RSS
 

Posts Tagged ‘pandemia’

The possible, but difficult “clearing”

18 May

The concealment of knowledge also hides a concealment of knowledge, without any kind of clairvoyance, access to knowledge becomes attached to mental, logical or ideo-logical schemes that in turn are attached to contemporary thought.

The way Heidegger saw the clearing, it was difficult to assess even for his closest students like Hanna Arendt and Husserl, just to name big names, but in his school of thought many still remain stuck in idealism.

The central problem of idealism, for Heidegger, is that through the a priori categories of understanding, all the properties of objects are determined (as if it were only “logical” to know them) and so beings cannot manifest they are pure essence of what are, out of the “logical”.

Thus, between fundamentalist occultism, clearly problematic, and Western “scientific” thinking, as said by Heidegger “established itself as the only measure of man’s habitation in the world”, said in his text The end of philosophy and the task of thought.

In his text Plato’s doctrine of truth, he begins by translating Eidos (the Idea as it was badly translated) as an aspect, which is not an entity in its mere appearance, as it is immediately perceived by the senses, before showing the being appears and can be captured by the intellect (Heidegger, 2007, p. 3).

The other question pointed out by Heidegger is about the explicit translation of “alethéia” by unveiling and that cannot be identified with “truth”, “the question of unveiling as such, is not the question of truth… we should not translate alethéia by the current word truth ”(Heidegger, 1972, p. 36), and thus“ the statement of an essential transformation of truth is also not sustainable, that is, [Plato’s] transition from unveiling to rectitude ”(Heidegger, 1972).

What this implies is not clearly obvious, but it is the clearing itself (in the middle of the forest), that is, clarity, it is only possible in a space of previous opening, something that appears, a “presentation”.

Said explicitly by Heidegger himself: “The ray of light does not first produce the clearing, the opening, it just travels through it. [It] can only shine if the opening is already guaranteed “, so it is an event in time, and perhaps this time of concealment of the Pandemic precedes a” clearing “.

Heidegger, M.  O fim da filosofia e a tarefa do pensamento. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1972.

________. La doctrina de Platón acerca de la verdad. Eikasia, Revista de Filosofía, v. 12, extraor- dinario I, 2007.

.

O problema central do idealismo, para Heidegger, é que mediante as categorias a priori do entendimento, determina-se todas as propriedades dos objetos (como se fosse só “lógico” o conhecer) e assim os seres não podem manifestar são essência pura do que são, fora do “lógico”.

Assim entre o ocultismo fundamentalista, claramente problemático, e o pensamento “científico” ocidental, como dito por Heidegger “se estabeleceu como única medida da habitação do homem no mundo”, dito em seu texto O fim da filosofia e a tarefa do pensamento.

Em seu texto A doutrina da verdade em Platão, ele começa traduzindo Eidos (a Ideia como foi má traduzida) como aspecto, que não é um ente em sua mera aparência, como é percebida de forma imediata pelos sentidos, antes de se mostrar o ente aparece e pode ser captado pelo intelecto (Heidegger, 2007, p. 3).

A outra questão apontada por Heidegger é sobre a tradução explícita de “alethéia” por desvelamento e que não pode ser identificada com “verdade”, “a questão do desvelamento como tal, não é a questão da verdade … não devemos traduzir alethéia pela palavra corrente verdade” (Heidegger, 1972, p. 36), e assim “também não é sustentável a afirmativa de uma transformação essencial da verdade, isto é, a passagem [de Platão] do desvelamento para retitude” (Heidegger, 1972).

O que isto implica não é claramente obvio, mas é a própria clareira (no meio da floresta), ou seja, claridade, só é possível em um espaço de abertura prévia, algo que aparece, uma “presentação”.

Dito explicitamente pelo próprio Heidegger: “O raio de luz não produz primeiramente a clareira, a abertura, apenas percorre-a. [Ele] só pode brilhar se a abertura já é garantida”, assim é um evento no tempo, e talvez quiçá este tempo de ocultamento da Pandemia anteceda a uma “clareira”.

Será preciso “Mudar de via” afirma Edgar Morin em seu último livro, a humanidade mudará ?

 

Heidegger, M.  O fim da filosofia e a tarefa do pensamento. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1972.

________. La doctrina de Platón acerca de la verdad. Eikasia, Revista de Filosofía, v. 12, extraor- dinario I, 2007.

 

 

Pandemic´s time of the planet

17 May

The data observed by the Opera Mundi website, there you can see the pandemic numbers all over the world, show that in the pandemic cycles, despite the vaccination that according to the website reached 1.5 billion doses administered on Sunday night (if the world population is around 7.5 billion people) this means 20% of vaccination worldwide, of course it varies in many regions.

