Warning: Declaration of wp_option_choose_color_scheme::render() should be compatible with wp_option::render($field_html, $colspan = false) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/themes/chocotheme/lib/theme-options/choose-color-scheme.php on line 39

Warning: Use of undefined constant wp_cumulus_widget - assumed 'wp_cumulus_widget' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/marcosmucheroni/www/blog/wp-content/plugins/wp-cumulus/wp-cumulus.php on line 375
13 « janeiro « 2021 « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura
RSS
 

Arquivo para janeiro 13th, 2021

[:pt]Deserto, existência e sonhar[:en]Desert, existence and dreaming [:]

13 jan

[:pt]A existência já apontamos em outros posts depende de viver o instante que passa, época de mudanças implicam em conhecer e saber que há momentos de deserto em que a própria existência parece em cheque é preciso neste momento não parar de sonhar, um futuro que virá.
O que buscamos ou o que encontramos no deserto é a compreensão do que desenvolvemos esta semana na angústia, não a que leva a frustação, mas justo sem oposto, no conceito desenvolvido apontamos não viver de sentidos emprestados do cotidiano, olhá-lo como oportunidade.
O segundo sentimento de deserto, é aquele que o filósofo Kierkegaard apontou como repetição, a sensação de que tudo parou e não há nada além do deserto, a existência parou e pode até parecer que ela se findou, há uma outra repetição que mira no essencial que é rapaz de ir além.
Ela que lida com a frustração e que nos faz continuar a sonhando, mas afirmamos não são os prazeres, a fortuna (aqui no sentido financeiro) e nem mesmo o deixar acontecer e deixar o mundo como ele é que se encontram sonhos mesmo num deserto.
Justamente porque é mudança de época, valores e sentimentos estão em ebulição, que podemos encontrar novos sonhos, realizáveis é claro, mas as vezes mesmo loucos podem ser realizáveis.
O que separa um do outro não é a profundidade de um sonho, mas a perenidade do que se busca, se buscamos só os prazeres, o poder ou a preponderância sobre o Outro, não são sonhos, são no fundo evasivas dos verdadeiros sonhos, não são generosos com toda a humanidade.
Porém o que mais se busca são estes sonhos transitórios, e a frustração segue a eles quase inevitavelmente, claro alguns ficarão ricos, terão êxtases de prezares, porem a custo alto.
É como a passagem bíblica, ao receber os discípulos de João Batista, que vivia no deserto, disse as multidões que o seguiam (Mt 11,7-9): “O que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? O que fostes ver? Um homem vestido com roupas finas? Mas os que vestem roupas finas estão nos palácios dos reis. Então, o que fostes ver? Um profeta?”, uma profecia é também um sonho.
É preciso a angústia filosófica para sonhar, entrar num círculo virtuoso de um sonho realizável.[:en]Existence already (pointed in others posts) depends on living the instant that passes, time of change imply to know and know that there are moments of desert in which existence itself seems in check at this moment must not stop dreaming, a future to come.
What we seek or what we find in the desert is the understanding of what we have developed this week in anguish, not the one that leads to frustration, but just without opposite, in the developed concept we aim not to live on borrowed meanings, to look at it as an opportunity.
The second feeling of desert is that which philosopher Kierkegaard has pointed to as repetition, the feeling that everything has stopped and there is nothing but the desert, existence has stopped and it may even seem that it has ended, there is another repetition that aims in the essentials. that is boy to go beyond.
She deals with frustration and keeps us dreaming, but we affirm it is not the pleasures, the fortune (here in the financial sense) and not even letting it happen and leaving the world as it is that dreams are found even in a desert.
Precisely because it is changing times, values and feelings are boiling, that we can find new dreams, achievable of course, but sometimes even crazy can be achievable.
What separates one from the other is not the depth of a dream, but the perpetuity of what one seeks, if we seek only the pleasures, the power or the preponderance over the Other, they are not dreams, they are at the very least evasive of true dreams, not they are generous to all mankind.
But what is most sought after is these transient dreams, and frustration follows them almost inevitably, of course some will get rich, will have ecstasies of value, but at a high cost.
It is like the biblical passage, when receiving the disciples of John the Baptist who lived in the desert, said the multitudes who followed him (Mt 11: 7-9): “What were you to see in the desert? A reed shaken with the wind? What did you see? A man dressed in fine clothes? But those who wear fine clothes are in the palaces of kings. 9So what were you to see? A prophet? ”, a prophecy is also a dream.

It takes philosophical anguish to dream, to enter a virtuous circle of a dream come true.[:]