos em todo lado, gente que não se compadece dos que morrem todo dia, gente que quer atribuir a culpa do vírus a esta ou aquela pessoa, e pessoas com comportamento como se não estivéssemos numa pandemia, em todos âmbitos faltam humanismo do respeito ao ser humano primeiro e a sua vida como consequência.

Na visão de Heidegger expressa em seu clássico “Ser e Tempo”, o homem é o ser-no-mundo, ou seja, um ser-em-situação-temporal, mas não preso a ela e está sempre aberto para tornar-se algo novo, assim poderíamos pensar o que será o novo no pós-pandemia, isto dará um traço existencial ao que significa ser preso ao tempo.

Porém estava aberto ao novo, isto depende de uma visão de mundo (weltanschauung ou cosmovisão), nela se prende sempre uma visão do mistério da vida, do universo e do que pode existir além dele o sobre-natural, porque o nosso conceito de natureza é incompleto.

Se viemos do barro, ou se a própria vida surgiu de pequenas reações orgânicas do inorgânico (o conceito de mutação aórgica), significa também que nesta origem há mistério e uma série de hipóteses são válidas, porém algo “novo” já aconteceu no passado que deu origem a criação da natureza orgânica, dos animais e do homem nesta “natureza”.

A ideia que podemos objetivar a natureza (supondo que nela nada é sobrenatural) era na visão de Teilhard Chardin a necessidade de entender o homem como algo “complexo” da natureza, que possui consciência dela, porém a objetivação das ciências atuais que procura vê-la só “do lado de fora”, foi citado por Ways (apud Chisholm, 1974) como uma forma arrogante e insensível de lidar com o mundo material, há sempre algo do Ser nela.

O trabalho sobre Ecologia de Chisholm destaca o papel que a não compreensão da natureza como um todo pode ter na sua degradação e o surgimento de anomalias, escreveu (Chrisholm, 1974): “uma vez que o método e a ideologia dependiam do fracionamento dos fenômenos naturais em parcelas controláveis, em teorias e experiências antes de passar ao problema seguinte, o homem foi perdendo o sentido da vida como uma grande teia que é a que a Ecologia ensina” (Chisholm,1974), assim também o homem e a natureza operam como uma rede, uma “teia ecológica”.

Também há a ligação inversa do sobrenatural com o natural, é curiosa a passagem Bíblica que Jesus depois de ressuscitado aparece aos apóstolos, mostra os pés e as mãos que foram perfurados e quer comer um peixe (Lc 24, 41-42): “Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado.”

Assim no sobrenatural também a relação com o natural não se perde, embora na visão bíblica este “noutro plano”.

CHISHOLM, A. Ecologia: uma estratégia para a sobrevivência. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.
 

Faleceu Alfredo Bosi

07 abr

Nasci na mesma data de Alfredo Bosi, mas não no mesmo ano, ele nasceu em 26 de agosto de 1936, eu sou mais novo, foi um grande crítico literário e antecipou algumas questões, como a crítica ao eurocentrismo, e revisitou o modernismo, separando-o por exemplo, do Macunaíma de Mário de Andrade, Bosi faleceu de Covid hoje (7/4).

Ao rever Macunaíma, onde há uma “narrativa mitológica” e de fato, Macunaíma é “a multiplicidade do ser, é a fratura insanável do ´eu sou trezentos´, é enfim a instabilidade comum ao poeta e ao heroi que tem por efeito a renuncia aos modos-de-existir passados e recentes”. (BOSI, Céu, inferno, Ática, p. 206).

Descreve com maior fidelidade a intencionalidade de Mário de Andrade, ao ressaltar que Macunaíma perde a proteção de Ci Mãe do Mato e a de Vei do Sol, amulhera-se com uma portuguesa, mas nem por isso adquire identidade fixa, branca e ‘civilizada’. O seu destino, aliás, vem a ser precisamente este: não assumir nenhuma identidade constante” (BOSI, Céu, Inferno, 1988, p. 206).