India for example, which is the worst case of Pandemic at the moment, is the third most vaccinated with more than 179 million doses, but has a population of almost 1.4 billion people and this gives 7% only vaccinated, well below the world average (above) of 20%. The number of deaths falls, but the number of infections grows.

Brazil with approximately 37 billion vaccines for at least the first dose (the number of more than 50 billion vaccines is added to the first with the second dose, which counts those who took the 2nd dose twice) also means a number below average, with a population of more than 200 million inhabitants (211 in the last estimate), this is 20%, which means on average, but the seriousness of the Pandemic still requires greater efforts.

The purchase of 100 million doses of Pfizer could make us optimistic, if it weren’t for October, and the value of 6.6 billion reais means this means 66 reais per dose, something around 10 euros or 9 pounds sterling in exchange current, expensive price and the vaccine requires special logistics because it must be kept at low temperature (dry ice, refrigerated transport, refrigerators, etc.).

All of this could make us optimistic, but the reality is not quite this, it is observed that even in countries where there was a sharp drop (England and Portugal for example) you cannot let your guard down because the world is a global village and even with few flights people circulate, and a case of infection, and there are new strains of the virus, can trigger the whole process again.

It is time for the planet, we can and we must take a planetary attitude, we have not yet done so, and even regulators, governments and health agencies still seem to fall short of the measures to be taken, for example, in the case of India and in the creation of protocols for travel, a global plan is required.

There is a fair concern that this is done exclusively by political and non-technical-sanitary criteria, which is a fact, but as politics has not helped, we can help politics with sanitary attitudes, in a current language: public health policy.

The campaign is simple and global: vaccine for everyone, global protocols in relation to types of vaccines, by age, type of comorbidity, equitable distribution (for example, reaching 20% vaccination in all countries as a target for this month), we could think 50% by July that it would be an audacious attempt, but doing the math: there will be the production of 3.5 billion doses by July counting all vaccines (we are already at 1.4 billion) does not seem an impossible number.

Vaccine for everyone !!! aid to poor countries and countries of major pandemic crisis.

 

Between ethics and morals

11 May

The great difference between ethics and morals is in the etymological root of the word, while the first derives from the Greek word êthos, which means “character” in some way but linked to the meaning of the polis with which the Greeks were concerned, the second derives from Latin word moralis, which is in a way also “abode” of Being, which the Greeks reflected, but distinctly.

By unveiling (a word that Heidegger’s phenomenology favors) forgetting Being, it means that its “home”, its Dasein is hidden and forgotten by contemporary philosophy, so what is called morality has become almost synonymous with ethics, but not the It’s.

This field in contemporary philosophy is dedicated to understanding human actions (seeing them as moral actions) and this according to a temporal code may be right or wrong, so there is no timeless definition of morality and it becomes similar to the ethical code , the one defined by a moment in human history.

So morality is constantly changing, and ethics is what is established temporarily by some form of consensus, in general, established by state laws, which are also changeable.

There is therefore no discussion of principles and values ​​that are fundamental, the right to life for example, which should be a fundamental value also becomes questionable, in the case of euthanasia and abortion, even death from some type of homicide can be “cool” and it is not.

Nothing justifies an arbitrary end of human life, all human life must be spared and preserved from temporal values, so also the discussion of death in a pandemic, which has a natural cause, can and must be analyzed in the case of social or personal neglect or negligence. .

The discussion of morals as a set of habits and customs of society, without being linked to principles is dangerous and can create rules and laws, which are the establishment of an ethics, which can transgress basic rights: life, human dignity and limits healthy social coexistence.

The philosopher Theodor Adorno defends this view in his book “Minima Moralia” (London: Verso. 1978) and also Peter Sloterdijk will oppose the absolute imperative (not to hinder progress and human action in the sense of creating a more solidary society) to the categorical imperative ( which is an individual’s moral ethical attitude) established by Kant.

