RSS
 

Arquivo para janeiro 8th, 2016

Ficção científica, futurismo e o presente

08 Jan

Desde o filme Laranja Mecânica adaptado para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick, mas que é do livro de Anthony Burgess, até o atual Perdido em Marte, a ficção científica na sétima arte passou por etapas e discursos semelhantes, mas com ênfases distintas e de certa forma influenciaram o senso comum.

 

Burgess e Stanley Kubrick invocam a perturbadora história de uma provável sociedade doDeVoltaParaFuturo futuro onde a violência atinge proporções gigantescas e exige um governo totalitário tomar medidas de controle, não é diferente do tema tratado no livro 1984 de George Orwell, nem no admirável mundo novo de Aldous Huxley também adaptado para o cinema por Orwell, como 2001: uma Odisseia no Espaço (1968) escrito por Arthur C. Clarke e Kubrick.

 

Também o épico Blade Runner (1982, no Brasil com o subtítulo O caçador de Andróides), narra uma sociedade futurista onde a humanidade inicia uma colonização espacial, onde seres geneticamente alterados, os replicantes, são utilizados em tarefas pesadas, perigosas e degradantes nas novas colônias, mas um motim começa com a presença não permitida de replicantes na Terra que se confundem com os humanos.

.

Passou 1982, 1984 e 2001 e nada disto aconteceu, também o ano passado foi até comemorada data  21 de outubro de 2015, quando os personagens dr. Emmet Lathrop Brown (Christofer Lloyd)), Marty McFly (Michael J. Scott) e Jeniffer Park (Elisabeth Sue) do filme De Volta para o Futuro II (1989), então bem vindos ao presente.

 

Passou quase desapercebido, primeiro pela questão ideológica e depois por volta de entendimento, as duas versões do filme Solaris (1972) de 1972, realizado por Andrei Tarkovski no qual astronautas vão para um planeta formado por um imenso oceano, e um psiquiatra  Dris Kelvin (Donatas Banionis) é enviado a aeronave para verificar se a missão deve continuar.

 

Ao chegar à aeronave, uma cena que passa quase despercebida vê uma máquina em pane e a desligada e depois outra surpresa é o suicídio de um tripulante, enfim o drama é humano.

 

Uma nova versão foi feita em 2002, produzida por James Cameron, dirigido por Steven Soderbergh e estrelado por George Clooney e então foi um sucesso ? não, a mentalidade bélica de Wars não pode entender que no fundo o drama da humanidade é humano e não tecnológico nem futurista, é o hoje.

 

Mas “Interestelar“, que ganhou melhor trilha sonora (sic!) com Hans Zimmer, que fala do drama ecológico e concorreu a melhor edição e melhor mixagem de som além de desenho de produção com “Interestelar” de Nathan Crowley e Gary Fettis, já mostram novo caminho; também Gravidade (2013) com melhor diretor Alfonso Cuarón, melhor trilha sonora e melhor mixagem de som (sic!).