Também é diferenciada e interessante a sua definição de cultura, que está no livro “Dialética da Colonização” (Bosi, Cia. das Letras, 1992), que é definida como “colo”, onde é “particípio passado é cultus e o participio futuro é culturus” (Bosi, 1992, p. 11), e também colo significou no latim “eu moro, eu ocupo a terra, e por exemplo, eu trabalho, eu cultivo o campo” (idem).

Segue afirmando que o contrário de colo é incola, “o habitante, outro é inquilinus, aquele que reside em terra alheia” (ibidem), por ultimo vai derivar daí a ideia de colonização, onde “colonus é o que cultiva uma propriedade rural em vez do seu dono, o seu feitor no sentido técnico e legal da palavra” (BOSI, 1992, p. 11).

Deixa um legado imenso que ajuda a diferenciar brasilidade de falso patriotismo ou de apologia simbólica ao “colo”.

 

O site está em manutenção

06 abr

Não estranhe o formato, decidimos manter o site no ar mesmo em período de manutenção, em breve estará num formato estável. 

 

Educação e Complexidade

06 abr

Dizer de maneira simples o que ele defende, toda síntese é um reducionista, mas poder-se-ia pensar numa mudança de paradigma onde no ensino as pessoas serão “capazes de compreender e enfrentar os problemas fundamentais da humanidade, cada vez mais complexos e globais”, a pandemia com certeza é um claro problema deste tipo.

O modelo atual leva a “negligenciar a formação integral e não prepara os alunos para mais tarde enfrentaram o imprevisto e a mudança”, novamente um exemplo aplicável a pandemia não nos adaptamos ao novo normal, porém a raiz de todo problema para o filósofo-educador Morin é que “o conhecimento está desintegrado em fragmentos disjuntos no interior das disciplinas, que não estão interligadas entre si e entre as quais não existe diálogo”, daí a dificuldade de se promover diálogo entre “especialistas” cuja visão é fixa e há uma “hiperespecialização”.

Quando Edgar Morin começou a escrever seu método, já era claro para muitos educadores que um novo modelo de educação deveria emergir, a Pandemia com uso de recursos online e também formas criativas de motivar e prender a atenção de alunos (na internet não se deve usar períodos longo, são cansativos e as pessoas saem) mostra bem isto.

O autor de “Cabeça bem-feita” e “Os sete saberes para a Educação do Futuro, Educar para a Era Planetária” lamenta, igualmente a “condição humana está totalmente ausente” no ensino: “Perguntas como o ´o que significa ser humano’ não são ensinadas”, de modo mais profundo e análogo Heidegger detectou uma ausência na filosofia da questão do Ser, claro que havia na filosofia antiga e no período medieval (a ontologia de Tomás de Aquino por exemplo), porém o Dasein de Heidegger, esse “ser-aí” ainda hoje, ligo e relido é mal compreendido.

Poderia ser perguntado o que é esse “ser” agora durante a Pandemia, algumas respostas são possíveis, mas inacabadas.

 

[:pt]Vacinação e perigos a frente[:en]Vaccination and dangers ahead[:]

05 abr

[:pt]Os dados oficiais do site On Data in World indicam uma vacinação total no Brasil de 10,2 milhões de pessoas até 3 dias atrás, enquanto a média mundial fica no patamar de 6,5% e em países como França, Itália e Alemanha estão no inexplicável índice próximo a 11% (até a OMS reclamou).

Somente Israel perto dos 60% e Reino Unido próximo aos 50% tem índices aceitáveis, na América Latina somente o Chile chegou aos 30% e o Uruguai aos 20% mas deve-se observar que tem populações bem menores Chile 18 milhões (menor que a cidade de São Paulo), e Uruguai 3,5 milhões (pouco maior que Belo Horizonte se contando as cidades Betim, Contagem que são vizinhas),  o Brasil está próximo aos 10% contando a primeira dose conforme dados do mesmo site (on Data in World na imagem).