In her book “The banality of evil”, Hanna Arendt warned about the concern with what she called “the activities of the life of the spirit”, related to action, ethics and politics, which took a consistent form in the judgment of the Nazi Adolf Eichmann in Jerusalem, a city that has not only the Judeo-Christian-Islamic symbolism of the great Abramic root, all descend and recognize the symbolism of Abraham as a result of their beliefs, but also a moral code

 

 

Imunidade de rebanho “vacinado”

10 May

The slow fall in infections and deaths, still above 2,000 daily deaths (2091 on Saturday), although there is no statistical analysis to prove it is probably due to the vaccine, as both isolation measures and a clear protocol to open activities “Non-essential” is unclear and is not safely implemented, for example, urban transport and commerce, in Brazil.

The arrival of more than 628,290 doses of the Pfizer vaccine in Brazil Airport, which is expected to be distributed throughout the country, around 1.1 million doses, the capital of São Paulo has already indicated the need for more vaccines, which received 135,720 doses and needs to vaccinate the elderly from 60 to 62 yesrs, in 371 thousand doses.

Rio de Janeiro distributed 472 thousand doses throughout the state, for the 65 to 69 years old age group, elderly people over 80 and health workers, most of the vaccine is from AstraZeneca and is mainly intended for the second dose.

According to FioCruz 17.71% of the population was vaccinated by Friday, and 8.05% with the second dose, throughout the country the numbers are a total of

As of May 15, FioCruz starts to produce inputs in the country, with this it will be the first fully national vaccine, however the national doses will be ready only in the second semester, received the first dose 35,235,949 and 17,715,680 the second dose , in proportional terms this means 8.37% of the population has already received the second dose, and 25.95% the first.

The government gives the number of approximately 75,600,000 doses already distributed in Brazil, this means that there will be 22 million vaccines available for this week, it is expected that this number will be real, as it will represent a significant increase in vaccination.

At this rate, if it is true we will wait for the numbers at the end of this week, it could mean immunization, at least with the first dose of the vaccine of half the population, before the arrival of the harsh winter for July and July, however it is necessary to remember that others viruses will be in the air, and hospital protocols and nursing homes need to prepare for this scenario.

It follows covid’s CPI and it is expected that in fact the responsibilities, and possible deviations and financial abuses, which is an act of inhumanity in a pandemic moment.

 
Nenhum Comentário

Postado em

 

Alerta de inverno, Dia das Mães e vacinação

03 May

A vacinação ainda vai em ritmo um pouco aquém do desejável, é fato que também países mais ricos só agora estão atingindo a vacinação na faixa dos 50 anos, sempre reafirmamos exceto a Inglaterra, China e países que conseguiram manter o isolamento em condições ideais, Portugal é um caso raro na Europa, e a famoso lockdown da Nova Zelândia.

Vale a pena dizer que a Nova Zelândia é uma ilha e que tem um alto senso de coletividade, quer dizer medidas adotadas são respeitadas pela população, algo parecido a China mas lá é devido além do espirito oriental a um governo centralizado e repressor.

No entanto a Asia começa a enfrentar uma forte terceira onda da covid, com destaque para a Índia, ocorreram pelo menos 40.103.000 infecções e 526.000 mortes registradas na Ásia e Oriente médio até agora, na Índia há falta de leitos e as condições sanitárias não ajudam muito.

A preocupação dos especialistas é com aquilo que o médico Miguel Nicolelis chama de política da Sanfona, o abre e fecha reagindo a picos ou atenuantes, agimos na resposta ao vírus e não na sua prevenção, claro a vacinação segue em frente mais em ritmo insuficiente se consideramos que o inverno está chegando sendo o período naturalmente de agravamento de problemas respiratórios e circulatórios.

O Dia das Mães também é preocupante porque é um período de aquecimento das lojas e neste momento há uma flexibilização, inclusive de horários, o comercio pode funcionar até as 20h.

Outra polêmica atual é sobre os testes após tomar as vacinas, a maioria dos especialistas diz que não é necessário, quer der que está com defesas pode pensar que pode relaxar nas medidas e quem não der pode pensar que a vacinação não funciona.

Estes testes precisam ser feitos por especialistas e em condições adequadas de pesquisa para saber a eficácia da vacina e pode ser feito a partir de amostragem com qualidade e rigor científico.

Os números da vacinação são quase 30 milhões tomaram pelo menos a primeira dose e 13,5 milhões estão totalmente vacinas, em porcentagem dá 13,9% da população na primeira dose e 6,5% totalmente vacinadas, neste ritmo pode-se pensar que em julho quando o inverno estará rigoroso devemos estar chegando próximo a metade da população e assim esta transição até lá pode ser complicada sem pensar em sérias medidas de isolamento.

