RSS
 

O que é a paz ?

29 Abr

A UNESCO instituiu uma cátedra sobreOntoEtica Filosofia para a Paz, isto porque talvez o mais difícil de mudança seja a mudança de uma cultura bélica, e tivemos duas grandes guerras no auge da “modernidade” o que revela sua evidente crise, é preciso mudar a raiz do pensamento sobre a paz.

 

Na cátedra, escreve o professor Guzmán (2005):  “Como seres humanos, temos competências para organizar as nossas relações, fazendo uso da guerra e de qualquer outro tipo de violência estrutural, cultural ou simbólica, que suponha a marginalização, exclusão e morte de uns seres humanos por outros e a degradação do ambiente.” Enfatizando um tema que atinge toda a raça humana e talvez este possa ser um bom ponto de partida.

 

Mas também é certo que temos competências para organizar as nossas relações de forma pacífica: exprimindo ternura ou carinho nas relações interpessoais ou criando instituições de governança locais, estatais ou globais que promovam relações humanas baseadas na justiça e nas relações com a natureza baseadas na sustentabilidade. Neste contexto, o desafio filosófico dos estudos para a paz é a reconstrução normativa das nossas competências para fazer as pazes.

 

Defendemos que um ponto importante para a paz é considerar o conjunto das raças e nações, nelas estão imersas todas as culturas e também aí devemos ter como ponto intermediário (o ponto de partida é todos povos) a questão das sociedades originárias.

 

Defendemos como sociedades originárias, aquelas que tem uma raiz fundamental que estabelece que tipo de cultura dela emerge e quais as consequências sociais e éticas que esta cultura terá, nela está imerso o “ser” e é este que desejamos contemplar para a paz, não o indivíduo abstrato, apenas das “leis”, o ser concreto.

 

Traçamos assim uma nova emergência para um mundo “mundializado” a necessidade de uma onto-ética que nela contemple toda o ser presente em diversas culturas e daí se possa traçar um modelo ético e ontológico que respeite este ser de cada cultura em contato com outras culturas.

Guzmán, Vicent M. Podemos hacer las paces. Reflexiones éticas tras el 11-S y el 11-M. Bilbao: Desclée de Brouwer,  2005.

 
  1. A Ontoética ideal e a atual « Blog Marcos L. Mucheroni Filosofia, Noosfera e cibercultura

    16 16UTC maio 16UTC 2016 at 04:51 04Mon, 16 May 2016 04:51:19 +000019.

    […] escrevemos sobre a relação entre a ontoética e a paz, mas fora da autoconsciência, ela é a consciência do outro, dita por Emmanuel Lévinas na sua […]