Dois perigos ameaçam fortemente os índices de contaminação: a nova cepa que se propaga mais rapidamente e o frio que deve chegar em breve, segundo os especialistas do Butantã não é possível acelerar o processo de produção de vacinas, mas já a FioCruz do Rio de Janeiro promete entregar 1 milhão de doses diárias, chegaria ao final de abril com 40 milhões de vacinados ao menos com a primeira dose (isto daria próximo ao 20% da população), e torcer para que o frio retarde, sem contar as remessas que virão do exterior e do próprio Butantã.

Felizmente o tempo tem estado quente, apesar de frentes frias ameaçando no sul, a expectativa para os próximos 15 dias (até o dia 20 de abril portanto), é de permanecer quente. apesar de chuvoso, porém não há dados corretos do tempo, as previsões nem sempre estão certas.

Espera-se que uma vacinação consiga frear o aumento sucessivo de infecções, batemos vários recordes de infecção e mortes, e a agressividade da nova cepa atua neste dois aspectos.

Um medicamento inovador é anunciado no mercado, e protocolou no último dia 30 de março o pedido na Anvisa, é uma combinação de anticorpos monoclonais bamlanivimabe e etesevimabe que foi desenvolvido pela farmacêutica Eli Lilly, e pode auxiliar em casos leves e pessoas que tenham problemas respiratórios, é o primeiro medicamento realmente válido na prevenção e nos casos leves que tenham comorbidades respiratórias, pode chegar em 30 dias ao mercado.

Este medicamento tem um trunfo poderoso, pois já tem a liberação da Food and Drug Administration (FDA) a reguladora de medicamentos nos EUA, enfim é preciso pensar em soluções criativas e não se pode descartar as medidas preventivas, claro que sejam realmente válidas.

Segue a versão em inglês (o site está em manutenção.

 [:en]Official data from the On Data in World (in graphic) website indicate a total vaccination in Brazil of 10.2 million people up to 3 days ago, while the world average is at the level of 6.5% and in countries like France, Italy and Germany they are inexplicable. rate close to 11% (even the WHO complained).

Only Israel close to 60% and the United Kingdom close to 50% have acceptable rates, in Latin America only Chile reached 30% and Uruguay to 20%, but it should be noted that Chile has a much smaller population of 18 million (less than the city ​​of São Paulo), and Uruguay 3.5 million (slightly larger than Belo Horizonte if counting the cities Betim, Contagem that are neighboring), Brazil is close to 10% counting the first dose according to data from the same site (on Data in World ).

Two dangers strongly threaten the contamination rates: the new strain that spreads more quickly and the cold that should arrive soon, according to experts from Butantã in Sao Paulo, it is not possible to speed up the vaccine production process, but on the other hand, FioCruz in Rio de Janeiro promises to deliver 1 million daily doses, would arrive at the end of April with at least 40 million vaccinated with the first dose (this would be close to 20% of the population), and hope that the cold will delay, not counting the shipments that will come from the abroad and Butantã itself.

Fortunately the weather has been hot, despite cold fronts threatening in the south, the expectation for the next 15 days (until April 20, therefore), is to stay warm. although it is rainy, but there is no correct weather data, the forecasts are not always right.

It is hoped that a vaccination will be able to stop the successive increase of infections, we have broken several records of infection and deaths, and the aggressiveness of the new strain acts in these two aspects.

An innovative drug is announced on the market, and filed the order on Anvisa on March 30, it is a combination of monoclonal antibodies bamlanivimab and etesevimab that was developed by the pharmaceutical company Eli Lilly, and can help in mild cases and people who have respiratory problems , is the first drug really valid in prevention and in mild cases that have respiratory comorbidities, it can reach the market in 30 days.

This medicine has a powerful asset, since it has already been released by the Food and Drug Administration (FDA), the drug regulator in the USA, in short it is necessary to think of creative solutions and preventive measures cannot be ruled out, of course they are really valid.[:]

 

[:pt]Estivemos fora para atualizações[:en]Its out for update[:]

04 abr

[:pt]Feliz Páscoa!!!

O site esteve fora para atualizar o software.[:en]Happy easter!!!

We’ve been out to update the software.

[:]