O consórcio  Covax Facility recebeu uma carga de 2 milhões de doses no dia de ontem e completa uma remessa de 4 milhões de doses que será distribuída pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações),  o primeiro milhão da Pfizer também chegou, sua distribuição ainda está sendo discutida.

Já a Fiocruz disponibilizou mais 6,5 milhões de doses da AstraZeneca e o Butantã antecipou 600 mil doses do Coronavac com previsão de chegar a 5,4 milhões de doses, no total quase 16 milhões de doses com a remessa do Consórcio.

A Fiocruz foi autorizada a produção do Insumo Farmacêutico Biológico (IFA) da vacina da biofarmacêutica AstraZeneca contra a Covid-19, inicialmente em lotes de testes, boa notícia.

 

Um Oscar sem brilho e com críticas

27 Apr

Não dispensaram o tapete vermelho, mas faltou um pouco de criatividade e efeitos que pudessem dar ao Oscar da Pandemia um pouco mais de entusiasmo e calor cinematográfico, houveram muitas críticas nas redes sociais.

A apresentação de abertura foi feita pela diretora e atriz ganhadora de Oscar Regina King, e diversos atores na entrega do Oscar como Brad Pitt, Harrison Ford e Reese Whierspoom.

Os troféus foram entregues nos grandes salões da bonita Union Station de Los Angeles (foto), que permite uma cerimonia segura em covid, enquanto muitos indicados estavam reunidos em cidades satélites do evento como Londres, Paris, Praga e Sydnei.

Além do vencedor Nomadland, a novidade de melhor direção além de mulher. a asiática Chloé Zhao levou a estatueta e a atriz americana Frances McDormand levou sua terceira estatueta pela boa atuação, na verdade um dos poucos filmes indicados que assisti.

Antony Hopkins por sua atuação em Meu Pai, ganhou melhor ator, batendo o record de idade 83, enquanto os prêmios de coadjuvante foram para o britânico Daniel Kaluuya (no filme Judas e o messias negro) e para a veterana atriz sul-coreana Yuh-Jung Youn (no filme Minari).

O melhor filme estrangeiro Druk – mais uma rodada (Dinamarca), que pode ser assistido no Now, Apple TV, e Google Play, e por isso não vi.

Melhor canção original foi Fight for you, do filme Judas e o Messias negro.

Prêmios diria de consolação para A Voz suprema do blues, melhor figurino Ann Roth, e melhor cabelo e maquiagem: Sergio López Rivera, Mia Neal e Jamika Wilson.

Melhor fotografia e melhor design de produção foram para o Mank (Netflix).

Melhor edição de Mikkel E. G. Nielson para O som do silêncio, que também levou a estatueta de melhor Som: Nicolas Becker, Jaime Baksht, Michelle Couttolenc, Carlos Cortés e Phillip Blath.

Melhor animação, já de certa forma esperado, Soul que também levou melhor trilha sonora: Trent Reznor. Atticus Ross e Jon Batiste.

Melhor curta de animação: Se algo acontecer … te amo (Netflix), melhor curta de ficção Dois estranhos (Netflix) e melhor documentário Professor polvo (Netflix).

Melhor curta documentário: Collete, sobre a indústria de games, direção de Anthony Giacchino

 

Mecanismo de escape da variante e eficácia das vacinas

26 Apr

 

Pesquisa feita pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) foi detectado o artifício que possibilita a variante sul-africana do novo coronavírus, chamada de B.1.351, escapar do ataque dos anticorpos gerados por infecções anteriores e possivelmente por algumas vacinas também.

Esta descoberta vai dar grande impulso no desenvolvimento de vacinas mais eficazes tanto da variante da África do Sul, como a originária de Manaus (P.1.) e as suas sucessoras.

O artigo publicado está em processo de revisão por pesquisadores da área é intitulado Immunodominant B cell epitope in SARS-CoV-2 RBD comprises a B.1.351 and P.1 mutation hotspot: implications for viral spread and antibody escape, e já se encontra em pré-impressão na plataforma medRxiv, com vários autores brasileiros.

A vacinação chega próximo a 40 milhões (37,7) de pessoas vacinas pelo menos em uma dose e 11 milhões totalmente vacinadas, o número de mortes e infecções teve uma queda na semana que passou, entretanto o inverno já se aproxima e é necessário que haja mecanismos de aceleração da vacinação ou pelo menos de manutenção das taxas regulares previstas.

Segundo o Conselho Nacional de Municípios (CNM), um quarto das cidades brasileiras está com o processo de imunização interrompido por falta de doses, o próprio Ministério da Saúde anunciou a redução de 22,5% no cronograma de doses, e a avaliação é que isto pode ir até julho.

O governo negocia com 100 milhões de doses da vacina Pfizer, mas a expectativa de chegada é para outubro, novembro deste ano, assim a ideia é abastecer para 2022, apontando para este cenário que já traçamos de que as variantes poderão causar muitos casos de reinfecção, sendo que os primeiros já estão noticiados, porém isto não invalida a vacinação em curso.

 

Immunodominant B cell epitope in SARS-CoV-2 RBD comprises a B.1.351 and P.1 mutation hotspot: implications for viral spread and antibody escape | medRxiv

 

Castells, as redes e a pandemia

20 Apr

Castells anteviu o futuro, quando publicou A Sociedade em Rede (no Brasil em 1999, a edição inglesa é de 1996) a Web ainda estava nascendo, parecia um delírio tecnológico, porém com o avanço das mídias, a evolução exponencial da World Wide Web (a internet já existe a 20 anos), a análise sociológica entrou no contexto fundamental para entender um novo cenário.

Ainda passaram muitos anos com alguns intelectuais, religiosos e analistas de diversos tipos não entendendo esta nova realidade, mas a sentença de Castells aos poucos foi se verificando verdadeira: o avanço disruptivo das novas tecnologias de comunicação não apenas muda o modo de ter acesso e comunicar a informação, mas também o modelo de produção e de economia.

Com a trilogia A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura (1996-2003), Castells se transformou na referência internacional da nova sociedade da informação, Castells ocupa a sexta posição na lista de pesquisadores mais citados entre 2000 e 2017 no Social Science Citation Index.

Castells analisou e acompanhou as discussões do Fórum Social de Porto Alegre, o movimento dos indignados de 2011 na Espanha (conhecido como 15-M) e todas as revoltas dos indignados ao redor do mundo nos últimos anos, das primaveras árabes aos protestos do Occupy Wall Street.

Sua análise ficou concentrada num livro mais recente: Redes de Indignação e Esperança: Movimentos Sociais na Era da Internet, mas boa parte da intelligentsia ainda torce o nariz, seus livros mais atuais abordam a perda da legitimidade da pandemia: La Crisis de Europa (“a crise da Europa”) e Ruptura: A Crise da Democracia Liberal.

Castells mostrou que países como Noruega, Nova Zelândia, China, Coreia do Sul, Uruguai, Vietnã – são os exemplos de países foram bem sucedidos em controlar a pandemia, são regimes completa- mente diferentes e o importante foram as políticas de isolamento e a adesão social ao protocolo.

Com Pekka Himanen, publicou Sociedade da informação e Estado-Providência – O Modelo Finlandês, no qual sustentam que, como demonstra o caso da Finlândia, mostrando que é possível avançar com as tecnologias sem aumentar as desigualdades sociais.

 

O crise civilizatória e mudar de via

16 Apr

Há um espectro de tristeza e morte sobre a humanidade, foi só a pandemia causou isto?, penso que não, há sempre uma esperança viva e uma dose até de otimismo que não devemos abandonar, por mais ingênua que ela pareça significa que caminhamos cuidadosos, mas com passos seguros.

Assim está escrito no livro de Edgar Morin É hora de mudarmos de via: as lições do coronavírus: “corremos o risco de entrar numa era ciclônica do que ocorreu em Sarajevo em 1914 ou em Danzig em 1939 (atual Gdansk): a bomba e a reivindicação de um iluminado provocaram nas duas vezes, por reações em cadeia totalmente imprevistas, a deflagração de duas hecatombes bélicas mundiais” (p. 52, 53).

Para quem desconhece estes fatos históricos, o porto de Dantzig (Gdansk) como cidade-estado, foi criado pelo Tratado de Versailles de 1919 depois do fim da Primeira Guerra Mundial, como uma cidade estado independente, era ligada a Polônia pela importância portuária, mas tendo uma maioria Alemã se ressentia da separação da Alemanha, até que em 1933 o Partido Nazista foi eleito como governo local e a minoria polonesa passou a sofrer inúmeras perseguições.

Com a invasão da Polônia em 1939 os nazistas consideram a cidade como parte da “Prússia ocidental” e os cidadãos como propriedade do estado, subtendo-os a trabalhos forçados e humilhações.

O que ocorreu em Sarajevo que foi estopim da Primeira Guerra Mundial é mais conhecido, o assassinato do arquiduque Franz Ferdinand da Áustria, virando uma rede de intrigas e acusações (Há um filme na Netflix para quem gosta de História), a Sérvia e Áustria-Hungria disputavam a posse da Bósnia, e o objetivo sérvio era forma a “Grande Sérvia” e tinham apoio da Rússia.

O arquiduque era austríaco e foi assassinado por um nacionalista bósnio Gaurilo Princip, o pangermanismo nascia ali e ele iria alimentar não só a primeira, mas também a segunda guerra.

Como indaga Morin no referido livro, não sabemos se estes “processos retrocessivos” provocará a barbárie ou favorecerá a Constituição de Estados neoautoritários, podendo chegar a guerra.

Não devemos alimentar o ódio e o confronto planetário, ele só porá tudo a perder, e devemos ter um olhar sobre o sobre-humano, o sobre-natural de onde vem alimentos para a alma e o corpo também.

Morin lembra o Oráculo de Delfos, citado por Heráclito de Éfeso: “o deus cujo oráculo está em Delfos não explica nem oculta sua predição, mas dá uma indicação para compreendê-la” (p. 53) que é sua explicação para a necessidade de mudar de via, e escolher a paz e não a guerra.

A presença deste sobre a passagem bíblica em que os discípulos encontraram Jesus pelo caminho, inicialmente sem percebê-lo como o “mestre” e depois compreendendo quem era, inicialmente tomam um susto, imaginando que é um fantasma, mas Ele diz: “a paz esteja convosco” (Lc 24,36).

Após isto ele pede um peixe para comer, assim se alimentará de algo físico, e depois explica que tudo o que ocorreu era para se cumprir a lei de Moisés, dos profetas e nos salmos, como o oráculo de Delfos não diz o que vai acontecer, mas explica o que pode acontecer com o alimento da alma.

MORIN, E. É hora de mudarmos de via: as lições do coronavirus, Trad. Ivone Castilho Benedetti, Rio de Janeiro: Bertrad do Brasil, 2020.

 

O fracasso civilizatório e a saída

15 Apr

Estamos comentando o livro “Como viver em tempos de crise ?“,  de Edgar Morin e Patrick Viveret e como já foi dito é anterior a pandemia, mas traz luz para a crise que vivemos que tem raízes anteriores a este processo e que a pandemia apenas acelerou.

O esvaziamento do ser (ou na visão de Heidegger o “velamento”) tomou formas de “coisificação, seja em relação aos seres vivos em geral ou à própria humanidade, cuja mercantilização desenfreada se apresenta aqui apenas como um aspecto, expressam essa incapacidade de salvação pela economia” (p. 44), como já dissemos que é a proposta central da modernidade.

Dizem os autores: “o fim desse formidável período histórico que foi chamado de modernidade ocidental e que é bem caracterizado por Max Weber, em A ética protestante e o espírito do capitalismo, como a passagem da economia da salvação para a salvação pela economia” (p. 43).

No entanto perguntam os autores “como sair desse ciclo, preservando o melhor?” (p. 44) seria preciso (porque a pandemia parece ter exposto o lado mais cruel desta possibilidade) “entender, escutar, reencontrar o melhor das sociedades e civilizações tradicionais, ao mesmo tempo mantendo a lucidez de que nelas existe o pior?” (p. 44) a resposta parecia afirmativa. e não foi ou ainda não é o que está acontecendo em plena pandemia.

Esclarece um ponto importante ao criticar o individualismo de nossos tempos, “a individuação, que não se reduz em absoluto ao individualismo; os direitos dos homens e, nesses direitos, os direitos das mulheres? Em compensação, como romper com todas as formas de dominação, imperialismo, colonialismo, coisificação, nas relações com os seres vivos, nas relações com a natureza, nas próprias relações inter-humanas?” (p. 45), que se mantém na forma de dependência esclarecem, e a saída será um encontro da humanidade consigo mesmo.

Será necessário um diálogo “exigente entre civilizações e erigir um universal possível, não imposto de cima pelo modelo advindo da modernidade ocidental, mas como um mosaico inter-humano” (p. 46), e esclarece que num diálogo deste tipo que participou em Nova Delhi, a expressão “mosaico” ajudou a baixar a guarda e enfrentarem o pior de cada civilização e cita o caso da mutilação feminina na África.

O diálogo é necessário, mas quais seriam os pontos importantes neste diálogo?

MORIN, E., VIVERET, P. Como sobreviver na crise ? . Tradução: Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2013.